Casais

Uma amiga é pouco, dois amigos é bom e a três é muito mais

Bom dia caros leitores, meu nome é Shirley, sou casada com o Jony, ambos na faixa dos trinta anos, formamos o casalsmith3030............. e estamos juntos a quatorze anos, somos um casal liberal e adoramos sexo, na nossa cidade temos um casal liberal e alguns amigos confiáveis e sigilosos que nos proporcionam muito prazer realizando várias fantasias. Meu marido é corno manso assumido, ele me incentiva a usar roupas provocantes, paquerar, namorar e adora ver ou saber que eu tranzei com outra pessoa, ele participa pouco pois gosta mesmo e de assistir, depois agente senta, conversa e escreve esses contos, adoramos fazer isso. Nestes quatorze anos que estamos juntos realizamos muitas fantasias e já escrevemos mais de dez contos relatando como tudo aconteceu. Sempre que aparece uma oportunidade segura estamos fazendo sexo e realizando fantasias.

O fato que vou contar hoje aconteceu recentemente. Já faz algum tempo que eu e meu marido estamos tentando comprar um lote de terras na zona rural. No mês passado meu marido me pediu para eu ir olhar um sítio que estava a venda há quatro km de distância do sítio de um amigo nosso, o Claudio, ele faz parte do nosso circulo de amigos seguros e sigilosos, eu já tranzei com ele algumas vezes inclusive uma delas na frente do Jony, meu marido, onde relatamos nos contos ; TRASANDO NA CHÁCARA COM UM AMIGO DO MEU MARIDO ( Relatos de Casais ), que aconteceu ha algum tempo atrás mais somente esse ano publicamos e o outro aconteceu no mês passado, FILMANDO TUDO PARA O CORNO VER ( Relatos de Casais ).

João e Flávia são nossos amigos, ele trabalha com o jony, meu marido, ambos são representantes comercial e estão sempre viajando, ela trabalhava em uma loja de cosméticos e hoje trabalha junto comigo em um escritório de contabilidade, os dois também formam um casal liberal, eles fazem parte do nosso circulo de amigos seguros e sigilosos, nós quatro já realizamos várias fantasias juntos como : Swing, Ménage e Bi- Feminino, algumas delas foi publicado nos contos : UM SWING GOSTOSO COM UM CASAL DE AMIGOS I e II ( Relatos de Casais ) e o outro foi, MEU DIA DE PUTA ( Relatos Bi ). Jony e João, nossos maridos, trabalham viajando e chegam a passar até um mês fora de casa, eu e a Flávia somos bastante amigas e trabalhamos juntas como secretária, nosso patrão é o Sr. Fernando, ele é separado e também faz parte dos nossos amigos sigilosos, eu e o Sr. Fernando também já fizemos algumas loucuras que estar nos contos : MEUS DIAS DE SECRETÁRIA ( Relatos de Casais ) e o outro é, MARIDO CORNO ASSISTI SUA MULHER COM DOIS MACHOS ( Relatos de Casais ). Pois bem, depois de apresentar todos vamos ao conto.

Tudo aconteceu próximo do final de semana, na sexta-feira pela manhã, eu e a Flávia chegamos cedinho ao escritório para trabalhar, Sr. Fernando havia viajado e deixou para nós duas uma lista extensa de trabalho para o dia, era tanta papelada que eu e a minha amiga tivemos que comprar comida e almoçar no trabalho mesmo para poder dar de conta de tudo, no final da tarde nós duas já estavámos exastas, como já passava das 17:00 Hs nós resolvemos fechar o escritório e dar uma pequena pausa no trabalho, como o escritório tem banheiro nós duas resolvemos tomar um banho para refrescar, depois fomos para a sala do Sr. Fernando se vestir, enquanto nós nos vestiamos, eu contei para a Flávia o dia em que tranzei com o Sr. Fernando dentro daquela sala, em cima daquele birô, que eu havia gozado feito uma louca, em seguida Flávia me interrompeu pedindo para eu não contar mais nada pois os nossos maridos já estavam fora de casa há quase um mês e que aquela história estava deixando ela exitada, eu respeitei o pedido da amiga e não falei mais nada, apenas pedi a ela que me ajudasse com meu sutiã e virei de costas, Flávia abotoou meu sutiã e me abraçou por trás me empurrando contra o birô, eu me virei de frente pra ela e perguntei o que estava acontecendo, ela me abraçou mais uma vez, olhou dentro dos meus olhos e me disse que estava carente e muito exitada, em seguida eu toquei no seu rosto e nós duas começamos a nos beijar, era um beijo de língua gostoso, ardente, carente de amor, nós não cansavámos de chupar a língua de ambas, passamos vários minutos sem descolar a boca uma da outra até começar as primeiras caricias, eu comecei a acariciar seus seios e ela os meus, acabamos tirando toda a parte cima da roupa, em seguida eu apertei seu corpo contra ao meu e chupei seus seios com vontade, Flávia gemia baixinho no meu ouvido, depois disso, Flávia começou a chupar meus seios e a acariciar minha buceta por cima da calcinha, meu corpo tremia todo, em seguida, ela se ajoelhou entre minhas pernas, retirou minha saía e minha calcinha e caiu de boca na minha buceta me chupando gostoso, a língua dela ia no fundo da minha buceta me levando ao delírio, ela me comia com a sua língua, eu segurei seu rosto com minhas duas mãos e pressionei contra minha buceta, comecei a me esfregar na cara dela e depois de alguns minutos gozei no seu rosto, foi uma delicía, depois disso, eu pedi pra Flávia retirar a sua roupa e se deitar em cima do birô pois eu iria fazer ela gozar gostoso, em seguida, puxei uma cadeira e me sentei próximo dela, levantei suas pernas, abri sua buceta e comecei a chupar, que buceta gostosa, eu acariciava seu clitóris e metia minha língua várias vezes consecutivas no fundo da buceta dela, em seguida, eu enfiei dois dedos dentro da sua buceta e passei a chupar seu cuzinho que era lindo e gostoso, depois de vários minutos, Flávia passou a gemer dengosa, quase chorando e acabou gozando nos meus dedos e na minha língua, foi muito gostoso, em seguida nós ficamos em pé, nos abraçamos e trocamos um demorado beijo de língua.

Depois disso, nós duas fomos ao banheiro cuidar da higiene e retocar a maquiagem, depois nos vestimos, voltamos, concluímos o trabalho que restava e fomos para casa, como nossos maridos ainda estavam viajando, antes de ir dormir eu liguei para a Flávia para saber se estava tudo bém e convidei ela para passar o dia seguinte ( sábado ) comigo no sítio, fazendo comidas típicas, nadando no rio e tomando umas cervejinhas para diminuir o stress, Flávia aceitou o convite e disse que me esperaria em sua casa no sábado de manhã, depois de tudo certo, eu resolvi ligar pro meu amigo Claudio e pedir a ele que pegasse as chaves do sítio do amigo dele, que eu o alugaria por um dia pois eu e a Flávia iríamos passar todo o dia seguinte por lá, ele me disse que já estava com as chaves, que agente poderia ir direto para o sítio que ele estaria lá nos esperando pois ele mesmo era quem estava tomando conta do sítio vizinho, que quando eu e a Flávia chegasse lá ele nos entregaria as chaves, receberia o dinheiro do aluguel do sitio, terminaria de colher algumas verduras das plantações e iria embora para a sua casa, tudo combinado, só restava agora dormir logo para chegar o dia seguinte.

No sábado de manhã acordei cedo, preparei algumas coisas, peguei meu carro e fui para a casa da Flávia, de lá nos duas fomos direto para o sítio, chegando Lá o Claudio já nos aguardava, ele nos cumprimentou, nos entregou as chaves da casa, recebeu o dinheiro do aluguel e nos disse que iria terminar o trabalho de colheita das plantações e que agente ficasse a vontade, eu e a Flávia fomos para a cozinha e preparamos algumas comidas, em seguida, nós duas pegamos um litro de Martine, bastante gelo e fomos tomar banho no rio, entre umas doses e outras nós fomos relembrando a tarde anterior, da primeira vez que realizamos um bi-feminino e depois tranzamos as duas com meu primo Bruno ; MEU DIA DE PUTA ( Relatos Bi ), enfim, das nossas putarias, o assunto foi esquentando o clima entre nós duas, em seguida, Flávia me perguntou sobre o Claudio e eu disse a ela que ele era um amigo liberal e de confiança, que eu e o meu marido gostavámos muito dele, também contei a ela que no mês passado eu havia vindo conhecer aquele local juntamente com o Claudio, que meu carro havia atolado nas possas de lama e que depois de tudo eu havia tranzado com Claudio tanto dentro do carro como naquela casa, que ele era muito gostoso e me fez gozar feito uma louca, depois de ouvir isso, Flávia ficou toda assanhada me perguntando mais sobre o Claudio, perguntando se ele era carinhoso, se seu pau era grande, se ele metia gostoso etc, entre umas doses e outras nós duas já estavámos meio tonta quando a Flávia me puxou pra perto dela, me deu um pequeno beijo na boca e me disse que estava muito exitada, eu também estava exitada mais queria algo diferente, então eu disse a minha amiga que o que nós duas estavámos precisando era de um pau duro dentro das nossas bucetas e resolvemos voltar para a casa do sítio, chegando lá o Claudio não estava, tiramos nossas roupas molhadas e ficamos somente de biquíni, em seguida fomos procurar o Claudio dentro das plantações, andamos um pouco e encontramos ele debaixo de uma cabana de palha, ele estava em pé próximo de uma mesa de madeira, separando frutas estragadas, nos aproximamos dele e ele ficou surpreso com a nossa presença, depois de alguns minutos de conversa, Claudio me perguntou quem era a Flávia, eu disse a ele que ela era uma amiga igual a eu, casada e liberada, uma amiga de confiança, depois disso, Claudio logo percebeu a nossa cara de puta com fome de rola e deu um pequeno sorriso, em seguida ele nos ofereceu água gelada e eu respondi que eu e a Flávia queríamos outro de tipo de água, direto da fonte e sentamos as duas juntas em um banco de madeira próximo da mesa, ele entendeu a nossa intenção e se aproximou de nós duas, eu e a minha amiga começamos a acariciar seu pau por cima da sua roupa, ele retirou sua camisa e ficou olhando pra nós duas, Flávia baixou seu short e nós duas começamos a punhetar o pau dele, Flávia foi a primeira a chupar o pau dele depois foi a minha vez, nós duas ficavámos revezando as chupadas entre seu pau e suas bolas, Claudio estava adorando nossa chupeta e seu pau em poucos minutos já estava duro, em seguida, ele pediu pra gente retirar o biquíni e sentar as duas em cima da mesa, uma ao lado da outra, depois disso, ele sentou entre nós duas no banco de madeira ao lado da mesa, depois ele começou a chupar meus seios e os da Flávia, em seguida nossas bucetas, ele ficava alternando chupando uma depois a outra até perguntar quem seria a primeira e levar rola e a minha amiga se candidatou, Claudio ficou em pé e se posicionou entre as pernas da Flávia que estava sentada de pernas abertas em cima da mesa, ele colocou seu pau na entrada da buceta dela e foi enfiando devagarzinho até entrar tudo, depois começou a meter, eu estava sentada ao lado da Flávia, agarradinha com ela e incentivando o Claudio a meter todo o seu pau dentro da buceta da minha amiga, a Flávia começou a gemer com as estocadas do Claudio, eu me abaixei um pouco e comecei a chupar seus seios enquanto o Claudio metia na buceta dela, a puta da Flávia gemia feito uma cadela, em seguida, foi a minha vez, Claudio me pediu para ficar de quatro no banco da mesa, apoiada entre as pernas da Flávia, ele ficou em pé por tras de mim, colocou seu pau na minha buceta e começou a meter, que rola gostosa ele tinha, a cada estocada que ele dava eu soltava um grito abafado chupando os seios da Flávia enquanto ele metia fundo na minha buceta, depois de alguns minutos, Claudio saiu de tras de mim e se sentou ao meu lado no banco de madeira, Flávia saiu de cima da mesa e se sentou no colo do Claudio, de costas pra ele, ela encaixou sua buceta no pau dele e começou a cavalgar subindo e descendo, eu fiquei em pé na frente dela, Flávia se apoiou em mim e começou a chupar meus seios enquanto pulava no pau do Claudio, que loucura gente, parecia um sonho, que foda gostosa, em seguida, agente resolveu mudar mais uma vez, eu me deitei em cima da mesa e a Flávia se sentou no banco de madeira próximo do meu corpo, Claudio ficou de pé e me puxou para a pontinha da mesa, ele levantou minhas pernas e enfiou seu pau todinho dentro da minha buceta ficando somente as bolas do lado de fora, depois começou a meter, que coisa gostosa, nessa posição entrava tudo, ele metia muito fundo na minha buceta, que gostoso, Flávia passou a acaraciar minha buceta e a chupar meus seios enquanto o Claudio me comia, essa combinação me deixa louca de tezão, em poucos minutos eu comecei a gemer feito uma cadela, meu corpo começou a tremer todo, eu me agarrei com a Flávia e gozei feito uma louca beijando sua boca enquanto o pau do Claudio estava enterrado dentro da minha buceta, que loucura, depois disso, meus dois amigos também queria gozar, então Flávia ficou em pé na pontinha da mesa, empinou sua bunda para tras e apoiou seus seios e braços em cima da mesa, eu fiquei sentada no banco próxima dela, Claudio se posicionou em pé por tras dela, pegou seu pau, enfiou na buceta dela e começou a meter, ele puxava ela pelos ombros e metia tudo bem no fundo da buceta dela, a Flávia gritava de tezão, em seguida, ele puxou ela pelos cabelos bem pra perto do corpo dele, segurou seus seios e passou a meter rápido e forte na buceta dela, em poucos minutos os dois gozaram feito loucos, Claudio gozou dentro da buceta da Flávia enchendo ela esperma, os dois gemia de tezão gozando juntos, foi maravilhoso assistir. Depois disso, pegamos nossa roupa e nos vestimos, Claudio agradeceu a nós duas dizendo que adorou a experiência com duas mulheres e queria repetir mais vezes, em seguida fomos nós três para a casa do sítio, chegando lá, Claudio se despediu de nós duas e foi embora, eu e a Flávia tomamos um banho e algumas cervejinhas até a tardinha, depois fomos para a nossa casa.

Depois de algum tempo, nós duas contamos tudo para os nossos maridos, os cornos gostaram da idéia e disseram que da próxima vez queriam assistir a tudo, quando isso acontecer agente conta pra vocês.

Até a próxima.

 

Pedi tanto que ela realizou

Ola gente me chamo nilson 29 anos, e minha esposa se chama leticia 21 anos, morena, pernas bem grossas, bunda bem arrebitada, cabelo cacheado até no meio das costas, enfim uma mulhjer q chama ateçao aonde passa, temos uma filha de 1 ano, moramos em são luis do maranhao e estamos juntos há mais de dois anos, e moramos juntos. Em fim tudo aconteceu quando sempre nas sexta feira na nossa casa anoite eu comprava uns vinhos e eu e ela ficavamos conversando sobre tudo até q um dia falamos de fantasias e ela logo de cara perguntou se eu tinha e eu falei q sim entao ela perguntou qual seria e eu falei q era bem louca q nao dava pra falar assim, até q ela ensistiu bastante e acabei falando q era ver ela com outra pessoa, e ela na hora sorriu e deu um sinal de q gostou pois percebi na hora, ai ela falow q tb tinha uma fantasia e de cara me falow q era tranzar com dois homens, ai depois dessa conversa agente transamos muito nessa noite e com um tempo comprei um cel.pra ela e perguntei se eu poderia dar o numero dela pra alguns caras q conheci na net atraves do bate papo, e gente acreditem q ela sem penssar disso tudo bem amor pode dar sim, ai nesse dia tive certeza q ela tava facilitando as coisa. e dei o numero dela pra uns 4 homens e todos eles ligaram pra ela e pediram pra visitar e conhecer ela na nossa casa e ela falava q era comigo e q se eu deixasse por ela estaria tudo bem, entao o 1ª cara me ligou e me falow q tinha conversado com ela e q ela tinha falado q podia marca pra ele visitar agente na nossa casa em um sabado, gente isso era uma quarta feira e marquei pra ele ir na nossa casa em um sabado e chegando o sabado atarde bebemos muitas cerveja eu e ela e ele iria chegar as 18 hrs e quando deu 18 e 30 ele me ligou q ja estava proximo no local q eu marquei e fui la apanhalo, detalhe gente: minha esposa quando deu as 17 hrs tomou um bom banho e colocou um vestidinho roxo q nao dava um palmo bem curtinho, e um salto bem alto e uma calcinha preta fio dental, entao gente fui apanhar o cara e quando cheguei advinhem: ela nao gostou do cara e fechou logo a cara e me chamou e falow q ele nao fazia o tipo dela, pois me surpriende com essa reação dela de abrir o jogo comigo e as intençoes dela se o cara fosse do perfil dela, entao rapidamente bebemos mais um pouco e chamei ele e falei q agente tinha q sair e coisas assim.

Gente e depois desse cara agente ainda conhecemos mais 3 q ela tb nao acabou gostando. Até q um dia, eu lembro como se fosse hj bate um belo papo com o ramom pelo msn e gente pensse em um cara experiente nesses assuntos de fantasias de casal, e trocamos celulares e ficamos conversando muito. até q na terça feira de carnaval de 2011 desse ano, eu e minha esposa planejamos ir numa festa carnavalesca um pouco distante da nossa casa e sem ela saber marquei com o ramom pra encontrar agente la, apos agente ja ter chegado e ele topou na hora, ai quando foi uma 9 da noite se arrumamos e fomos pra festa carnavalesca em um bar muito agitado e bastante gente desconhecida, gente quando chegamos sentamos e ficamos bebendo cerveja e depois de umas 3 cerveja ela se levantou e ficou dançando sozinha na mesa perto de mim, gente um detalhe q esqueci ela tava vestida: uma blusinha branca, um shortinho curtinho listrado verde com cinza, sandalia bem alta de cor creme, calcinha pequena vermelha e cabelo trançando q ela tinha feito. Entao gente apos ela levantar com uns 10 minutos ela ver um coroa amigo antigo dela de festa e comprimentou ele com sorrisos e mais sorrisos, e apos terminar o comprimento com ele, ela veio logo aonde eu tava e me falow no meu ouvido q esse coroa dançava muito e q ela antigamente em festa sempre dançava com ele, ai pronto ela ficou louca pra danar com ele, e eu concordei , e gente vcs acreditem q ela foi procurar ele e trousse ele pra nossa mesa pra dançar com ela na minha frente,o coroa ficou meio sem jeito mais logo deu um sorriso e ele ficou mais tranquilo e começou a dançar com ela agarradinho, nossa quando eu olhei a minha esposa agarradinha no pescoço daquele coroa q deveria ter uns 43 anos e ele agarrado na cintura dela se esfregando devagar nela e ela sorrindo e dando sinal q tava tudo bem, aquela cena foi muito legal e fiquei pau duro sentado na mesa bebendo e olhando a cituação, ele dançou uma musica inteira com ela pois deixei ela se sentir avontade o tempo todo, e esse coroa toda hora dançava com outras meninas perto dagente e depois vinha na mesa e ja se achava com toda moral e puchava ela pra dançar e ela adorava e dançava com ele se esfregando toda, e quando penso q nao o meu celular toca era o ramom dizendo q ja tava na porta da festa e eu chamei ela e fale no ouvido dela q iria buscar um amigo la fora e ela sorriu e falou tudo bem e continuou dançando com o coroa e eu fui la, gente nem sabia como era o cara e quando pensso q nao o meu celular toca dinovo e ela ele bem perto de mim , ai perguntei aonde ele tava e quando virei vi ele falando e levantando a mao, e só fiz chamar ele e conversamos um pouco, falei pra ele q ela nao sabia de nada ainda q era pra ele ficar normal na mesa bebendo com agente e ele de logo falou fica tranquilo amigo deixa comigo, Ai voltamos pra mesa e quando chegamos ela ainda tava dançando com o corou e só fiz apontar pra ele quem era a minha esposa, gente ele quando viu nem acredito me disse na minha cara: nossa cara tua esposa é muito gostosa meu deusq delicia, nessa hora fiquei todo sem jeito e sorri, ai ela nao demorou muito terminou de dançar com ele e veio pra mesa e eu apresentei ele e ela beijou ele no rosto e tal normalmente, e continuamos bebendo na mesa e nao deu 2 minutos ele puchou ela pra dançar e ela foi, o ramom dançava bem tambem e ai ele começou a conversar com ela no ouvido e dançando , tipo elogiando q ela dançava bem etc...

e com um tempo ele foi no banheiro e ela veio logo no meu ouvido e perguntou, amor esse ai é um daqueles amigos né, e eu sem fazer misterio falei q era e ela falow q naquele dia nao dava q iria só beber e tal, e eu disse tudo bem, gente se passou o tempo rapido e a festa ja anuciava o final e isso era ja 2 da manhã e agente bebendo ainda, e foi quando acabou a festa e agente ainda tinhamos mais duas fichas de cervejas e ficamos bebendo ainda e o povo indo embora, quando terminamos de beber as cervejas ja nao tinha quaze ninguem e ja era 2 e 30 da madrugada, normalmente fui na frente e eles vieram conversando atras de mim normalmente, e quando veio o susto, tinha um carro de policia encostado na minha moto e veio logo o policial perguntar se eu era o dono da moto e disse q sim, ai ele veio me explicar o q tinha acontecido q tinha uns caras querendo roubar e que nao roubaram por causa de um motoboy q começou a buzinar e falar pra eles largar a moto, ai tudo bem o pior nao tava ai, era q eu nao sou habilitado, e o documento da moto eu tinha perdido um dia antes, e o policial me pediu o documento da moto, ai eu fui explicar pra ele, e ele ficou desconfiado q a moto nao era minha e me pediu os meus documentos, nesse momento falei pra minha esposa leticia e ramom ficarem me esperando q eu iria resolver aquilo, gente enquanto eu resolvei aquilo com os policias, a leticia e ramom ficaram em uma certa distançia mais dava pra mim ver eles e no local q o espertinho do ramom levou era escuro e só dava pra ver o corpo deles em forma de sombra, conversa vai e conversa vem com os policias e se passaram 20 minutos nisso, e resolvi o problema , mais tive q ligar pra um amigo meu e chamar ele pra pegar a moto pois eu nao podia por causa da habilitação, eu comprovei q a moto era minha mais os policias falaram q só poderia liberar a moto pra alguem q seja habilitado, ai meu amigo veio e infelizmente fomos pra casa, e ramom foi pra dele. e agente tinha deixado a nossa filha na casa dos meus pais e tinhamos combinado em ir dormir, ai quando fomos dormir em um quarto la na casa dos meus pais , ela veio pra cima de mim beijando e me falando q era pra ter rolado tudo naquele dia, e que nao rolou por causa do problema da moto, ai eu começei a dar uns amassos nela e perguntar o q tinha rolado com ele naquela hora q eu tava com os policias, ela começou a sorrir e falando q tinha só conversado muito com ele, e q tinha gostado dele, ai eu tirei a roupa dela e a minha coloquei ela em cima de mim e comecei a beijar ela e meter nela, e perguntando o q ele tinha feito pra ela ter gostado dele, gente ela começou a se abrir e disse: ele fez o que tu queria amor, e eu com tesao perguntei o QUE?

ai ela disse pra mim ligar pra ele q concerteza ele iria contar, e eu disse td bem. ai eu comecei a fuder ela e perguntar: tu me fez de corno foi amor? e ela confirmava q sim e que eu tava pedindo e ela fez sim, mas ela fala q era pra ter sido melhor pois só rolou poucas coisas e ainda me disse q ele tava louco pra fuder ela e que ela tambem tava louca pra fuder com ele, ai terminamos a tranza gente dormimos e no outro dia liguei pro ramom e ele todo alegre me contou tudo, me disse: nilson beijei muito a tua mulher, beijei o pescoçinho dela, meti alingua no ouvido dela, apertei bastante a bunda dela, meti a mao por baixo do shortinho da tua esposa e peguei na calcinha dela e puchei pra cima chega ela arrebitava a bunda todinha pra cima e eu beijando a boca dela de lingua, peguei a mao dela coloquei pra segura o meu cacete por cima da calça e ela seguro e falou q ela muito duro ele, nilson ela tava doida pra fuder cara, e eu dei muitos amassos nela e ela ficou louca cara, beijei a barriguinha dela, abaixei aquele shortinho dela virei ela de costas e so de calcinha toda no rabo ele afastou e chupou ela toda q ele disse, e quando penssa q nao eu tinha resolvido o problema e tinha q ir embora......gente depois desse dia nunca mais vimos o ramom pois ele tava em sao luis-maranhao a trabalho, mais ainda quero encontrar um amigo igual a esse pra terminar o serviço....abração nilson. imail: esposaliberada19@hotmail.com
 

 

Dando o troco no maridão

Meu nome é Ângela, sou morena clara, olhos verdes, 1,65m, 26anos, 58 kg muito bem distribuídos. Só quem é mulher sabe o quanto é difícil manter um corpo quase perfeito, porque, perfeito é impossível não é mesmo? São horas e horas de muito sofrimento em academias e de longas caminhadas, sem contar os regimes e outros truques para disfarçar novos defeitos que o tempo impiedosamente nos “presenteia”.
Vamos ao conto:
Sempre que tem uma ocasião especial para se comemorar, como aniversário de um ente querido, festa de final de ano, um feriado prolongado, eu e meu marido o Carlos, temos o costume de reunir a família numa chácara que possuímos na Região Metropolitana de Curitiba, lugar ideal para um final de semana junto à natureza e longe do agito da Cidade grande.
A casa principal da chácara fica no lugar mais alto do terreno. A casa do caseiro fica um pouco ao lado. A uns 50m da casa principal, mais abaixo, ficam três tanques de peixes e uma piscina de água natural, uma delícia no verão. Logo acima dos tanques uns 80 a 100m da casa, temos um pomar com bastantes variedades de frutas, que por ser uma exigência nossa, o caseiro mantém sempre limpo. Logo depois do pomar, o terreno é composto por matas nativas.
Dentre as árvores frutíferas a que mais se destaca é uma mangueira alta e frondosa com galhos chegando quase ao chão, um ótimo lugar para uma metidinha bem gostosa longe do agito do pessoal. Já dei minha bucetinha várias vezes pro meu maridinho de baixo daquela mangueira.
O lugar é ideal para uma rapidinha, pois quando escurece, da casa não da para ver muita coisa no pomar, mas de lá, da para ver todo o movimento da casa.
Neste final de semana resolvemos reunir o pessoal na chácara para comemorarmos o aniversario da matriarca da família a dona Sônia avó do Carlos.
Dona Sônia é um amor de pessoa e querida por todos.
À noite o pessoal estava à vontade, pois rolava muita carne e bebidas.
Notei que meu marido não se separava da Adriana, mulher do meu primo, o Paulo.
Adriana além de ser uma mulher muito linda tanto de corpo quanto de rosto, ela é extremamente simpática, alegre, e extrovertida.
Adriana é morena clara, 1,75m, cabelos encaracolados um pouco abaixo dos ombros, olhos cor de mel, lábios carnudos, peitos bundas e peso na medida certa, nem a mais nem a menos, o tipo de mulher gostosona como os homens costumam dizer.
Adriana é o tipo de mulher que se quiser, tem qualquer homem aos seus pés, é só estalar os dedos que eles vêm como cachorrinhos ao seu encontro abanando o rabinho. Eu não a culpo, pois ela é realmente encantadora.
Meu sexto sentido me alertou para ficar antenada, pois poderia rolar alguma coisa entre Adriana e Carlos naquela noite, e como costumo confiar nos meus instintos, resolvi observá-los à distância.
Lá pelas oito da noite notei que Carlos disfarçadamente caminhava rumo ao pomar, e, minutos depois Adriana desceu também. Eu tinha quase certeza do que iria rolar entre eles, e sabia com exatidão até o local onde Carlos a levaria.
Dei um tempo pra eles e resolvi verificar de perto se minhas suspeitas tinham fundamentos. Não poderia ir pelo mesmo caminho que fizeram, pois se Carlos tivesse levado a Adri para debaixo da mangueira, de lá dava pra ver todo o movimento e com certeza eles fugiriam do flagrante.
Por trás da casa principal tem uma trilha na mata nativa que leva até o pomar, então decidi que tinha que ser por ali que conseguiria chegar até eles sem ser notada, só que estava muito escuro e uma lanterna me denunciaria.
Mesmo morrendo de medo, andei uns cem metros quase na escuridão para chegar onde pensei que estivessem, pois mesmo com iluminação nos tanques de peixes e no pomar, tinha trechos na mata que a luz quase não chegava.
Chegando ao local, tive que fazer o mínimo de barulho possível, pois um ruído mais alto poderia atrapalhar meus planos.
O pomar era iluminado por dois postes bem altos com lâmpadas potentes, e a mangueira ficava quase no final da plantação. Fui me esgueirando por entres as plantas frutíferas, e percebi que minhas suspeitas tinham fundamentos, pois logo ouvi gemidos que vinham da direção do pé de manga, e por ser uma árvore bem fechada com galhos quase até ao chão, não foi difícil chegar bem próximo deles sem notarem minha presença.
Já estava até angustiada para assistir de camarote uma sessão de sexo explícito promovido por Adriana e meu marido no nosso motelzinho particular.
Procurei um ângulo melhor de visão e a poucos metros, vi Adriana apoiada na mangueira de costa pro meu marido com a saia levantada e a bundinha empinada gemendo baixinho enquanto Carlos metia desesperadamente o pau na buceta dela. O tesão dos dois era tanto que Carlos nem se deu ao luxo de tirar a bermuda, apenas abriu o zíper tirou seu pau pra fora e mandou ver na bucetinha da Adri. A minúscula calcinha preta que a putinha usava estava agora quase caindo do bolso da bermuda do meu marido.
Carlos castigava sem dó a bucetinha da Adriana alternando estocadas fortes e devagar, eu vou à loucura quando Carlos faz assim comigo e a vadia da Adri também estava adorando, pois a cadela gemia, jogava seus cabelos pros lados, jogava sua bundinha pra trás, dava pra ver a cara de satisfação do meu marido vendo aquele mulherão com uma bunda maravilhosa rebolando no seu pau como uma cobra mal matada.
Adriana dizia:
- Aiiiii Carlos, que delícia, me fode gostoso, uiiiiiiiiii, eu vou gozar!!!! Der repente o corpo da minha prima começou a tremer e com certeza a vadia gozou bem gostoso no pau do meu marido.
Carlos parou de fuder a Adriana, ajoelhou-se a sua frente, abriu bem suas pernas e caiu de boca sugando todo o gozo daquela bucetinha. Adriana segurava a cabeça do Carlos e esfregava como louca a buceta na cara do meu marido dizendo:
- Carlos, goza em mim pra gente voltar pra casa, pois podem notar nossa ausência.
Carlos novamente se posicionou atrás da Adriana, cuspiu no cuzinho dela, enfiou dois dedos para lacear aquele buraquinho, então retirou seus dedos do cuzinho da Adriana, enterrou o pau na sua bucetinha deixando bem melado, retirou novamente e direcionou pro cuzinho da Adriana, pensei que a vadia fosse reclamar mais a puta arrebitou mais a bundinha para receber o pau do meu marido que não encontrou dificuldade nenhuma para a penetração, a vadia já estava acostumada a dar o cuzinho pros machos dela.
Carlos foi metendo devagar naquele cuzinho, e aos poucos foi aumentando o ritmo das estocadas enquanto Adriana jogava sua bundinha pra trás para receber até o talo o pau delicioso do meu marido.
Cheguei a ficar com inveja da danada pela tranqüilidade e naturalidade que ela recebia o pau do meu marido em seu cuzinho. Lembro que no início quando percebi que Carlos era tarado pela minha bundinha e pedia apaixonadamente para liberar meu anelzinho, confesso muitas vezes cheguei a disfarçar meu choro entre gemidos para que não notasse meu sofrimento quando ele cheio de tesão me botava de quatro e fodia meu cuzinho de forma mais violenta, até hoje, mesmo acostumada com o tamanho do seu pau, ainda sinto certo desconforto mais mesmo assim libero meu rabinho sempre que ele procura, pois acho que o prazer é bem maior que o desconforto e amo sentir um cacete entrando no meu cuzinho, mesmo que seja ocasionalmente.
Mesmo eu e meu marido sendo liberais, confesso que fiquei com uma dor no peito vendo Adriana e Carlos naquela safadeza toda. Uma ponta de ciúme bateu forte no momento, mas mesmo assim meu tesão estava a mil, minha calcinha estava toda molhadinha na parte que cobre minha bucetinha, e eu que não sou de ferro, lentamente me masturbava com dois dedos enfiados na buceta enquanto o polegar massageava meu grelinho que estava inchado de tanto tesão.
Carlos metia forte no cuzinho da Adriana, podia escutar de longe a batida dos dois corpos se encontrando tamanha a força que Carlos a possuía.
Adriana dizia com voz melosa:
- Goza na minha bundinha, goza meu gostoso, fode meu cuzinho fode!!!
Carlos cravou as unhas na cintura da Adriana e socou fundo arregaçando-a e despejando uma quantidade imensa de porra no intestino dela que disse:
- Como você é gostoso Carlos, pena que a Ângela não participa das nossas transas, já imaginou nós quatro juntos? Eu e você, e Paulo com a Ângela?
Carlos respondeu:
- Conhecendo bem a Ângela acho que ela não toparia por serem da família.
- Se não fosse, até poderia rolar algo entre a gente.
Não sei por que Carlos fez esse comentário a Adriana, pois já dei minha bucetinha varias vezes pro meu cunhadinho, e ele sabe disso.
Carlos devagar retirou seu pau do cuzinho da Adriana, e muita porra escorreu por entres as coxas torneadas e lindas daquela putinha insaciável.
Carlos se abaixou e sugou todo o gozo que teimava em escorrer pelas pernas da Adriana. Após ter dado um trato na bucetinha e no cuzinho da Adriana deixando sem nenhum vestígio que os denunciassem, Adriana para retribuir, a joelhou-se e sem nenhum pudor abocanhou o pau do meu marido sugando e limpando por completamente.
Os dois depois de se limparem, saíram sorrateiramente para voltar a casa.
Quando chegaram à piscina, Carlos deu um tempo e Adriana seguiu sozinha.
Logo depois meu marido subiu também.
Ainda estava com a mão acariciando minha bucetinha quando uma voz masculina por trás de mim perguntou:
- E daí, gostou do que viu?
Meu coração quase veio parar na boca tamanho o susto que levei. Dei um grito e se não fosse amparada pelos braços forte do meu primo o marido da Adriana, teria ido ao chão, pois minhas pernas tremiam sem parar.
- Calma Ângela, me desculpa, não pensei que se assustaria assim, calma! Desculpe-me novamente, pensei que tinha me visto!
A voz calma e melodiosa do Paulo de certa forma foi me acalmando e aos pouco fui voltando ao normal.
Ainda envolvida pelo abraço carinhoso do meu primo, fui relaxando e rimos muito logo depois.
- Desde quando você estava aqui? Perguntei.
- Adriana me disse que vinha aqui com o Carlos, então cheguei antes deles.
- Vi quando você chegou, e como não saberia como reagiria fiquei quieto, pois se desse alguma coisa errada sairia sem você perceber minha presença.
- Então você sabia que a Adriana ia transar com o Carlos aqui?
- Sim, não temos segredos entre nós! Sabia sim.
Não sei o porquê da surpresa, pois sei que você e o Carlos também têm um relacionamento aberto, e além do mais, adoro ver a Adriana transando com outro homem, só que tem que ser com meu consentimento é claro.
- Foi o Carlos que te contou sobre nosso relacionamento?
Fiquei em dúvida, pois poderia ter sido meu cunhadinho.
- Foi sim! Há tempos venho falando com Carlos para incluir você também nas nossas transas, pois eu e a Adriana iríamos adorar!
- Gozado, o Carlos nunca comentou nada comigo a respeito.
Eu e o Carlos não tínhamos segredos um com o outro, vai ver que não me contou por ciúme do Paulo ter sido meu primeiro namoradinho na infância.
No tempo que namorei o Paulo ainda éramos crianças, ele ainda era um pirralho.
Nosso namoro na época o que tinha de mais picante era mão nos peitinhos, na bucetinha por cima da calcinha, e eu apertava seu pauzinho também por cima das calças enquanto rolava beijinho na boca.
Lembro do dia que estávamos a sós na casa dele, pois minha tia tinha saído com minha mãe, estava num maior amasso com ele então liberei meus peitinhos pra ele chupar. Inexperiente ainda Paulo me deixou com várias manchas nos peitos tamanhas a vontade que me chupava, fiquei mais ou menos uma semana sem entrar no banheiro com minha mãe até sumir por completamente suas marcas deixadas em mim.
Lembro que quando minha mãe e minha tia chegaram, Paulo correu pro seu quarto para trocar sua bermuda, pois tinha ficado uma mancha enorme nela. Paulo tinha acabado de gozar na minha mão. Também foi a primeira vez que senti o gosto de porra. Sempre tive a curiosidade de saber qual era o gosto, e não perdi a oportunidade de levar a mão na boca pra saber qual era o sabor.
Essa foi à aventura mais picante entre eu e o Paulo. Tempo depois, meus tios se mudaram pra outro estado e perdemos contato, viemos a nos encontrarmos novamente quando éramos todos casados, mais ou menos, uns 15 anos depois.
Agora nós ali naquele local escuro, abraçados, com o tesão a flor da pele após termos presenciado nossos companheiros transando, não precisaria muita imaginação para saber as cenas dos próximos capítulos daquela novela que tinha iniciado há muito tempo, ainda na nossa infância.
Logo Paulo procurou meus lábios e nossas línguas duelavam em nossas bocas enquanto suas mãos passeavam por meu corpo tentando achar os caminhos perdidos que tinham percorrido tempo atrás. Minhas mãos sorrateiramente foram de encontro aquele membro que tinha me presenteado com a primeira ejaculação, na primeira punheta que toquei para um homem na minha vida.
Paulo levantou minha camiseta, abocanhou meus seios e chupava como um bebê faminto querendo saciar sua fome.
Paulo alternava leves mordidinhas nos bicos dos meus seios me levando ao delírio.
A cada toque e a cada carícia, meu corpo correspondia com total plenitude reagindo em forma de espasmos, principalmente quando seus dedos penetraram minha bucetinha já toda meladinha pelo tesão e pelo desejo de senti-lo todinho dentro de mim.
Bastaram alguns toques na minha bucetinha para que gozasse abundantemente molhando sua mão grande e forte.
Paulo sentindo meu orgasmo, se abaixou e rapidamente tirou minha calcinha levando ao nariz para sentir o cheiro de uma fêmea no cio que acabara de gozar ao toque de seus dedos.
Eu ainda de pé apoiada na mangueira, abri minhas pernas para que sua boca e sua língua pudessem explorar o máximo minhas entranhas. Sua Língua brincava com meu grelinho e às vezes sentia ela bem fundo na minha bucetinha.
Paulo sugava alucinadamente minha buceta. Eu gemia gostoso, e com sofreguidão segurava sua cabeça esfregando com força minha bucetinha naquela boca deliciosa que estava me matando de tanto prazer.
Não demorou e meu corpo estremeceu descontroladamente lançando uma enorme quantidade do meu gozo na boca do Paulo que foi engolindo gota por gota como se fosse o líquido mais precioso do mundo.
Minhas pernas bambearam e Paulo ajoelhado segurou firme minhas pernas ainda com o rosto colado na minha bucetinha dando beijinhos nela e fazendo carinho na minha bundinha como forma de agradecimento.
Paulo se levantou me abraçou forte e disse:
- Quanto tempo perdido, meu Deus, como você continua gostosa Ângela!
- Você nem imagina a quantidade de punhetas que bati pensando em você na minha adolescência, principalmente depois que você me fez gozar na sua mão enquanto eu chupava seus peitinhos, lembra?
- Claro que me lembro, pois foi muito difícil pra mim nossa separação, na verdade nunca consegui te esquecer, disse.
- Sabe que naquele dia eu descobri o sabor da sua porra?
Paulo riu e disse:
- Sua safadinha mentirosa, naquele dia você nem chupou meu pau!
- Nem precisou, quando vi minha mão cheia com aquele líquido gosmento, minha curiosidade foi tanta que mesmo com um pouco de nojo, lambi um pouco, portanto, a primeira porra que saboreei na vida foi a sua! Rimos e tornamos a nos abraçarmos.
Após ter me recuperado, me ajoelhei na frente do Paulo e disse:
- Agora é minha vez de te retribuir.
Abaixei a bermuda do Paulo e vi um volume enorme sob sua cueca. Acariciei aquele pedaço de carne por cima do tecido, e quando o libertei confesso que fiquei impressionado com o tamanho daquela ferramenta.
Em tamanho não era muito maior que a do Carlos, mas a grossura daquilo era algo fora do normal, bem maior e mais grossa de quando eu a peguei pela primeira vez.
Na verdade era bem proporcional ao seu tamanho, pois Paulo se tornou um belo exemplar de macho. 1,95m, 105 kg, moreno, pernas torneadas, uma bundinha linda de morrer, braços fortes, abdômen definido, uma caixa torácica de fazer inveja a qualquer homem, enfim, um homem lindo por dentro e por fora.
Segurei com gosto aquela piroca e levei a boca pela primeira vez. Fui sugando a cabeça e punhetando com a mão o restante. Aquilo foi crescendo de forma assustadora que quase não cabia na minha boca, tive que abrir o máximo que pude para agasalhar aquela cabeçona em forma de cogumelo, onde saía um líquido salgadinho delicioso.
Paulo tentava meter na minha boquinha, mais era difícil pra mim, por isso, segurava com as duas mãos o que sobrara pra fora controlando suas investidas.
Eu tirava seu pau da boca e mordia em volta e sempre me deliciando com aquele líquido salgadinho que saía de forma abundante do cabeção daquela rola.
Segurei com as duas mãos e me abaixei lambendo toda extensão daquela tora até chegar aos seus testículos enormes onde engolia um por vez e chupava gostoso.
Paulo gemia e dizia o quanto estava bom minha boca ali.
Sentindo que tinha descoberto seu ponto fraco, não me fiz de rogada e dei um trato caprichado naquela região.
Enquanto minha língua brincava com seu saco escrotal, segurava com as mãos seu pau acima da minha cabeça.
Olhei pra cima e vi a cara de prazer do Paulo que curtia cada chupada que dava em seus testículos.
Com os olhos fechados ele pedia para eu continuar, pois nunca uma mulher tinha dedicado tanto tempo naquela região, dizia que eu tinha uma boquinha mágica e que estava adorando ser chupado por mim.
Depois de um tempo, voltei a dar atenção à cabeça daquela rola sugando e brincando com a língua tentando penetrá-la naquele pequeno orifício de onde saía aquele néctar tão delicioso. Paulo ia ao delírio. Não agüentando mais, Paulo me puxou pelos cabelos, deu um beijo super molhado na minha boca e encostou-me na mangueira.
Com uma das mãos levantou uma de minhas pernas, salivou sua outra mão e meteu três dedos na minha bucetinha que devido ao meu estado de excitação e lubrificação, entrou com folga acendendo ainda mais meu fogo que agora esperava ansiosa para ser penetrada por aquele pau gigantesco.
Paulo tirou seus dedos de dentro de mim, salivou novamente sua mão molhou bem sua rola e pude sentir aquela tora encostando-se na entrada da minha bucetinha que ardentemente aguardava para ser dilacerada por aquele invasor.
Quando senti a cabeçona tentando entrar na minha bucetinha, fui de encontro ao seu corpo para facilitar o máximo à penetração.
Não teve como evitar um gemido de prazer misturado com um pouco de desconforto quando aquela cabeçorra adentrou minha bucetinha. Paulo foi enfiando devagar aquela tora em mim, dava um tempo e forçava um pouco mais. Aquele pau ia entrando preenchendo cada espaço da minha vagina, até que senti a cabeça daquele monstro forçando meu útero, senti também seus testículos colados na minha bundinha e confesso que me deu certo orgulho por ter suportado tudo aquilo dentro de mim.
Naquele momento percebi que mesmo sendo um ser muito mais frágil, tinha o controle total e absoluto sobre aquele homenzarrão que não mediria esforços para tentar realizar qualquer pedido que fizese só para me satisfazer.
Este é um dos super poderes que só nós as mulheres temos, e muitas não sabe usá-los adequadamente.
Aos poucos, Paulo foi iniciando um vai e vem cadenciado, e minha vagina foi se acostumando com aquele intruso. Logo aquele desconforto que me causou no início da penetração, deu lugar a uma sensação maravilhosa, totalmente indescritível.
Minha bucetinha agora bem mais lubrificada recebia com certa facilidade aquela pica maravilhosa que me fazia gemer quando Paulo socava fundo e forte em mim.
Não tenho, não tive, e nunca terei preconceitos quanto a tamanho de pênis, pois nós mulheres sabemos que o tamanho não importa, e sim a cumplicidade do casal e a eficiência que o parceiro nos possui.
Confesso que já tive orgasmos maravilhosos com namorados que não tinha um pau tão grande e nem tão grosso, mas a senssação de sentir um monstro invadindo minha bucetinha, é diferente de tudo que já vivi. Claro que nem todas as mulheres sentirão prazer com um pau enorme invadindo suas entranhas, mas aconselho a pelo menos uma vez na vida experimentar.
Paulo virou-me de costa pra ele. Enquanto me apoiava na mangueira com as mãos, empinava meu rabinho o máximo para receber cada centímetro daquela anaconda dentro de mim.
Paulo metia sem dó aquela tora em minha bucetinha que já não era tão pequena assim.
Eu com uma mão tentava me apoiar na mangueira, com a outra mão tapava minha boca para evitar que meus gritos nos denunciassem tamanho o tesão que estava sentindo naquele momento.
Eu dizia:
- Gooooza Paulo!!! Você está me matando... Não agüento mais... Vou gozar... Uuuuiiii!!!!
O chão fugiu dos meus pés, minhas pernas bambearam e meu corpo foi invadido por uma onda de calor e frio ao mesmo tempo.
Paulo percebendo que estava gozando, com suas mãos fortes e másculas, empalmou meus seios me segurou firme e me estocou forte e profundamente me apertando contra seu corpo. Quando senti seu primeiro jato de porra inundando minha bucetinha, foi como se tivesse ligado um interruptor dentro de mim, a eletricidade passava por meu corpo em forma de espasmos. Paulo me apertava contra seu corpo beijando meu pescoço e minha nuca, enquanto me recuperava daqueles orgasmos múltiplos, alucinantes.
Paulo continuou de pé agora encostado na mangueira, eu de costa pra ele curtia sua boca que mordia meu pescocinho e suas mãos apertando de forma carinhosamente meus seios enquanto seu pênis ainda duro descansava dentro da minha bucetinha.
Após um longo silêncio curtindo aquele momento, Paulo disse:
- Foi bom demais gata, como você é deliciosa.
- Estou adorando você dentro de mim, você também é delicioso!!! Disse.
Paulo se mexeu e seu pau agora mole saiu da minha bucetinha deixando um vazio enorme dentro de mim, também senti uma quantidade enorme de porra escorrer por minhas pernas.
Peguei no pau do Paulo e disse a ele:
- Como ele cresceu né? Não me lembro dele deste tamanho e desta grossura.
Nós éramos crianças na época Lembra? O tempo transformou nossos corpos. Você também passou por uma transformação incrível, está muito mais bonita muito mais tudo.
A mão do Paulo agora passeava por minha bundinha, senti quando ele enfiou um dedo na minha bucetinha molhando bem e direcionou pro meu cuzinho e foi penetrando devagar.
Olhei pra trás e disse:
- Vai tirando seu cavalinho da chuva que meu cuzinho não agüenta esta tora de jeito nenhum.
Paulo sorriu e disse: - Nada é impossível! Adriana também falou que nunca iria agüentar e hoje ela tira de letra.
- Por falar na Adriana, ela fala muito bem de você, que tal se juntar a nós para uma transa a três eu adoraria ver você e Adriana se esfregando, garanto que o Carlos também irá adorar.
- Já pensou nós quatros no mesmo quarto? Trocas de casais, ménage feminino, masculino, dupla penetração, não iria ser muito prazeroso?
- Vou pensar seriamente sobre isso, quando me acostumar com a idéia quem sabe talvez não possa rolar, mas agora vamos nos limparmos para retornarmos pra casa, já é tarde e podem sentir nossa falta.
Após termos nos limpado, caminhamos para os tanques que ficam a poucos metros da casa.
Pedi que Paulo fosse primeiro e fiquei meditando em tudo o que aconteceu ainda há pouco.
Nunca tive interesse sexual em mulher, pois sou apaixonada pelo sexo oposto. Resumindo, eu gosto mesmo é de homem. Gosto de sentir um pau gostoso na minha bucetinha, gosto do gosto da porra na minha boca, de vez em quando um pau entrando bem gostoso na minha bundinha.
Aquela idéia ficou martelando na minha cabeça, se fosse para me iniciar num bi feminino, Adriana seria a pessoa mais indicada para isso.
Adriana além de ser linda, é uma pessoa super higiênica e de total confiança. Acho que não teria dificuldade nenhuma em me relacionar com ela na cama, talvez no início seja difícil pra mim me acostumar ao fato de chupar sua bucetinha, sentir sua língua entrando na minha bucetinha na minha boca e outras coisas que não estou ainda preparada, mas só o fato de ter o consentimento do meu marido e do gostoso do meu primo, tenho certeza absoluta que serei totalmente recompensada no ménage masculino quando teria dois garanhões me possuindo de tudo quanto é jeito.
Gostaria das opiniões das mulheres experientes no bi feminino e também dos homens que sente prazer em ver suas parceiras transando com outras mulheres sem culpa e preconceitos.
Vou esperar amadurecer esta idéia, e assim que estiver preparada e rolar alguma coisa, contarei pra vocês. Ficarei muito feliz em receber comentários e dicas dos leitores, aguardarei ansiosamente por cada um deles. Seja a favor, ou seja, contra.
Beijos a todos e até mais.
Meu e-mail: aventura.ctba@ig.com.br

 

Filmando tudo para o corno ver

Olá, bom dia ! Meu nome é Shirley, casada com o Jony, ambos na faixa dos trinta anos, somos o casalsmith3030............, liberais, gostamos muito de sexo e fantasias, já realizamos várias, temos um círculo de amigos sigilosos e confiáveis que nos proporciona muito prazer realizando fantasias. Meu marido é um corninho assumido, ele adora saber ou ver que é corno, adora bater punheta assistindo um macho pauzudo me comendo, ele me incentiva a usar roupas provocantes, paquerar, namorar e adora chupar minha buceta depois que ela foi comida, nós dois planejamos tudo detalhadamente depois agente senta, conversa e escreve esses contos para vocês, fazemos isso com carinho e dedicação, estamos juntos há quatorze anos e temos muitas histórias pra contar. O relato que eu vou contar agora aconteceu com um amigo nosso, o Claudio, o Jony, meu marido quem conheceu ele através da internet em um site de relacionamento, adicionamos ele no msn e fizemos amizade, fomos ficando íntimos, ele passou a fazer parte dos nossos amigos sigilosos e eu acabei tranzando com ele várias vezes inclusive na frente do Jony meu marido onde fezemos questão de escrever toda nossa tranza pra vocês no conto de casais com o seguinte tema : TRANSANDO NA CHÁCARA COM UM AMIGO DO MEU MARIDO ( Relatos de Casais ).

Eu e o Jony estávamos pretendo comprar um sítio e o Claudio ficou de procurar um para nós. Um certo dia o Claudio ligou para a minha casa dizendo que havia um sítio a venda quatro quilômetros depois do seu, era uma chácara fechada dentro dos matos com uma casa grande cercada e com bastante plantações de árvores frutiferas, a casa estava mobilhada e ele estava com as chaves para nos mostrar, liguei pro Jony, meu marido e ele me pediu para eu ir olhar o sítio sozinha pois ele estava trabalhando e eu estava de férias, tudo bem, retornei a ligação para o Claudio e combinei de ir olhar o sítio no dia seguinte, no outro dia, eu peguei o carro e fui até a chácara do Claudio, chegando lá ele já me esperava na entrada, desci do carro, nos cumprimentados, ele me convidou para entrar e tomar um copo de água, sentei um pouco na varanda da casa pra tomar água e o safado do Claudio foi logo me lembrando do dia em que tranzamos naquele local, em seguida, foi logo me perguntando se o meu marido ainda gostava de ser corno, eu nada respondi, apenas dei um sorriso e perguntei onde ficava o sítio que estava a venda, ele pegou as chaves, mostrou a direção e disse que eu fosse no meu carro pois ele iria na sua caminhote para deixá-la na chácara e voltaria no meu carro comigo, tudo bem, entrei no meu carro e parti, Claudio veio logo atrás de mim, quando eu consegui avistar a chácara esqueci de olhar pra estrada e acabei atolando meu carro em uma possa de lama, era uma estrada apertada no meio dos matos com passagem para um carro de cada vez, cheia de buracos e lama, Claudio desceu do seu carro e veio tentar tirar o meu que estava atolado, ele tentou várias vezes mais não conseguiu, então ele pegou uma corda , retirou sua camisa, forrou o chão e se deitou sobre ela para amarrar a corda do meu carro para o dele, enquanto ele estava deitado eu fiquei em pé próximo dele, notei que ele estava de short sem cuecas, o volume do seu pau ficava visível e isso foi me deixando exitada, quando ele saiu debaixo do carro e se levantou eu peguei minha bolsa e fui em direção da caminhonete dele, abri a porta, me sentei no banco do carro e comecei a retocar minha maquiagem, ele amarrou a corda na caminhote, veio em minha direção e me perguntou se eu estava bem, eu respondi que sim e perguntei se ele também estava bem, ele me respondeu que sim só estava tendo dificuldades para se controlar pois não era fácil estar sozinho dentro dos matos com uma mulher bonita e gostosa como eu sem ficar exitado, eu também estava exitada e isso foi a gota d água de tudo, em seguida eu perguntei a ele se ele estava exitado e ele respondeu que sim e perguntou se eu queria ver, eu respondi que sim, então ele baixou seu short, colocou seu pau para fora e se aproximou de mim, eu peguei seu pau e comecei a punhetar um pouco e em seguida começamos a nos beijar, em seguida, eu perguntei ao Claudio se poderia filmar tudo para o corno do Jony ver quando eu chegasse em casa e ele respondeu que sim, então eu peguei a câmera digital, liguei e entreguei pro Claudio filmar, depois eu me inclinei um pouco e comecei a chupar seu pau que estava um delícia, chupei as bolas, passei a língua em volta da cabeça e depois tentei engolir tudo colocando a cabeça do pau dele no fundo da minha garganta, Claudio gemia com a minha chupeta e filmava tudo, sabendo que o Jony, meu marido iria assistir aquela filmagem ele provocava o seu amigo dizendo;....

Veja amigo como sua mulher chupa gostoso, olha como ela lambe esse pau, chupa Shirley, chupa meu pau todinho e mostra pro corno do seu marido a puta que você é....Eu chupei seu pau até ele ficar completamente duro dentro da minha boca, em seguida, eu olhei para a câmera e disse;.....Olha amor como o pau dele estar duro, agora ele vai me comer gostoso para você ver, em seguida, eu fiquei de quatro no banco do carro, ele levantou minha saía, baixou minha calcinha e começou a chupar minha buceta e meu cuzinho lubrificando tudo, em seguida, ele colocou a cabeça do pau no meu cuzinho e começou a enfiar lentamente, quando a cabeça do pau entrou ele começou a meter devagarinho, em seguida ele começou a acariciar minha buceta enquanto metia seu pau no meu cuzinho, isso me deixou mais exitada ainda, eu comecei a movimentar minha bunda e quando percebi o pau dele já estava todinho dentro do meu cuzinho, me comendo gostoso, estava um delícia, eu estava exitada e gemia bastante, Claudio sempre gostou da minha bunda e comia meu cuzinho sem dó enfiando tudo, eu olhei para trás para ver o Claudio comendo a minha bundinha e vi que ele continuava filmando, então eu olhei pra câmera e disse pro Claudio ;....

Me come meu gato gostoso, enfia esse pau dentro da minha bundinha ahaahahahahaha, Faz comigo o que o corno do meu marido não faz ahahahahaha, Arromba meu cu pra esse corno ver, me arromba vai, ahahahaahah Mete tudo, mete com força, vai...... Depois disso, Claudio me entregou a câmera, me puxou pelos cabelos e passou a meter tudo dentro de mim, eu gemia feito uma louca com aquele pau dentro da minha bunda, depois de alguns minutos nós mudamos de posição, eu me virei de frente pra ele e me deitei no banco do carro, ele levantou minhas pernas e enfiou seu pau no meu cuzinho novamente, ele estava adorando comer a minha bundinha, eu com uma das mãos acariciava minha buceta batendo uma siririca e com a outra filmava o Claudio me comendo, nesse momento, o tezão dos dois estava auto demais, agente gemia muito, Claudio metia forte na minha bunda, enfiava tudo, batia na minha cara e me chamava de piranha vagabunda, eu metia os meus dedos dentro da minha buceta e massageava forte enquanto ele comia meu cuzinho, nesse ritmo, Claudio anunciou que iria gozar dentro do meu cu, eu virei a câmera pra mim e disse ;..... Amor, o Claudio vai gozar dentro do meu cuzinho e vai encher ele de esperma pra você limpar quando eu chegar em casa, tá, olha seu corno esse macho gozando dentro do cu da sua mulher.... Em seguida, eu virei a câmera e direcionei pro pau do Claudio enfiando na minha bunda, poucos minutos depois, nós dois gozamos, eu gozei nos meus dedos enfiado na minha buceta e o Claudio gozou dentro do meu cuzinho, foi uma delícia, nós dois gozamos gostoso, em seguida, nós nos vestimos e fomos tirar o carro que estava atolado dentro da lama, depois fomos em direção a chácara, chegando lá, entramos e tomamos banho, comemos algumas frutas e ele foi me mostrar toda a chácara, depois disso, nós entramos dentro da casa, sentamos no sofá, ligamos a TV e ficamos conversando um pouco, Claudio me perguntou se eu estava precisando de mais alguma coisa e eu respondi que sim, que queria o pau dele outra vez mais dessa vez na minha buceta pois ele havia comido apenas minha bundinha, Claudio disse que meu pedido era uma ordem e foi retirando sua roupa, eu também retirei a minha e me sentei de pernas abertas no sofá, ele se ajoelhou entre minhas pernas e deu uma rápida chupada na minha buceta, depois chupou meus seios e se deitou no sofá, eu me deitei por cima dele colocando minha buceta em seu rosto e comecei a chupar seu pau, ficamos fazendo uma meia-nove gostosa por alguns minutos, depois eu fui pra cima dele, encaixei seu pau na minha buceta e comecei a cavalgar subindo e descendo no pau dele, ele me segurava pela bunda e chupava meus seios ao mesmo tempo, estava uma delícia, depois de alguns minutos nós resolvemos mudar de posição, eu fiquei de quatro em cima do sofá e ele se ajoelhou por trás de mim, enfiou seu pau na minha buceta e começou a meter, foi nesse momento que lembramos do Jony, meu marido, então pegamos a câmera outra vez e começamos a filmar toda a nossa transa, Claudio metia na minha buceta e filmava tudo ao mesmo tempo, como eu sei que o Jony, meu marido, adora ser provocado, eu olhava pra câmera e dizia ; ......Me come Claudio, ahahahaha, Enfia tudo dentro de mim, ahahahaah Me come gostoso, vai, Arromba minha buceta com essa pica gostosa que você tem, vai ahahahahhaha Em seguida, Claudio me pegou pela mão e nós fomos em direção a mesa da sala, chegando lá ele me pediu para deitar em cima da mesa, depois abriu minhas pernas e enfiou seu pau na minha buceta novamente, aparti desse instante eu passei a filmar tudo, o Claudio metia todo o seu pau dentro da minha buceta, ficava somente as bolas do lado de fora, a cada metida que ele dava eu soltava um grito, Claudio vendo que eu filmava tudo, olhou pra câmera e disse;.....

Olha seu corno estou comendo a buceta da sua mulher, que buceta apertadinha ela tem, olha como a sua puta gosta de dar a buceta pra mim, quando ela chegar em casa você vai ver o estrago que fiz na buceta e no cuzinho dela, gozando dentro e enchendo ela com meu esperma...Depois disso, eu me levantei e chamei o Claudio para a sala de estar pois eu queria gozar junto com ele, chegando lá eu me deitei de pernas abertas no tapete da sala e ele se deitou por cima de mim, enfiou seu pau na minha buceta novamente e começou a meter, eu coloquei a câmera do lado, peguei no seu rosto e começamos a nos beijar enquanto ele metia na minha buceta, estava muito gostoso, em seguida, eu peguei a câmera novamente e comecei a filmar o Claudio metendo na minha buceta e resolvi provocar o meu marido mais uma vez dizendo pra câmera ; .... Me come Claudio ahahahahha Come minha buceta, vai , aparti de hoje eu vou voltar a ser sua puta, sua amante, quero que você var na minha casa sempre e me coma na frente do corno do meu marido, ele adora levar chifre, mete na minha buceta Claudio, ahahahahah Enfia tudo, Mete tudo ahahahahaah Mais forte, com força, vai e goza junto comigo, ahahahaha Goza dentro da minha buceta pro corno do meu marido ver, ahahahaha Me dar seu leitinho dentro da minha buceta, vai goza dentro mim, vai ahahahahah,

Depois disso, Claudio acelerou as estocadas e nós dois acabamos gozando juntos, dessa vez ele gozou dentro da minha buceta me enchendo com seu esperma, foi muito gostoso, depois que ele saiu de cima de mim, eu ainda chupei seu pau por alguns segundos, limpando e sugando o restante do seu esperma que estava em seu pau pois eu queria levar para casa o gosto do esperma dele na minha boca, na minha buceta e no meu cuzinho. Depois de tudo, nós nos vestimos e fomos embora. Foi uma tranza gostosa, eu gozei como nunca, foi muito gostoso relembrar pois já fazia muito tempo que eu não tranzava com o Claudio. Quando cheguei em minha casa eu estava exausta de tanto gozar, alguns minutos depois o Jony, meu marido chegou do trabalho, antes de almoçar eu contei pra ele tudo que tinha acontecido, em seguida nós fomos pro quarto, ele pegou a câmera, conectou na TV e começou a assistir a minha tranza com o Claudio, rapidamente ele retirou a sua roupa e eu pude ver que seu pau já estava duro feito ferro, Jony me pediu para eu retirar minha roupa e deitar em cima da cama, em seguida ele me perguntou onde o Claudio havia gozado e eu respondi que ele gozou primeiro no meu cuzinho e depois na minha buceta, em seguida, Jony abriu minhas pernas e caiu de língua na minha buceta e no meu cuzinho, ficou me chupando e batendo punheta por vários minutos até gozar em cima dos meus seios, meu marido adora chupar minha buceta cheia de esperma, ele adora ser corno e eu adoro ser puta.

O negócio do sítio não foi fechado mais nós estamos sempre alugando ele nos finais de semana para descansar, fazer festinhas e realizar fantasias com nossos amigos, estamos sempre aperfeiçoando e inovando nas nossas fantasias fazendo loucuras. Até a próxima.

 

Eu, ele e o “ outro “

Quem disse que para fazer sexo a três é preciso estar solteira? Pois é, namoro e simplesmente realizei o desejo de sentir prazer mútuo.E não trair!Meu namorado, muito compreensivo,mostrou-se disposto a colaborar comigo presenteando-me com “outro”...
  Bom, eu faço o tipo “ vadia oculta”. Sou a típica dama na rua,contudo,na cama...torno-me uma verdadeira cadela no cio.
            Eu e o Ricardo ( nome fictício) decidimos chamar um “coleguinha” para nos dar mais emoção...Ele não imaginava o quanto isso me excitava...
 Fomos a um Motel,e lá estava o “outro” ( é dessa forma que irei me referir ao tal “coleguinha”),nos esperando. Eu estava adorando a idéia! Assim que entramos no quarto,deixei uma listinha de aperitivos com o Douglas,para que ele providenciasse tudo enquanto eu iria cuidar da minha produção. Fiz uma produção daquelas! Sim...Aliás, não é todo dia que seria devorada por dois “paus” deliciosos. Fiz uma maquiagem ousada,molhei o corpo e me vestir à caráter...
            Assim que saí do banheiro,notei como meu homem me olhava...Notei também que tudo o que eu tinha pedido já estava ao meu dispor,até o “outro”...E para minha sorte,ele se encontrava na cadeira ao lado do Douglas. Aproveitei a situação para provocar meu homem...Caminhei em sua direção e fiz questão de sentar em cima do”‘ outro”. Pedir a meu homem,dessa vez, que tirasse do meu pescoço uma correntinha religiosa,no qual eu possuía alegando que esta, não se adequava ao ambiente.
 Enquanto ele tirava, lhe pedir para que nada falasse nem fizesse a não ser o que eu lhe pedisse. Ele apenas afirmou com a cabeça. Mandei ir ao chuveiro e voltar completamente molhado...Muito obediente,meu namoradinho vem para mim todo molhado. Apontei para a cama, ele olha , e lá estava o “outro” ,pedir para que o tirasse de lá,pois a cama ,naquele momento,seria só nossa. Enfim,o  “outro”  encontrava-se na cadeira, e aquele que realmente é meu,ocupava seu lugar na cama. Peguei uma garrafa de vinho branco e levei à boca,enquanto bebia,deixava escorrê-lo sobre meu corpo...Eu realmente estava embriagada por inteira...
            Confesso que já estava ardendo de tesão.Meu desejo,no momento,era “cair de boca”  no pau delicioso do meu namorado,ali na cama,a implorar por mim. Resisti,peguei uma vela erótica(já se encontrava acesa,e a medida que derretia  formava um liquido um pouco aquecido,muito útil para massagem).Peguei a vela,ainda em chamas e pinguei gota a gota sobre o corpo do meu homem.Massageei as partes mais vulneráveis...Sentir o enlaçar de suas mãos em meus cabelos,conduzindo-me até seu pau fazendo-me o deliciar... Embalada com seus gemidos, o possuía cada vez mais.
             Enquanto o chupava, o “outro” surgia em meus pensamentos...Possuída de tesão,implorei ao meu amor que fosse buscá-lo,ansiava ser fodida pelo “ outro” enquanto fazia meu namorado delirar de tesão.
            Assim aconteceu...Não me contentando,debrucei-me de costas sobre o corpo quente e suado do meu homem e o informei que naquele momento ele tomaria posse apenas do meu bumbum,pois minha bocetinha gostosa, que ele sempre possuira,seria prioridade do  “outro”.
Chegar ao  “ápice” nunca foi tão difícil e tão prazeroso...Eu sorria e chorava entre profundos gemidos e suspiros .Confesso que foi um dos meus melhores orgasmos. Quanto ao  “outro”,deixamos lá! Afinal de contas, o “ outro” foi passageiro...
Enfim, nenhum consolo de silicone será capaz de me proporcionar orgasmos como a língua,o dedo,e o pau maravilhoso do meu homem.

Elzinha, a ameaça...

Estávamos em uma festa de comemoração da fira.
Algo por termos alcançado os maiores níveis de venda no ano.
Estavam presentes toda a chefia e todo o pessoal acompanhados de maridos ou mulheres.
Pelo grande numero de participantes fora resolvido fazer a festa em um dos galpões da firma.
O pessoal começou a chegar ai pelas 17:00 horas e agora as 20:00 creio deviam estar todos presente.
Havia uma mesa farta cheia de comidinhas gostosas. Fora se fazia-se um churrasco.
Havia também vários tipos de bebida.
Elzinha minha mulher estava encantada, pois tinha encontrado muitas de suas conhecidas e conhecidos.
Ela estava super bem vestida. Com um mini vestido de seda negra que alem de curto, muito mesmo. Tinha enorme decote.
Por ser bem justo, o vestido mostrava todas suas curvas.
Ela é muito graciosa e de largo sorriso.
O pessoal dançava e se divertia a valer.
Vez ou outra eu podia vê-la dançando sempre com Carlão. Um grande amigo meu e companheiro do time de vendas.
A esposa dele, não era muito chegada em dança. Assim estava sentada com mais algumas conhecidas.
Na firma sempre se comentava que Carlão era muito chegado em transar a mulher do próximo.
O que me era difícil acreditar, pois éramos amigos já há tantos anos.
E ele jamais falou em aventuras suas.
Saiamos juntos com nossas mulheres. Torcíamos para o mesmo time e sempre que possível viajávamos juntos nos feriados ou nas férias.
Elzinha gostava muito dele. E sempre repetia isso.
Tanto Carlão como Elzinha gostavam das viagens que fazíamos para a praia.
Os dois nadavam bem e se divertiam muito.
Eu e mulher dele, ficávamos na praia ou então em casa dormindo. Aproveitando as horas longe do trabalho.
Algumas horas e cervejas depois. Eu estava tonto e não via mais Elzinha.
Nisso chegou Waltinho, um outro colega, também já bem tocado dizendo:
-- Meu acorda! Vi a Elzinha e o Carlão no maior amasso lá no teu carro.
Ele nem acabou de completar a fase e eu, agora mais que desperto dei-lhe um murro que desviou e acertou seu ombro.
Eu estava cheio de raiva e gritei em alto e bom som, que Carlão era meu amigo de há muito. E Elzinha era uma mulher maravilhosa que nunca me trairia com ninguém.
Com minha reação, muitas pessoas ficaram a volta. Waltinho saiu e gritava que eu era um corno.
Estranhamente, entre as pessoas que estavam ali a volta pude ouvir algumas risadas e algumas palavras de confirmação. Isso me deixou mais que cheio de raiva e meio que tropeçando sai em direção a parte externa onde estavam nossos carros.
Lá fora estava bastante escuro. Mas consegui ir em direção a meu carro. Da forma como estava estacionado, cheguei pela parte traseira. Nisso pude ver algo que me gelou o sangue. Meu coração quase parou.
Pude ver que elzinha estava cavalgando Carlão. Como as janelas estavam abertas podia ouvir seus gritos de tesao. Também como Carlão a chamava de minha cadela, minha cadela gostosa. Minha puta safada.
De onde estava, encostado no carro eles não podiam me ver.
Nisso ouvi como ambos gritaram e gozaram juntos.
Deixei passar um tempo e fui até a janela de trás.
Nisso vi Elzinha chupando o pau de Carlão.
Entre espantado e com grande ciúmes falei:
-- O que vocês estão fazendo ai?
Elzinha como se não tivesse escutado continuou o que estava fazendo.
Carlão por sua vez, disse:
-- Sai pra lá seu corno. Te manda. Deixa eu acabar de foder tua mulher.
Ela esta um tesão hoje. Eu gosto das roupas que você compra para ela.
Vai, vai se manda.

Eu simplesmente não podia crer no que ouvia e via.
Elzinha minha esposa. Minha amada esposa, me traindo. Ainda mais com Carlão, meu maior amigo. Já de tantos anos.
E pelo que vira e ouvira, isso já acontecia há muito tempo.
Eu estava desconsolado.
Aturdido.
Não sabia o que fazer. Não sabia o que dizer.
Sentia que minha vida desmoronava toda ali, no estacionamento.
Ouvindo os gemidos de minha mulher chupando o pau de meu amigo.
E os gritos do Carlão.

Tomei coragem e disse:
-- Elzinha, para com isso. Vem comigo. Veste teu vestido, tão linda você fica com ele.
Vem comigo meu amor.
A gente conversa lá em casa e acertamos tudo. Vem meu bem. Eu te perdo-o.
Carlão teve um ataque de risos que acabou em um ataque de tosse.
Nisso Elzinha disse:
-- Meu corno me deixa em paz.
Não quero nem necessito de teu perdão.
Eu quero é o pau do Carlão. Quero que ele me coma todo dia, toda hora.
Como já fazem anos.
Se você ficar quietinho, ficar bonzinho eu posso voltar para casa com você.
E se o Carlão deixar, eu dou uma trepada com você de vez em quando.
E ouve bem:
-- Se você não quiser, vai andando, se manda.
Vai catar coquinho seu corno.

Biscate69@aol.com

 

Corneando o marido na Rua

Minha mulher na época com 36 anos, trabalhava á em períodos noturno em e Belo Horizonte e sempre saía para jantar . Ela tem a pele branca, um corpo bem formado, cabelos e olhos pretos e como nome A.C.
No início achei estranho a mudança de comportamento dela, demora mais na hora de jantar do que de costume e notei outras atitudes diferentes com a de beber mais do que eu estava acostumado a vê-la fazer além de passar a usar roupas mais apertadas, saias curtas, decotes esse tornou muito comum ele a não usar mais sutiã.
Mal sabia que ela era safada e estava me corneando!!!!

Começou a sair sozinha a noite, fora do horário de trabalho dizendo que ia encontrar com as amigas.
Certa vez precisa falar com ela e liguei no celular, ela atendeu meio nervosa e pelo som de fundo vi que estava em um bar, mesmo estando de serviço, ela me perguntou o que eu queria e lhe perguntei algo sem muita importância.
Passado um tempo liguei de Nov e desta vez ela me disse não me ligue mais que você esta me atrapalhando e que me ligaria assim que pudesse, eram 19:30 horas, lembro-me até hoje com exatidão!
Recebi a uma hora da manhã o seu telefonema de retorno me dizendo que já havia retornado ao serviço, perguntei se ela sabia que horas eram ela me disse que sim e desligou.
Em um dado momento de nossa vida conjugal perguntei que havia acontecido naquela noite ela me disse, eu dei pra outro na rua e começou a me contar:
Eu o conheci a alguns dias num bar perto do trabalho onde ia jantar e disfarçadamente ele fez um contato comigo através de um olhar eu gostei dele de imediato era claro d cabelos pretos, 1,80 m e tinha 39 anos, tinha a camisa aberta e mostrava o seu peito cabeludo . Era muito gostoso.
Como estava perto de conhecidos sai disfarçadamente e ao passar pela mesa dele ele me olhou eu sorri e pisquei para ele, ele entendeu e me segui em pouco tempo.
Comecei a conversar e ele meio safado, já foi pegando Ana minha mão e eu meio sem jeito deixava, mas logo ele já me abraçava pela cintura enquanto caminhávamos pela rua .

Como já era trade para mim, troquei o telefone e me despedi com um beijo gostoso de língua que deve ter durado uns bons minutos e foi muito bom sentir a mão dele apertando as minhas nádegas!
Na data marcada fomos a um bar, mais longe de onde trabalho e ficamos conversando e eu me desinibi e sentei ao lado dele que de imediato pegou minha mão e começou a me beijar e aliás como ele beijava gostoso, começou a passar as mão em minhas pernas e ele me convidou depois de um tempo para caminharmos.
Para quem conhece o Bairro de nome Barro Preto tem pouca iluminação e as poucas existentes são mascaradas por grandes árvores.
Fomos caminhado e em dado momento ele me abraçou forte me encostou em uma árvore e começamos a nos beijar . Ele passava as mãos em meus seios, minha bunda e me convidava para ir a um motel ali perto.

Eu respondi que não tinha tanto tempo e que não poderia ir, assim mele me pegou firmou contra a árvore e começou beijar o meu pescoço, ao mesmo tempo em que uma das mãos procura o meio das minas pernas.
Tentei falar que estávamos na rua e sua boca achou os meus seios, como estava de camiseta, propositadamente sem sutiã, ele descobriu facilmente um dos seios e começou a sugar o bico e a dar leves mordidas e sua mão já abrir o zíper da minha calça que era colada e começa a me masturbar.
O Tesão aumentou e eu já não me controlava mais quando ele abriu o botão da calça e pos a mão toda dentro da minha calcinha alcançando a minha xaninha e começou a enfiar os dedos.

Eu gemia e fazia movimentos de subir e descer e ele colocou o pau pra fora e começou a se esfregar em mim, depois rapidamente ele abaixou a minha calça jeans até o joelho e junto com ela a calcinha, falei aqui não, mas senti uma estocada forte ele enterrou tudo de uma vez, era grande, gostoso.
Ele me pegou de jeito segurou a minha bunda com as duas mãos e meteu forte até me esqueci que estava ma rua ele fazia movimentos gostosos de vai e vem e ai começou a bombar forte e eu vi que ele e eu íamos gozar, comecei a gozar, você sabe que gozo fácil , e disse a ele que não gozasse dentro pois não tomo remédio e ele não estava usando camisinha, mas não deu ele aumentou o ritimo e começou a gemer e falou, puta casada merece uma buceta cheia!!!!
E num instante socou forte e eu gozei de novo e senti a minha xaninha se encher do gozo dele.
Ficamos uns instantes unido enquanto ele gozava até que ele tirou para fora e me pediu o meu lenço e quando ia lhe entregar ele falou, você limpa. Primeiro com a mão.

Limpei aquele pau gostoso e melado ainda meio duro e quando fui usar o lenço ele me prensou junto á árvore e falou: usa a boca para lavar a sua mão, lambi minha mão toda melada de nosso gozos e assim que fui me limpar do gozo dele que começava a escorrer de minha xaninha ele não deixou, puxou a minha calcinha para cima e falou que eu ia gozada para o trabalho.
Vesti a calça e saímos de mão dadas, quis correr mas ele não deixou, me levou até perto do serviço para se certificar de onde eu trabalhava e antes deu ir embora ele me beijou e me fez masturbá-lo um pouco e falou que essa era a primeira de muitas que agora ele sabia que a casada era uma mulher fácil , gostosa e safada.
Se leu e acha que sabe mais sobre A.C. mande um email semanticus@hotmail.com

 

Marido corno assisti sua mulher com dois machos

Aqui estamos mais uma vez, somos o casal Jony e Shirley, ambos na faixa dos trinta anos, realmente casados, liberais e gostamos muito de sexo, eu sou corno manso assumido, adoro ver ela em ação, ela é muito safada, adora ser puta e me cornea sempre, estamos juntos há mais de uma decáda e em todos esses tempos fizemos várias amizades que resultou na realização de muitas fantasias sempre respeitando os limites de ambos com sigilo, higiêne, respeito e segurança, alguns desses amigos fizeram parte das nossas fantasias em apenas um único momento e depois nunca mais os avistemos, outros iniciaram uma amizade através da internet e hoje moram em cidades de até 500 Km de distância da nossa e uma pequena parcela de amigos moram em nossa cidade pois é dificil achar pessoas de confiança com personalidade compativel com a nossa para realizar fantasias, mesmo assim, eu e a Shirley já fizemos muitas fantasias, depois nós dois sentamos os dois juntinhos, documentamos tudo e escrevemos esses contos, adoramos fazer isto, já temos vários relatos publicados nesse site e estamos preparando mais alguns para serem divulgados incluindo este, é que nós ainda estamos escrevendo as fantasias que fizemos quando ainda não tinhá-mos o hábito de escrever contos em sites por isso temos muitos relatos para escrever que aconteceram conosco em todo esse tempo que estamos juntos, no mês de abriu 2011 completamos 14 anos de convivência, sexo, loucuras e fantasias. Na nossa cidade, nos consideramos um casal de sorte, nossas amizades seletivas inclui um casal liberal que sempre praticamos swing/menage e também alguns amigos amantes que tranzam com ela na minha frente, desses amigos apenas um pensa que eu não sei de nada, o Sr. Fernando ( Patrão da Shirley ).

O relato de hoje é para contar como foi a iniciação dele tranzando com ela na minha frente e depois a primeira vez dela com dois caras ao mesmo tempo. Eu vou contar em duas etapas. 1ª Etapa- Já faz um tempo que eu sei que a Shirley, minha mulher, tranza com o Sr. Fernando, seu patrão, ela mesma me contava, a maioria das vezes que ela saía com ele chegava em casa toda sorridente, olhar brilhante, eu esperava ancioso pra saber de tudo, mal ela chegava e já ía me contanto como tería sido a tranza com o seu patrão, eu escutava tudo chupando sua buceta úmida que havia acabado de ser comida e depois agente tranzava gostoso, depois de um certo tempo, eu pedi a Shirley para que toda vez que ela saísse com Sr. Fernando fosse aos poucos tentando convencer ele a tranzar com ela na minha frente pois eu adoro ver ela em ação e também por que nós estávamos procurando uma outra pessoa para que futuramente junto com seu primo Bruno, pudéssemos realizar a minha fantasia de ver ela com dois caras ao mesmo tempo, essa tarefa de convencer o Sr. Fernando a tranzar com ela na minha frente não foi fácil, a Shirley, minha mulher, aos poucos conversou com ele várias vezes sobre o assunto mais Sr. Fernando era um pouco tímido e tinha medo das minhas reações, dizia que não tinha coragem e se negava a acreditar que tudo fosse real, foi preciso a Shirley abrir o jogo e dizer que desde o inicio eu já sabia de tudo que acontecia entre eles dois, que eu sentia prazer em saber e mais ainda em ver minha mulher com outro homem, a Shirley foi mais ousada e deu o número do meu celular para o Sr. Fernando e disse a ele que se tivesse alguma dúvida poderia ligar diretamente pra mim, depois disso, Sr. Fernando acreditou um pouco mais na minha mulher e depois de uma semana ligou pra mim perguntando se era realmente verdade a proposta que a minha mulher lhe tinha feito, eu confirmei tudo e ele gostou da idéia se dizendo estar muito curioso, então tratamos de sair os três juntos para um baile de forró que aconteceria na noite seguinte, na hora combinada ele chegou na nossa casa e fomos pro baile nós três juntos no carro do Sr. Fernando, chegando lá sentamos em uma mesa e começamos a beber, depois de várias horas nós já estávamos meios altos devido a bebida, foi quando Sr. Fernando convidou a Shirley,minha mulher para dançar, os dois dançavam agarradinhos e eu fui ficando de pau duro, depois disso, eu convidei o Sr. Fernando e a Shirley para sair daquele lugar e ir para um local onde nós pudéssemos ficar mais a vontade, eles concordaram e nós três fomos em direção ao estacionamento onde estava o carro, chegando lá, Sr. Fernando me pediu para eu dirigir pois ele havia bebido um pouco, em seguida entrou no carro no banco de trás, a Shirley perguntou se poderia ir também no banco de trás para ir conversando com o Sr. Fernando e foi logo entrando, eu dei partida no carro e saímos, em poucos instantes os dois já estavam no maior amasso, eu dirigia de pau duro e de vez enquanto olhava para trás para ver o que estava acontecendo e via os dois se esfregando e se beijando então tratei de levar todos até o motel.

Chegando lá eu estacionei o carro na garagem da suíte e fui baixar a cortina, quando retornei os dois já estavam em pé escorados no capô do carro, Sr. Fernando levantou a blusa da minha mulher e começou a tocar nos seus seios, eu abri a porta da suíte e convidei os dois a entrarem, mal eu fechei a porta e os dois caíram em cima da cama se beijando, aos poucos foram tirando suas roupas até ficarem completamente nus, eu retirei minha roupa e me sentei em uma cadeira próximo da cama, Sr. Fernando e a Shirley estavam muito excitados e faziam de conta que eu não estava ali e começaram a tranzar, a Shirley se abaixou entre as pernas do Sr. Fernando e começou a chupar seu pau até ele ficar completamente duro, em seguida, ele pediu a ela que virasse ao contrario pois queria chupar sua buceta, logo logo os dois estavam se chupando fazendo uma meia nove gostosa, depois de alguns minutos, eu peguei uma camisinha e dei para a Shirley que tratou logo de vestir no pau do Sr. Fernando, depois disso, ela foi pra cima dele, encaixou sua buceta no pau dele e começou a cavalgar, nesse momento eu assistia a tudo batendo uma punheta, depois disso eles mudaram, a Shirley saiu de cima dele e ficou de quatro em cima da cama, ele se ajoelhou por trás dela, enfiou seu pau na buceta dela e começou a meter, a Shirley gemia de tezão me chamando de corno e pedindo pro Sr. Fernando meter tudo dentro da sua buceta, Sr. Fernando estava adorando e vibrava com tudo que estava acontecendo, depois de vários minutos os dois resolveram gozar, ela se deitou na cama e ele foi pra cima dela, abriu suas pernas e enfiou de uma vez seu pau dentro da buceta dela ficando somente as bolas do lado de fora, em seguida ele começou a meter forte pulando em cima dela, não demorou muito e os dois gozaram juntos e eu também gozei batendo minha punheta.

Depois de tudo, a Shirley foi tomar banho e eu fiquei conversando com ele, Sr. Fernando disse ter gostado muito da experiência e perguntou do que mais agente gostava de fazer ou fantasiar, eu respondi que há muito tempo tinha vontade de ver a Shirley, minha mulher, tranzando com dois caras ao mesmo tempo mas isso nunca foi possível pois só havia conseguido uma pessoa para tal feito e faltava uma segunda pessoa de confiança para que tudo pudesse acontecer, também disse a ele que já cheguei a fazer uma Dp nela juntamente com seu primo mais ver ela em ação com dois caras ficou mesmo só na minha imaginação, em seguida, Sr. Fernando me perguntou se a minha mulher topava fazer uma Dp com ele, eu disse a ele que já havia conversado com a minha mulher sobre o assunto e ela ficou interessada, ela também me disse que as poucas vezes que teve a sua disposição dois paus ao mesmo sentiu uma sensação gostosa e gozou feito uma louca, como ela havia concordado só faltava agora achar as pessoas certas e nós contávamos com ele e o Bruno primo dela pois ele já tranzava com ela há algum tempo, em seguida, Sr. Fernando concordou na hora e disse que nós poderíamos contar com ele para realizar essa fantasia, em seguida a Shirley chegou e eu falei pra ela que o Sr. Fernando topou fazer uma Dp nela juntamente com o seu primo Bruno, a Shirley gostou e disse que queria realizar essa fantasia o mais breve possível e combinamos que quando tudo estivesse programado agente o avisaria, depois disso, nos vestimos, pagamos a conta, pegamos o carro e fomos pra casa. 2ª etapa- O tempo foi passando até chegar o dia do aniversário do nosso casamento, eu e a Shirley fomos pessoalmente convidar o Sr. Fernando para tomar umas cervejinhas com agente em nossa casa, no ato do convite ele perguntou quantas pessoas estariam presente em nossa casa e nós respondemos que era apenas uma comemoração simples, que nós não convidamos ninguém além dele e do Bruno primo da Shirley, Sr. Fernando entendeu tudo e gostou da idéia confirmando que estaria presente. Marcamos tudo para o domingo de manhã e pedimos a ajuda do Bruno para ajudar a realizar a nossa fantasia. Chegado o dia e hora combinados o Sr. Fernando chegou, trouxe consigo uma garrafa de wisk importado e um presente para a Shirley, ela agradeceu o presente e nós fomos para a sala, colocamos um som ambiente, abrimos a garrafa de wisk e começamos a beber e conversar, depois de várias doses a Shirley foi tomar banho e voltou vestida em uma blusa pequenina quase transparente e uma saía curta, minutos depois ela convidou o Bruno para dançar, eu e o Sr. Fernando ficamos sentados no sofá assistindo os dois dançarem, devido ao efeito do wisk, os dois começaram a dançar escandalosamente e de vez enquanto o Bruno levantava a saía da Shirley mostrando para nós dois que ela estava sem nada por baixo, sem calcinha, eu fui ficando de pau duro e o Sr. Fernando também, Bruno foi mais ousado e começou a se esfregar na minha mulher, depois colocou sua mão por baixo da blusa dela e começou a pegar nos seios dela enquanto dançavam, nesse momento, eu baixei um pouco o volume do som, coloquei meu pau pra fora e comecei a me punhetar lentamente, Sr. Fernando não sabia o que fazer, em seguida, a Shirley retirou sua blusa e veio em minha direção, ficou de joelhos entre minhas pernas e começou a punhetar meu pau, Bruno retirou toda a sua roupa, se aproximou de nós e em pé mesmo colocou seu pau na boca da minha mulher, ela me punhetava e chupava o pau dele ao mesmo tempo, Sr. Fernando foi retirando sua roupa até ficar completamente nu, em seguida começou a bater uma punheta vendo a Shirley chupar o pau do Bruno, a safada chupava com vontade, tentava engolir o pau dele por inteiro, depois vinha em minha direção e me dava um beijo na boca fazendo com que eu sentisse o gosto da rola do Bruno em sua boca, Sr. Fernando quando viu isso se levantou imediatamente e ofereceu seu pau para a Shirley também chupar, eu me afastei um pouco e fiquei batendo uma deliciosa punheta vendo a Shirley, minha mulher, chupando aqueles dois paus duros ao mesmo tempo, ela colocava os dois paus juntos na boca, depois punhetava um e chupava o outro até os dois ficarem completamente duros, em seguida, eu peguei uma camisinha e dei pro Sr. Fernando vestir em seu pau, Bruno se sentou no sofá ao meu lado, Shirley se ajoelhou entre as pernas do Bruno e começou a chupar seu pau de quatro no chão, deixando sua bunda empinadinha, Sr. Fernando se ajoelhou no chão, por trás da minha mulher, pegou seu pau, colocou na entrada da buceta da Shirley e foi enfiando lentamente até entrar tudo, depois começou a meter, a Shirley rebolava no pau dele e chupava o pau do Bruno ao mesmo tempo, eu assistia a tudo batendo uma gostosa punheta, a Shirley olhava pra mim e me provocava dizendo;......

Tá gostoso amor ver a sua puta dando a buceta ? Olha como meu patrãozinho me come gostoso, ahahahahahahahh Mete Sr. Fernando, não pare, come minha buceta ahahahahha, me come gostoso,ahahaha Enfia esse pau dentro de mim, vaiii aahahaaha, a Shirley estava eufórica devido as doses de wisk que bebeu, Depois disso, ele resolveram mudar, ela se sentou no sofá e Sr. Fernando ficou de joelhos entre suas pernas, pegou seu pau e enfiou na buceta da minha mulher outra vez, Bruno ficou de joelhos em cima do sofá e deu seu pau para a minha mulher chupar, a Shirley dava a buceta para o Sr. Fernando e chupava o pau do Bruno ao mesmo tempo, eu assistia a tudo batendo uma punheta, depois de vários minutos nessa, agente resolveu ir para a cozinha, lá o Sr. Fernando puxou uma cadeira próximo a mesa e se sentou, a Shirley se sentou em seu colo, de costas pra ele, Bruno se sentou em cima da mesa, a minha mulher cavalgava sentada no pau do Sr. Fernando e se esticava toda para chupar o pau do Bruno, estava muito gostoso ver a minha mulher se deliciando com duas rolas ao mesmo tempo, parecia um filme pornô, depois disso, a Shirley se levantou e se deitou em cima da mesa, Sr. Fernando se levantou, se aproximou da mesa, levantou as pernas da minha mulher e meteu na sua buceta novamente, Bruno se aproximou dos dois e deu seu pau para a Shirley continuar chupando, Sr. Fernando metia tudo, deixando somente as bolas do lado de fora, a safada da minha mulher gemia alto com o pau do Bruno na boca, em seguida, me provocava mais uma vez dizendo;.....

Me come Sr. Fernando, enfia tudo, que rola gostosa você tem, arromba minha buceta na frente desse corno, ele adora levar chifre, olha amor como ele me come gostoso, a rola dele é uma delícia, olha como ela entra gostoso na minha buceta, nesse momento meu pau parecia querer explodir na minha mão, Sr. Fernando metia forte chamando a Shirley de puta safada, piranha e gostosa, a Shirley ouvindo isso acabou gozando no pau dele, depois disso, resolvemos dar uma pequena pausa e fomos para o nosso quarto, chegando lá eu me sentei na pontinha da cama, a Shirley veio e se sentou em meu colo, de costas pra mim, Sr. Fernando se aproximou de nós, ficou em pé na frente da minha mulher, retirou a camisinha e deu seu pau para a Shirley chupar, Bruno fez o mesmo, a Shirley cavalgava no meu pau e chupava aquelas duas rolas duras ao mesmo tempo, eu metia na buceta da minha mulher e assistia, bém de pertinho, ela chupando aqueles dois paus enormes, o tezão da gente estava alto, eu aproveitei o momento, retirei meu pau da buceta da minha mulher e enfiei no seu cuzinho, no começo ele reclamou que estava doendo mais depois se acostumou, em seguida, eu puxei a Shirley para trás e nós deitamos na cama, ela ficou deitada de costas em cima de mim, eu continuei comendo seu cuzinho e deixei sua buceta toda aberta para os nossos amigos, o primeiro a se aproximar foi o Bruno, ele ficou de joelhos em cima da cama e meteu seu pau na buceta da minha mulher, pronto, estavámos fazendo uma DP na minha gata, eu metia em seu cuzinho e o Bruno na sua buceta, Sr. Fernando colocou outra camisinha no seu pau e veio para próximo de nós, Bruno saíu e foi a vez do Sr. Fernando meter na buceta da minha mulher, os dois ficaram se revezando na buceta da Shirley por vários minutos, mais eu gosto mesmo é de ser corno, de levar chifre e ver minha mulher dando pra outro, então eu saí de perto deles e deixei minha mulher a vontade com nossos amigos, me sentei em uma cadeira e fiquei batendo minha punheta, em seguida, Bruno se deitou na cama e a Shirley foi pra cima dele, ela encaixou sua buceta no pau dele e começou a cavalgar, deixando sua bunda aberta e empinada para o Sr. Fernando, ele se aproximou, ficou de joelhos em cima da cama por trás dela, pegou seu pau e foi enfiando no cuzinho da minha mulher até entrar tudo, depois começou a meter, Bruno metia na buceta e Sr. Fernando no cuzinho dela, a DP parecia estar gostosa, a safada da minha mulher revirava os olhos e gritava de tezão gemendo feito uma cadela, como ela adora me provocar, a puta olhava pra mim e dizia;.....Olha amor, tenho duas picas dentro de mim, é gostoso ver a sua mulher dando o cuzinho e a buceta ?

Olha seu corno, bate uma punheta vendo esses dois machos me arrombando,ahahahahhahah, aprende como se come uma puta de verdade, quando ouvi isso o tezão foi a mil e eu me segurei para não gozar naquele momento, depois de vários minutos nessa, os três resolveram enverter a posicão e gozar, então Sr. Fernando saiu detras da minha mulher e se deitou na cama, a Shirley foi pra cima dele e encaixou sua buceta no pau dele, Bruno foi por tras dela e enfiou seu pau no cuzinho dela continuando a Dp, os dois começaram a meter forte, ficava somente as bolas do lado de fora, nesse ritmo, não demorou muito e os dois explodiram em gozo alucinante, Bruno gozou dentro do cuzinho da minha mulher enchendo ela de esperma, depois de alguns segundos, Bruno saiu de cima da Shirley e se sentou ao lado, a Shirley saiu de cima do Sr. Fernando e se aproximou do pau dele, retirou a camisinha do pau dele de uma forma que o esperma que estava dentro da camisinha caisse todinho sobre seu pau e em seguida começou a chupar se lambuzando e limpando tudo, depois disso, eu pedi ao Sr. Fernando e ao Bruno que saíssem do quarto e deixasse eu e minha mulher a sós por alguns instantes, assim que eles saíram do quarto, eu fechei a porta e fui em direção da cama onde estava a minha mulher, me aproximei dela, abri suas pernas e vi que sua buceta brilhava e saia esperma de dentro do seu cuzinho, não perdi tempo e caí de língua chupando a buceta e o cuzinho dela, adoro fazer isso, limpei tudo, suguei até a última gota, a Shirley, minha mulher, começou a se exitar de novo com a minha língua na sua buceta, ela pegava minha cabeça e pressionava contra sua buceta dizendo;.... Me chupa amor, limpa meu cuzinho e minha buceta, engole o esperma do macho que estar em meu cuzinho, ele arrombou meu cuzinho e gozou dentro dele, vai seu corno, viado, me chupa, depois de ouvir isso, eu parti pra cima da minha mulher, dei um demorado beijo de língua em sua boca com gosto de esperma, em seguida, peguei meu pau e enfiei em seu cuzinho e comecei a meter, estava muito gostoso, eu metia no cuzinho da minha mulher com vontade, ela olhava pra mim e dizia que me amava, que eu era o melhor marido do mundo, em seguida, a Shirley começou a massagear sua buceta, batendo uma siririca enquanto eu comia seu cuzinho, não demorou muito e nós acabamos gozando os dois juntos, ela gozou com seus dedos enfiado na sua buceta e eu gozei dentro do cuzinho dela, foi muito gostoso. Essa foi uma das melhores fantasias que já realizamos.

Depois de tudo, tomamos banho e fomos ficar com nossos amigos, depois não rolou mais sexo mais ainda bebemos e dançamos a tarde inteira.Neste dia, o Bruno dormiu na nossa casa, no outro dia cedo, antes dele ir embora, ainda bati mais uma punheta vendo a Shirley, minha mulher, chupar o pau do Bruno por vários minutos até ele gozar dentro da boca dela. Depois desse dia, o Bruno e o Sr. Fernando se tornaram amigos, as vezes saímos juntos com total sigilo e confiança, sempre que é possível eles tranzam com ela independente de eu estar presente ou não, depois a Shirley me conta tudo em detalhes. Esta foi mais uma das muitas que virão pois gostamos muito de sexo e fantasias, eu gosto de ser corno e ela adora ser puta, adoro bater uma punheta vendo um macho de pau duro metendo na buceta da Shirley e ela adora dar a buceta para um macho na minha frente, nós nascemos um por outro por isso não desperdiçamos nenhuma chance, estamos sempre realizando fantasias.

Até a próxima !

 

Casadinha

Casei novinha com meus 18anos quando meu marido retirou-me de um internato ( católico)... Ele por sua vez era um rapaz de 27 anos, de uma família riquíssima daqui do RJ.

Era, fiquei sabendo depois, muito farrista, mulherengo, só vivia em festinhas da alta sociedade do Leblon.
Se apaixonou realmente por mim,quando no internato esteve,fazendo entregas de doações devido a um forte temporal ocorrido, onde muita gente ajudou.
Voltou lá várias vezes, declarando suas intenções de casar, levando um ano, ininterrupto, praticamente todos os dias, fazendo juras de sua mais nobre intenção, comigo já me interessando também pois ele era, ou melhor, continua sendo lindo...Com a permissão concedida, partimos para o casamento, com muito convidados , os quais nunca tinha visto,,, de minha parte,nenhum, pois era órfã desde dos meus 3 anos, somente minhas amigas e o pessoal do internato ali estavam presente.
Passaram-se 5 anos de enorme felicidade,,,,viagens ao redor do mundo, festas, estudos particulares, principalmente, orientações comportamentais,,,,,me tornei uma dama da alta sociedade também. O Carlos, um homem já com seus 32 anos, continuava muito sedento de sexo, tudo pra ele em primeiro lugar,vinha o sexo,,, depois de um tempinho de casamento entre nós,me levava a motéis e fazia questão de eu assistir com eles aqueles filmes eróticos,,aquilo me excitava demais, pois ele o Carlos,tinha um pênis minúsculo, uns 13 cm, ereto,,,,eu já fazia comparações com os que eu assistia nos filmes.

Ele com uma personalidade muito forte, me amando de verdade, dava sempre entradas para que eu me soltasse com ele.Perguntava até se eu teria vontade de um dia fazer sexo com aqueles descomunais que vínhamos,,, saía pela tangente,dizendo sempre não, pois ele já me satisfazia plenamente. Mas certa vez aconteceu algo inusitado; estávamos em um cinema em Lisboa e um senhor com seus 60anos, sentou-se ao meu lado,,, ( tudo combinado entre ele e o Carlos,fiquei sabendo depois) eu estava com um casaco longo, fechado por botões na frente, sem nada por baixo, ou melhor, só de calcinha, a pedido do Carlos antes de sairmos para o cinema,pois ele iria brincar sensualmente comigo em público. Aquilo mais me excitou quando eu percebi o senhor colocar pra fora um CARALHÃO como eu nunca tinha visto,,,eu fiquei inquieta na cadeira,olhava para o Carlos, voltava em seguida a olhar o senhor que estava se masturbando acintosamente pra mim.

Derrepente quase desmaiei de emoção quando eu senti ele abrindo uns botões de meu casaco,na altura da minha calcinha.neste momento olhei novamente para o Carlos e ele calmamente me disse: Deixa amor,,deixa o Sr,Antonio bulinar vc gostoso, pois se vc quiser eu já combinei com ele, daqui poderemos ir pra um motel,,,  vc quer?  Já com dois dedos enterrados em mim,eu disse soluçando, quero amor, quero sim,,,, mas antes ele está dizendo que quer me comer aqui mesmo, lá no final do cinema,,,, vamos,,, vamos, estou louca, vamos,,,,, chegando lá, eu já tinha aberto todo o casaco,retirado a calcinha, que deixei lá na cadeira,,,,,me posicionei e ele, na minha primeira vez com um pau descomunal, foi enterrando sem parar,lentamente,pedacinho por pedacinho,,, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii  uiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii maissssssssssssssss CARALHO, não tira ,bota mais,,assimmmmm  vou gozarrrrr,,,, em minha volta já estavam vários homens com seus paus pra fora,,,,ainda dei três chupadinhas diferentes  e saímos para o motel,,, onde ele inaugurou-me no sexo anal, o qual nunca mais vou para de dar,,,,,,,  ( marianaejuca@gmail.com )

 

Uma aventura gostosa depois da aula

Olá caros leitores, meu nome é Shirley, sou casada com o Jony, ambos na faixa dos 30 anos, somos liberais e adoramos realizar fantasias, ele me apoia em tudo, não gostamos de desperdiçar uma chance quando o assunto é sexo, meu marido é corno manso assumido e adora ver ou saber que tranzei com outro, depois agente senta e escreve esses contos. Estamos juntos há 13 anos e em todo esse tempo fizemos várias amizades que resultou na realização de muitas fantasias. Vou contar mais uma pra vocês. Uma certa vez, veio passar alguns dias na minha casa o meu primo Bruno, filho da minha tia, eu considero ele como meu irmão, nós temos quase a mesma idade, fomos criados juntos, eu gosto muito dele, quando crianças, nós bricavámos juntos, simulavámos ser marido e mulher, meus primeiros beijos e toques foi com ele mais nós erámos crianças e não tinha graça nenhuma, o tempo foi passando e Bruno foi morar em outra cidade, hoje ele é noivo, eu casada e sempre que ele vem a nossa cidade fica hospedado em minha casa.

Pois bém, um certo dia, eu estava na escola onde estudo a noite e liguei pro Jony, meu marido vir me pegar depois das aulas, ele respondeu que o nosso carro havia ficado na oficina quebrado e ele estava muito cansado, perguntei se podería ir de moto-taxi para casa e ele me respondeu que não, que ele iría mandar o meu primo Bruno ir me pegar na escola pois ele estava louco para conhecer a escola e algumas alunas, terminou a última aula e lá estava meu primo Bruno me esperando no portão da escola, ele me pediu para apresentar algumas amigas e não o fiz pois ele era noivo, peguei no seu braço e fomos caminhando para casa, já era mais de 22:00 Hs, vinhá-mos caminhando por uma rua escura, com poucas casas, lá havia um terreno baldio, descampado, havia um muro grande e na sua entrada uma lixeira gigante, ouvimos gemidos fortes e fomos ver o que era, chegamos sem fazer barulho e ficamos por traz da lixeira, dentro do terreno, a uma certa distância, havia um carro parado e um casal de namorados tranzando, a moça deitada em cima do capô do carro e o rapaz em pé, segurando suas pernas e metendo nela, nós ficamos abaixadinhos por tráz da lixeira assistindo aquela cena e dando risadas baixinho, depois de alguns minutos vendo aquela cena eu comecei a ficar exitada, minha buceta foi ficando úmida, olhei pro Bruno e chamei ele para ir embora dizendo que se eu continuasse a ver aquela cena iría dar vontade de fazer o mesmo, em seguida, Bruno me pediu para ficar mais um pouco dizendo que se a minha vontade aumentasse ele estaria alí para dar conta do recado, que isso ficaría só entre agente, como nos tempos de criança, nós sorrimos , em seguida ele me abraçou por traz e ficamos vendo aquele casal se amando, coloquei os livros no chão e fiquei rosando minha bunda lentamente no pau do Bruno que foi ficando duro feito ferro, Bruno me abraçava por traz apertando meus seios e tocando minha buceta por dentro do meu short, o clima foi esquentado, Bruno desceu meu short e afastou minha calcinha pro lado, depois colocou seu pau pra fora e foi enfiando na minha buceta lentamente, quando entrou tudo ele começou a meter devagarinho, ficou metendo na minha buceta por traz de mim e beijando meu rosto e pescoço, estava muito gostoso, o pau dele entrava gostoso dentro da minha buceta, ficamos tranzando em pé e ao mesmo tempo assistindo aquele casal fazer o mesmo, depois de um certo tempo, Bruno começou a meter mais forte dentro de mim, eu pedia pra ele enfiar todo o seu pau dentro da minha buceta, sem perceber nós começamos a gemer forte e um pouco alto, isso acabou chamando a atenção daquele casal que pararam de tranzar e vinheram em nossa direção, rapidamente nós levantamos nossas roupas, peguei meus livros e saímos correndo daquele lugar, depois que dobramos a rua nós continuamos a andar normalmente em direção da minha residência, no caminho Bruno foi se lamentando que a nossa tranza estava gostosa demais para terminar da forma que terminou, eu disse a ele que ficasse tranquilo que eu daria um jeito para agente terminar o que havia começado, chegando em casa, abri a porta e entramos, fui até meu quarto e vi que o jony, meu marido, dormia que roncava, liguei o ar condicionado e tranquei a porta do nosso quarto por fora para o jony não sair, caso ele acordasse, mandei o Bruno ir tomar banho e me esperar na sala, depois foi a minha vez de tomar banho, quando terminei o banho, sai enrolada em uma toalha até a sala, lá o Bruno estava sentado no sofá, só de cueca, eu me ajoelhei entre suas pernas, tirei sua cueca, peguei seu pau e comecei a chupar, engolia tudo ficando somente as bolas do lado de fora, senti aquele pau crescendo dentro da minha boca e chupei até ele ficar bém duro, em seguida, eu me levantei, retirei a toalha e subi em cima do sofá, abri um pouco as pernas e deixei minha buceta na altura do seu rosto, ele não pensou duas vezes e começou a chupar minha buceta, parecia que ele tinha um vibrador na língua pois chupava muito gostoso me levando ao delírio, eu peguei sua cabeça e precionei contra meu corpo, fiquei esfregando minha buceta na cara dele até gozar em seu rosto, adoro essas preliminares pois lubrifica minha buceta para receber um pau duro, depois disso, eu me abaixei e sentei em seu colo, encaixei seu pau na minha buceta e comecei a cavalgar, ele me segurava pela bunda e chupava meus seios enquanto metia na minha buceta, eu delirava de tezão subindo e descendo em cima daquele pau duro, depois resolvemos mudar, eu sai de cima dele e fiquei de quatro em cima do sofá, ele veio em pé por traz de mim e enfiou na minha buceta novamente, me segurava pela cintura e metia tudo dentro do minha buceta, estava muito gostoso, meu priminho estava me comendo com carinho, nós começamos a gemer e eu fiquei com medo do Jony ouvir e acordar pois a sala ficava próximo a porta do nosso quarto, então peguei na mão do Bruno e fomos andando em direção a área de serviço da minha casa que fica no quintal, me sentei de pernas abertas em cima da pia da lavanderia, ele se aproximou de mim em pé entre minhas pernas, pegou seu pau e enfiou de uma vez dentro da minha buceta, senti que entrou tudo, abracei ele pela bunda e precionei seu corpo contra o meu e ele continuou metendo em minha buceta, estava muito gostoso, cheguei a gozar mais uma vez com o pau dele dentro da minha buceta até ele pedir para enfiar no meu cuzinho, não fiz questão, afinal eu gosto muito dele, é meu priminho de coração, em seguida, joguei meu corpo para traz e escorei minha cabeça na parede, ele levantou minhas pernas, retirou seu pau da minha buceta e colocou na entrada do meu cuzinho, como o pau dele não era tão grande e grosso entrou com facilidade dentro do meu cú, quando fui perceber ele já enfiava tudo dentro do meu cuzinho deixando somente as bolas do lado de fora, eu massageava minha buceta e ficava assistindo aquele pau duro entrando e saindo de dentro do meu cu, estava uma delícia, depois de vários minutos nessa pocisão ele anunciou que queria gozar, eu já estava com uma vontade enorme de gozar junto com ele, então eu desci de cima da pia, mandei ele lavar seu pau com sabão e que em seguida ele fosse pro quarto de hospede pois eu estaria lá esperando por ele pra gente gozar juntos, cheguei no quarto e fui logo me deitando em cima de cama de pernas abertas, coloquei duas almofadas debaixo da minha cabeça e uma debaixo da minha bunda, fiquei esperando o Bruno, em poucos minutos ele chegou e foi logo pra cima de mim, enfiou seu pau na minha buceta e começou a meter, eu gemia de tezão pedindo pra ele enfiar tudo dentro de mim, depois de alguns segundos, ele começou a meter rápido e forte na minha buceta, chegava até a pular em cima de mim, pedi pra ele chupar meus seios enquanto metia na minha buceta e isso ascendeu um fogo dentro de mim, nosso tezão chegou ao limite máximo, começamos a gemer forte, nossos corpos começaram a tremer e acabamos gozando os dois juntos, ele gozou muito dentro da minha buceta, era muito esperma, inundou tudo, depois ele saiu de cima de mim e foi até o banheiro se lavar, eu fiquei deitada, relaxando um pouco, em alguns minutos ele voltou, deixei ele a vontade para dormir e fui direto pro meu quarto, quando cheguei lá, o jony, meu marido, ainda dormia, resolvi acordar ele pois o esperma do Bruno escorria pelas minhas pernas e o Jony adora ver isso, acordei o Jony e me deitei ao seu lado, de pernas abertas, a minha buceta brilhava com tanto esperma, o Jony quando viu perguntou logo de quem era aquele esperma e eu respondi que ele poderia fazer o que mais gosta que é chupar minha buceta cheia de esperma deixando ela bém limpinha, sugar tudo e sentir o gosto do esperma do macho que me comeu e que depois eu contava pra ele de quem era aquele esperma e o que havia acontecido, depois de ouvir isso, Jony caiu de boca na minha buceta, chupava com vontade, em seguida seu pau ficou duro, ele continuou chupando minha buceta e batendo uma punheta até anunciar que queria gozar, Jony queria gozar na minha buceta mais eu não deixei, puxei ele até meu rosto e comecei a chupar seu pau, depois de alguns minutos, ele retirou seu pau da minha boca e começou a se punhetar rápido, eu abri minha boca ao máximo e fiquei esperando, em poucos segundos ele gozou dentro da minha boca, como ele é meu marido eu engoli todo o seu esperma até a última gota, o Jony gostou muito e eu também, estavámos realizados, depois caimos pro lado e fomos dormir.

No outro dia eu contei pro jony tudo que havia acontecido entre eu e o Bruno, ele adorou e disse que eu podería tranzar com ele quantas vezes quisesse contando que, por enquanto, eu não deixasse o Bruno desconfiar que ele sabia de tudo que acontecia entre nós dois. Depois desse dia, eu e o Bruno ficamos bastantes intímos e confiámos um no outro, ele se tornou meu amante de confiança e já fizemos algumas loucuras sexuais. Com o passar do tempo, o Bruno começou a cursar faculdade na minha cidade e como ele é meu primo, passou a frequentar minha casa com mais intensidade, estavámos sempre juntos, eu, ele e o Jony e depois de um certo tempo agente tranzou na frente do meu marido que adorou assistir a tudo. Esta foi mais uma das muitas que virão pois não perdemos tempo e oportunidade. Até a próxima !

Transando com compadres

Sou casado a 20 anos, tenho uma vida sexual muito boa com minha esposa, mas ultimamente comecei a ter varias fantasias sexuais incluindo outras pessoas, fico muito excitado so de pensar em ver outro casal transando,mais para que isso seja gostoso minha esposa tem que estar participando dessa fantasia comigo, entao quando estava fazendo sexo com minha esposa começo a insinuar outras pessoas transando conosco, no começo ela ficou assustada mas depois foi deixando a fantasia e a imaginaçao  tomar conta da situaçao.

Com isso começamos a imaginar como seria transar com outras pessoas, e se ja tinha passado pela minha cabeça alguém conhecido,,foi ai que tudo começou,,falei pra ela que tinha sonhado que, eu ela eu e nossos compadres que moram em outra cidade tivemos uma noite de puro sexo..ela ficou abismada pois nunca tinha pensado nessa possibilidade,contei o sonho e ela ficou exctadissima e acabamos transando loucamente aquela noite,e sempre que iamos transar acabavamos imaginando nossos compadres no meio da nossa transa.

Certa dia fomos vistar nossos compadres, e coos somos amigos a muito anos sempre tivemos muita afinidades, estavamos jogando baralho e tomando uns drinks, quando começamos a falar de varios assuntos, e logico falamos sobre sexo, e que tanto eles como nos já estavamos casados a muitos anos e que dava vontade de realizar algumas fantasias..todos riram mas acharam legal,, e o assunto começou a fruir, meu compadre perguntou pra mim se eu tinha algumas  fantasias, não hesitei e falei que minhas fantasias minha esposa ate sabe quais são,,nisso ficaram surpresos e sorriram,então conta pra nos , meu compadre disse..fala, isso falo se todos também falarem,como todos já tinha tomados todas,,concordaram ai que a noite começou a ficar maravilhosa, falei que minha fantasia era ver e transar com outro casal e que minha esposa também achava legal,,meus compadres ficaram vermelhos, mais também confessaram que já tinham comentados isso varias vezes, mas que era muito difícil admitir e encarar uma fantasia dessas, todos riram,,ai eu disse  gente esse papo esta me deixando muito excitado, minha esposa que estava ao meu lado na hora passou a mao no meu pau por cima do shorts e disse , nossa amor vc ficou com muito tesao mesmo, minha comadre vendo aquela cena fez o mesmo com meu compadre e disse, não é so ele não olha esse homem aqui, acho que nunca vi esse pau tao duro, nossa naquela hora todos estavam com caras de tesao,,,minha mulher continuou a passar a mao no meu pau por debaixo da mesa, e minha comadre também no pau do meu compadre, falei nossa amor que tesao gostoso , e meu compadre olhou pra mim e disse , compadre isso aqui esta gostoso demais, nos quatro aqui nesse ambiente gostoso da vontade de fazer uma loucura e riu,,, minha mulher que já tinha bebido bastante falou ,estou com muita vontade de chupar esse pausao gostoso, e perguntou para o compadre, vocês não se importam?

Eles disseram claro que não fique a vontade que também ficaremos, nisso minha esposa entrou debaixo da mesa abriu meu zíper e começou a fazer uma gulosa maravilhosa, eu fiquei ali sentado olhando para a cara do meus compadres,, nisso miha comadre  também não resistiu e foi pra debaixo da mesa, nossa aquela cena era demais, eu e meu compadre sentados e as mulheres debaixo da mesa chupando nossos e escutamos alguns paus,derrepente pararam e escutamos alguns cochichos, uns baruhos debaixo da mesa,elas trocaram de lugar  agora minha esposa estava chupando o pau do meu compadre e a minha comadre o meu, aquilo nos deixou loucamente excitado , meu compadre disse,,nossa isso é demais ,vc também esta gostando,eu disse , com certaza sua mulher  sabe como chupar um pau também,,nisso rimos , ai elas levantaram..e  falaram, gostaram , dissemaosclalro que sim, agora é nossa vez,,fomos pra debaixo da mesa e começamos a chupar aquelas bucetas que já estavam bem molhadas,,troquei com meu compadree fui chupar a bceta da minha comadre,,que  delicia , elas se contorciam de tanto prazer.

Voltamos a nos sentar ainda excitadíssimos,rindo falamos que estava muito gostoso tudo aquilo, foi ai que minha comadre sugeriu da gente ir para o quarto deles terminar  aquele momento delicioso,,não hesitamos , nos levantamos e fomos em direção ao quarto, todos cedentos por sexo, chegando no quarto deitamos na cama,,eu já fui agarrando minha mulher e chupando os peitos dela que deixa ela superexctada,,meu compadre também encoxouminha comadre e foi alisando seus peitinhos,,,nisso ele viu eu trando a calça da minha esposa e ficou olhando aquela bunda linda e gostosa, nisso sua mulher percebeu e disse sem pudor, gostou amor, ele disse é muito bonita,,realmente era mesmo,minha esposa tem uma bunda deliciosa de se comer,,a de minha comadre já não é tao grande mais também apetitosa, nisso minha comadre disse ,,e ai compadre deixa ele dar uma pegadinha,,eu disse  claro , foi ai que trocamos de parceiros, ele pegou minha mulher e eu a dele,, nossa eu estava muito louco,,já cheguei chupando os biquinhos dos peita dela que eram enormes,,e meu pau já foi enfiando na buceta dela,demais,,quando olhei para minha mulher , meu compadre já estava enfiando o pau todinha na bundinha dela, aquela cena era demais,eu comendo minha comadre e minha mher dando pro meu compadre e tudo numa boa sem nenhum arrependimento,,,nisso minha esposa pediu pra chupar meu pau que estava com gosto da buceta da minha comadre,,aquilo foi demais,,,tirei meu pa da buceta da minha comadre e enfiei na boca da minha esposa,e meu compadre enfiando na bundinha dela,,demais,,depois trocamos, enfiei na bundinha da minha comdre,,e ela ficou chupando o pau dele,,demais,,,,já estávamos dodos pra gozar,foi ai que eu gozei muito  nos peitos da minha comadre,,,,e meu compadre ns peitos da minha mulher que chegou ate pegar na cara dela,,ficamos ali deitados  e exautos por algum tempo,,ate começar tudo de novo, e ainda com mais intensidade....

 

O leiturista da companhia eletríca - parte II

Bom dia para todos ! Meu nome é Shirley, sou morena baixa, na faixa dos trinta anos, realmente casada há 13anos com Jony, formamos um casal liberal, gostamos muito de sexo e de realizar as nossas fantasias, temos várias amizades sigilosas e seguras com casais e homens e é através delas que sempre que aparece uma oportunidade estamos fazendo o que mais gostamos; realizando fantasias com sigilo e segurança.

O que vou contar agora pra vocês é apenas a parte II do último relato que postei juntamente com meu marido, que tinha como titúlo; O LEITURISTA DA COMPANHIA ELÈTRICA, nesse conto eu narrei como conheci o Cris, o leiturista que todos meses vinha a minha casa anotar a leitura, como o medidor ficava dentro de casa eu tinha que abrir a porta pra ele entrar, sempre que ele vinha eu estava sozinha, aos poucos fomos ficando amigos íntimos e não demorou muito pra rolar sexo, contei tudo pro Jony, meu marido, que uma certa vez chegou a assistir eu tranzando com o Cris escondido atrás da cortina da sala, meu marido adora ser corno e com o passar do tempo foi me pedindo para convencer o Cris a tranzar comigo na sua frente, pois bem, eu como sou uma esposa muito obediente ao meu marido fui aos poucos conversando com o Cris sobre o assunto toda vez que agente ficava junto, a princípio ele quis se recusar, não queria acreditar, ele sentia uma mistura de medo e timidez mais eu lhe transmiti segurança e ele acabou aceitando, Cris queria ter certeza de que tudo era real e me pediu o número do celular do Jony, meu marido pois ele queria ouvir dele se realmente tudo que eu disse a ele era verdade.

Na sexta- feira a noite, o Cris ligou para o Jony e ele confirmou tudo, Jony disse ao Cris que há tempos sabia do que rolava entre nós dois, que ele era corno manso assumido, que gostava de ver a mulher dando pra outro homem, que fosse uma pessoa educada, sigilosa e confiável pois nós gostavámos de fazer sexo saudável, com confiança em ambos, depois de ouvir isso, Cris queria vir a nossa casa naquela noite mesmo mais nós marcamos para o dia seguinte, no sábado, após o meio-dia. Chegando o dia e hora combinada eu e o Jony estávamos prontinhos, eu estava com um vestinho curto semi-transparente sem nada por baixo, ele chegou, entrou, nos cumprimentamos e fomos para a sala de jantar, sentamos na mesa e começamos a tomar umas cervejinhas e a conversar, o assunto foi evoluindo até chegar em sexo e putaria, o clima foi esquentando, Jony já apertava seu pau por cima do seu short e eu já não aguentava mais,estava exitada, louca por um pau duro dentro da minha buceta, então olhei pro Jony, meu marido e disse;.... Estar pronto amor para realizar a sua fantasia ? Fica sentadinho ai nessa cadeira e assisti a tudo. Depois disso, eu me levantei e fui em direção do Cris, me abaixei por baixo da mesa, entre suas pernas, puxei seu short/cueca, peguei aquele pau duro e comecei a chupar,a princípio Cris ficou meio sem geito olhando pro Jony , meu marido, que logo puxou uma cadeira para próximo de nós para assistir de pertinho, eu chupava com vontade, tentava engolir tudo que podia, Cris foi se soltando e precionava minha cabeça contra seu pau fazendo entrar tudo, sentia a cabeça da sua rola tocando minha garganta, em seguida chupei as bolas punhetando seu pau ao mesmo tempo, Cris delirava com a minha chupeta, o pau dele pulsava dentro da minha boca, estava duro feito ferro, em seguida, eu fiquei de pé e me sentei em cima da mesa, de pernas abertas, em frente a cadeira em que o Cris estava sentado, ele retirou sua camisa e se enclinou um pouco, abriu minha buceta e começou a chupar, passava a língua no clítores e depois enfiava no fundo da minha buceta, a língua dele era uma delícia, eu gemia de tezão, Jony, meu marido, assistia a tudo se acabando na punheta, sua língua era tão gostosa que depois de alguns minutos eu acabei gozando em seu rosto pela primeira vez, em seguida, ele ficou em pé entre minhas pernas, vestiu uma camisinha em seu pau e colocou ele na entrada da minha buceta depois foi enfiando lentamente até entrar tudo, eu retirei o meu vestido e ofereci meus seios pra ele chupar, em seguida ele me agarrou e começou a meter na minha buceta, o pau dele era uma delícia, a sensação era muito gostosa, quando ele metia fundo eu cravava minhas unhas em suas costas e gemia feito uma cadela, Jony batia punheta a mil pro hora e pra deixar ele louco de tezão eu dizia;..... Ta gostando amor de ver sua mulher dando a buceta pra outro ?

Olha e aprende como é que come uma buceta de verdade, Jony revirava os olhos de tezão, depois disso, Cris se sentou na cadeira e eu fui pra cima dele, sentei no seu pau de frente pra ele, encaixei seu pau na minha buceta e comecei a cavalgar subindo e descendo em cima daquela rola, ele abria minha bunda com as suas mãos e metia tudo, depois de alguns minutos, eu continuei sentada em seu colo só que dessa vez de costas pra ele, Cris me segurava pela cintura e precionava meu corpo contra o seu pau até ele entrar todinho dentro da minha buceta, estava gostoso, em seguida, eu relaxei minhas costas em seu peito e ele abriu minhas pernas, deixando minha buceta toda aberta com seu pau dentro, eu estava louca de tezão, aproveitei o momento e chamei o Jony, meu marido, para chupar minha buceta com o pau do Cris dentro, ele não pensou duas vezes, Jony se ajoelhou entre nossas pernas e começou a chupar minha buceta com o pau do Cris dentro, entrando e saíndo, de vez enquanto o pau de Cris escapava da minha buceta e tocava os lábios e a língua do meu marido, ele parecia gostar, Jony pegava o pau do Cris, punhetava um pouco e depois colocava de volta dentro da minha buceta, estava demais essa foda, depois disso, saímos da sala de jantar e fomos para o nosso quarto, lá eu fiquei logo de quatro na borda da cama, Jony, meu marido, se sentou ao meu lado, abriu minha bunda e minha buceta para o nosso amigo, Cris veio em nossa direção e em pé mesmo enfiou seu pau na minha buceta e começou a meter gostoso, Jony ficou sentado ao lado vendo de pertinho aquele pau enorme entrando e saíndo da minha buceta e batendo uma punheta ao mesmo tempo, depois dessa, eu me deitei de lado na cama e o Cris se deitou por trás de mim, levantou uma das minhas pernas e enfiou seu pau na minha buceta novamente, me abraçando e apertando o piquinho dos meus seios,Jony batia punheta vibrado na gente e eu provocava ele dizendo ao Cris;... Me come meu macho, enfia tudo, arromba minha buceta na frente desse corno, ele adora levar chifre, adora ver uma pica grande e grossa entrando na minha buceta, me come,vai ahahahahahahha...

Após ouvi isso Jony quase gozou, não demorou muito e meu corpo foi esquentando, minha buceta estava enxarcada, então me virei de frente e fiquei deitada de pernas aberta, ele veio por cima de mim e enfiou tudo de uma vez na minha buceta, olhei nos seus olhos e começamos a nos beijar enquanto ele metia forte e rápido na minha buceta, Cris metia tão fundo que eu sentia a cabeça do seu pau tocando meu útero, nesse ritímo não demorou muito e acabamos gozando os dois juntos aos gritos, eu estava gozando pela segunda vez, em seguida ficamos abraçados por alguns instantes, O Cris que estava por cima de mim foi deslizando pro lado esquerdo e continuou abraçado comigo, o pau dele foi saíndo de dentro da minha buceta e permaneceu por cima dela, Jony, meu marido, se aproximou das nossas pernas e começou a chupar minha buceta, ele passou vários minutos chupando, sugando tudo, até deixa-la bem limpinha, a língua dele estava tão gostosa que eu acabei me exitando novamente, logo nós começamos a nos beijar, notei que seu pau foi ficando duro novamente durante o beijo, em poucos minutos o Cris já estava pronto pra outra, o Jony se afastou e o Cris veio logo para cima de mim, metendo na minha buceta mais eu não aguentei muito, a minha buceta ardia e doía de tanta rola que eu tinha levado, pedi pra ele parar um pouco, ele aceitou mais pediu pra comer o meu cuzinho, eu disse a ele que podería ficar a vontade, como eu já estava deitada na cama, Jony, meu marido, pegou uma almofada e colocou embaixo da minha bunda, em seguida levantou minhas pernas e começou a chupar o meu cuzinho, lubrificando ele, Cris se aproximou de nós e em seguida, Jony colocou o pau do Cris na entrada do meu cuzinho e mandou ele enfiar lentamente, quando entrou a metade, Cris começou a meter, Jony ficou do meu lado, assistindo o Cris comendo meu cuzinho e batendo punheta, depois de alguns minutos, o Jony começou a chupar meus seios e isso me ascendeu novamente, eu já tinha um pau dentro do meu cú e a minha buceta mais uma vez queria mais, comecei a bater uma ciririca e a enfiar os dedos dentro da minha buceta enquanto o Cris arrombava o meu cú mais isso não foi suficiente, então resolvi ir pra cima do Jony, meu marido e encaixei seu pau na minha buceta deixando minha bundinha empinada para o Cris que não perdeu tempo, ele se pocisionou por trás de mim e enfiou seu pau novamente em meu cuzinho, logo logo estavámos fazendo uma dupla penetraçao, estava gostoso demais, um pau na minha buceta e outro no meu cú, eles metiam com vontade, a sensação de ter duas picas dentro de mim era demais, eu gritava de tezão e minutos depois nós três explodimos em um gozo alucinante, caímos os três pro lado quase desmaiados de tanto gozar. Passamos quase uma hora deitados, relaxando, depois fomos tomar banho os três juntos, dentro do banheiro ainda fiz uma chupeta no Cris enquanto tomavámos banho, seu pau não ficou duro mais ele conseguil gozar dentro da minha boca e eu fiz questão de dividir seu esperma com o Jony, meu marido, beijando sua boca e nos lambuzando com o esperma do Cris.

Depois de tudo nós nos vestimos, nos despedimos e ele foi embora. Essa foda foi uma das melhores e mais demoradas que fizemos, gozamos feito loucos, foi inesquesível. Aparti desse dia, Cris se tornou amigo do meu marido e meu amante, Jony adora me ver dando a buceta pra ele. Bom, depois de uma dessas, vamos dar um tempo para nos recuperar mais assim que acontecer a próxima nós contaremos pra vocês.

Até logo !

O leiturista da companhia elétrica - parte I

Bom dia meus amigos, tudo bém ? Somos o casal Jony e Shirley, ambos na faixa dos trinta anos, realmente casados e liberais, adoramos sexo e há doze realizamos nossas fantasias, fizemos muitas amizades e sempre que aparece uma oportunidade segura nós aproveitamos independente de estar os dois juntos ou não, eu gosto de ver ela em ação porém quando isso não é possível ela vai sozinha mesmo e depois me conta tudo em detalhes, agente senta juntos e escreve esses contos para vocês lerem e saberem como é gostoso realizar fantasias. Hoje nós dois vamos contar mais uma pra vocês.

Eu saio muito cedo para trabalhar e a Shirley, minha esposa me conta que uma vez por mês estar chegando horas atrasada no seu trabalho por causa do leiturista da companhia elétrica, no dia especificado na conta de energia ela se arruma toda para trabalhar e tem que ficar esperando o leiturista para anotar a leitura por que o medidor fica dentro da nossa casa, a minha mulher falou que o leiturista atual era um senhor de idade e que da última vez que ele veio trouxe consigo um rapaz jovem e bonito e lhe apresentou dizendo que aquele rapaz era um estagiário que lhe substituiria pois ele iría se aposentar, o tempo foi passando e todos os meses a minha mulher se arrumava toda e ficava esperando o jovem leiturista, ela me falou que com o passar do tempo eles já estavam bastantes amigos, o nome dele era Cris, que algumas vezes convidou ele para ir até a conzinha tomar um suco e comer algo, que ele não tirava o olho da sua bunda e das suas pernas e que na hora de ele ir embora os dois trocavam olhares muitos próximos, ela também me disse que ele era um rapaz bonito e gostoso e achava que ele tinha um pau enorme do jeito que ela gosta, notei logo que a minha mulher estava louca para trepar com ele por isso tratamos logo de resolver esse assunto.

Um certo dia, tomando café da manhã juntos, a Shirley, minha mulher, me contou que várias vezes fantasiou tranzando com o leiturista e me perguntou se eu aprovava a idéia pois o dia da leitura estava se aproximando, eu como sou um corno manso assumido não pensei duas vezes e disse a ela que poderia ficar a vontade. Pois bem, o dia chegou, acordamos cedinho, tomamos banho juntos e nos arrumamos, a Shirley estava ansiosa e exitada, enquanto ela se vestia eu vi várias vezes ela tocando seus seios e sua buceta, em seguida tomamos café e eu como sempre sai primeiro para trabalhar deixando ela sozinha esperando o rapaz. O próximo trecho deste relato será narrado por ela. Após meia hora que o meu marido saiu para trabalhar o leiturista chegou apertando a campanhia, eu abri a porta e mandei ele entrar, em seguida fechei a porta e nós dois caminhamos até o medidor, eu na frente e ele atrás, no trajeto ele não tirava o olho de mim, quando nos aproximamos do medidor ele começou a digitar os números da leitura em um aparelho, em seguida, eu fiquei na sua frente, de costas pra ele e pedi explicações de como funcionava aquele aparelho pois a conta de energia estava vindo muito alta, ele se posicionou por trás de mim e começou a explicar, nesse momento Cris se aproximou tão próximo de mim que pude sentir seu pau duro encostando na minha bunda, tive uma sensação gostosa e a minha buceta começou a ficar úmida, eu me virei de frente pra ele e olhei nos seus olhos, ele soltou o aparelho de leitura e me abraçou, começamos a nos beijar e a se enfregar um no outro, em seguida ele a mão por baixo da minha saía, afastou minha calcinha pro lado e enfiou um dedo na minha buceta, eu abri sua calça, coloquei seu pau pra fora e comecei a punhetar enquanto nos beijávamos, ele olhou pra mim e disse que não tinha muito tempo pois havia muitas casas pra verificar as leituras, em seguida ele me empurrou contra a parede, levantou minha saía e baixou minha calcinha, colocou seu pau na entrada da minha buceta e tentou me penetrar, eu fechei minhas pernas com o pau dele no meio delas e perguntei se ele tinha uma camisinha, ele disse que não tinha e eu também não, então eu disse a ele que sem camisinha não rolava e que eu era uma mulher precavida e casada, ele disse que não se preocupasse que ele também era casado e que mau traía sua mulher, mesmo assim eu não aceitei mais abri um pouco as pernas e ele ficou rosando seu pau na minha buceta sem penetrar até que nós gozamos juntos, o esperma dele escorria nas minhas pernas, em seguida tratamos logo de nos vestir e combinamos que da próxima vez seria bem melhor, depois que ele foi embora e eu fui trabalhar, quando retornamos para casa, eu e meu marido conversamos sobre tudo que aconteceu e ele me pediu para que na próxima vez eu tranzasse com nosso amigo ali mesmo, na sala, em um final de semana pois ele gostaria de estar presente, escondido atrás da cortina que fica por trás da estante da sala, para assistir nossa tranza, sem que o nosso amigo soubesse, ficamos combinados e os dias foram se passando até chegar o dia da próxima leitura, era uma sexta-feira, quando ele chegou não rolou sexo, apenas trocamos algumas caricías e combinamos que ele viesse no dia seguinte, no mesmo horário pois era dia de sábado e nós ficaríamos mais a vontade.

O dia de sábado amanheceu, antes do horário combinado eu tomei um banho e vesti um baby dool sem nada por baixo, a campanhia tocou e o jony, meu marido correu para detrás da cortina, eu fui abrir a porta. A parti desse momento quem passa a narrar esse conto é o Jony, meu marido, afinal esse relato é de nós dois. Pois bem, minha mulher abriu a porta e lá estava o nosso amigo Cris, moreno, devería ter uns vinte e poucos anos, estava vestido de short e camiseta, ela convidou ele para entrar e os dois sentaram no sofá, em poucos minutos eles já estavam no maior amasso, foram tirando suas roupas até ficarem completamente nus, ela se sentou no sofá de pernas abertas e ele se ajoelhou entre suas pernas e começou a chupar seus seios, foi descendo pela barriga até chegar na sua buceta onde chupou com vontade, ela se contorcia de tezão, pegava a cabeça do rapaz, pressionava contra a sua buceta e ficava se esfregando até gozar no rosto dele, ela adora fazer isso antes de receber um pau duro, em seguida, ela deu um beijo na boca dele e pediu para ele ficar de pé na sua frente, pegou o pau dele, colocou na sua boca e começou a chupar, ela estava com fome de rola, tentava engolir tudo que podia, depois chupava as bolas, passava a língua em volta da cabeça até que o pau do rapaz ficou duro feito ferro dentro da sua boca, eu assistia a tudo por trás da cortina, batendo uma deliciosa punheta, depois disso, o Cris colocou uma camisinha em seu pau e a Shirley se posicionou de quatro em cima do sofá, ele em pé mesmo foi por trás dela, encaixou seu pau na buceta dela e começou a meter lentamente até entrar tudo, depois segurou ela pela cintura e começou a enfiar ficando somente as bolas do lado de fora, a safada gemia de tezão e para me deixar mais louco ainda dizia; ..... Me come meu macho gostoso, enfia tudo, arromba minha buceta, vai , me ajuda a colocar um par de chifre naquele corno é isso que ele merece.... ela fazia de proposito, quando ouvi isso quase gozei na punheta, estava muito gostoso ouvir aquilo tudo e vê a minha mulher arreganhada de quatro em cima do sofá com aquele macho de pau duro comendo a buceta dela, depois disso, eles mudaram de posição, ele sentou no sofá e ela foi pra cima dele, sentou em cima do seu pau e começou a cavalgar subindo e descendo, ele segurava ela pela bunda e puxava contra o seu corpo fazendo entrar tudo, em seguida ele foi se levantando com ela nos braços sem tirar o pau de dentro até ficar em pé, ela estava suspensa no ar, com as mãos no pescoço dele e ele segurou ela pelas suas pernas que estava abertas, encaixada na sua cintura com o pau dele dentro, nessa pocisão ele começou a meter tudo, forte, a Shirley gritava de tezão dizendo;....

Que rola gostosa você tem Cris, me come gostoso, enfia tudo dentro de mim, arromba minha buceta, ahahahahhahh!!!!!!! em seguida, ela acabou gozando no pau dele pela primeira vez, aos berros nos braços do Cris, depois disso, ela desceu dos braços dele e caiu em cima do sofá para relaxar um pouco, deixando sua bundinha pra cima toda arribitada, Cris se aproximou dela e começou a massagear sua bunda, em poucos minutos a Shirley já estava se remexendo, querendo mais rola, nisso, o Cris foi pra cima dela e meteu na sua buceta novamente, depois de alguns minutos, eles deitaram de lado no sofá, ele levantou uma das pernas dela e ficou metendo na sua buceta por vários minutos, de onde eu estava dava pra ver o pau dele entrando e saindo da buceta da minha mulher, ele metia e chupava os seios dela ao mesmo tempo, ela gemia feito uma cadela, não demorou muito e ela gozou pela segunda vez, eles deram uma pequena pausa e ficaram agarradinhos na posição que estavam até o Cris dizer que também queria gozar, então ele pediu pra ela se sentar na ponta do sofá de pernas abertas e jogar seu corpo para trás, assim ela fez, em seguida ele se ajoelhou no chão entre as pernas dela e foi metendo seu pau devagarzinho na buceta até entrar tudo, a safada ficava parada, exasta de tanto gozar, assistindo o pau dele entrando e saindo da sua buceta, ele ficou metendo por alguns minutos até pedir para comer o cuzinho dela, ela aceitou sem nenhuma cerimônia, apenas pediu pra ele ir com calma para não machucar, o rapaz retirou seu pau da buceta dela e foi enfiando no seu cuzinho, quando entrou a metade ele começou a meter, eu me acabava na punheta assistindo tudo, depois de alguns minutos, a safada começou a rebolar no pau dele e a massagear sua buceta, batendo uma siririca, o rapaz vendo aquilo tudo começou a meter mais forte no cú dela enfiando tudo, os dois se beijavam, de vez enquanto ele chupava os seios dela e metia em seu cuzinho ao mesmo tempo, o tezão dos dois foram aumentando até ela pedir pra ele retirar o pau do seu cuzinho, colocar outra camisinha e meter na buceta dela para os dois gozarem juntos, Cris obedeceu imediatamente, trocou a camisinha, enfiou na buceta da minha mulher e começou a meter tudo, muito forte, rápido, sem parar, os dois começaram a gemer alto e acabaram gozando juntos, em seguida, Cris se vestiu, se despediu da minha mulher e foi embora, quando ele saiu, eu fui até a minha mulher e cai de língua na sua buceta chupando tudo, deixando a buceta dela bem limpinha, depois bati uma punheta e gozei nos seios dela.

Com o passar do tempo o Cris se tornou amante da minha mulher e meu amigo mais ele ainda não sabe que eu sei de tudo, quase todos os meses que vem anotar a leitura ele tranza com ela. Nós três já estamos bastantes amigos, a Shirley, minha mulher, aos poucos estar tentando convencer o Cris que eu sou um corno assumido e que gostaría de ver ele tranzando com ela na minha frente, se pintar confiança suficiente pra isso poderemos tranzar os três juntos ou poderei somente assistir os dois tranzando, batendo a minha punheta. Acho que isso não vai demorar a acontecer pois ele tem demostrado ser uma pessoa sigilosa, educado e higiênico. Quando tudo acontecer garanto que contaremos pra vocês.

Até a próxima !

Uma surpresa enorme

Anteriormente comentei sobre meu arranjo com Maria minha mulher.
Que ela poderia sempre sair para trepar com quem escolhe-se.
Talvez assim ela viesse a sentir o orgasmo que nunca sentiu.
Ela apenas tem orgasmo quando se masturba ou é masturbada.
Por suas saídas, ela tinha formado certa quantidade de “amigos” o pessoal La da praia. Que vez ou outra trepavam com ela. Eu nunca quis saber o nome de nenhum deles. O que me interessava era ela contar os detalhes. De como fora comida. Se tinha chupado antes ou depois de cara comer seu cu. Se tinham gozado na cara dela. Como era o pau do amigo que a tinha comido. Se era bom de foda. Se ela também o tinha comido. O que sempre fazia comigo. Onde eles tinham ido foder? Na praia ou no carro, ou na casa de algum deles? Como ela tinha feito para atrair sua “vitima”. Assim ela os chamava.
Ela adorava foder na praia, para sentir-se vigiada e vista pelas pessoas. Isso aumentava loucamente seu tesão.
Lembro que uma vez chupou um jovem em uma viagem de ônibus. O ônibus lotado, ela colocou um lenço sobre a sua cabeça e pronto.
Outra vez fodeu com um senhor em uma viagem de avião entre Vitoria e Rio.
Ela sempre adorou esse tipo de “perigo”. E o melhor, eu sempre estava por perto ou junto a ela.
O que eu sempre queria meu presente dado por ela. Era poder sentir suas coxas meladas de porra, o mesmo com suas calcinhas. Que ela jamais tirava para trepar. Apenas afastava de lado. Assim, não perdia nenhuma gotinha.
Afinal era o meu presente.
O meu tesao maior minha loucura mesmo era o ciúmes que sempre sentia por ela em suas saídas, e depois quando podia enfiar meu pau fundo na sua buceta todinha melada de outro macho.
Mas, ia me esquecendo do que queria contar: Em uma sexta-feira tive que trabalhar até de noite. Quando voltava para casas, sabia que iria poder ter algum presente muito especial como sempre, e ouvir seus reatos em todos os detalhes.
Chegando em casa, abro a porta e percebi que havia alguém mais em casas. Fui a nosso quarto e lá estava ela com mais cinco jovens. Todos pelados, ela apenas de calcinha. Uma calcinha minúscula de seda negra. Que eu havia comprado há poucos dias para ela.
Eles não se importaram com minha chegada. Ela estava sendo comida em dupla penetração, e tinha um caralho fundo em sua boca.
Afastando por um minuto sua boca, disse: Meu amorzinho senta um pouco ai que estamos quase no fim. Passamos a tarde toda fodendo e eles têm que se mandar. Eu tenho um presentão para você. E quero te contar como foi maravilhoso ser comida por eles todos.
Hoje bati meu recorde.
Dito isso volto ao que estava fazendo, e logo depois o rapaz com grande gemido gozou na cara dela.
Passando as mãos sobre o rosto, recolheu a porra ali depositada e passou pelos seus seios maravilhosos.
E assim de forma gentil e brincalhona disse. Meninos, vistam-se e vão dando o fora. A gente se encontra outra hora. La no Triangulo. Não e não esquecer: trazer mais alguns amigos junto. Quero aumentar meu recorde.
E assim eles fizeram.
Foram saindo, todos felizes e dando beijinhos.
Ela, novamente deitou-se na cama e com aquele sorriso maroto e delicioso me disse:
Vem meu amorzinho, poe tua mao aqui, sente como estou toda melada.
Sente minhas calcinhas elas estão encharcadas de tanta porra.
Agora você vai fazer o que sabe fazer bem direitinho: me limpar todinha com tua língua gostosa.
Vou sentar em tua boca e te comer bem fundo e gostoso.

Biscate69@aol.com

Fantasias de um corno viadinho

Eu sou um cara que fantasia demais. Adoro fantasiar criando estorinhas e bater gloriosas punhetas pensando nelas. Adoro bater punhetas, bato várias ao dia. Tenho muito tesão e me considero insaciável, muito tarado e safado entre quatro paredes. Sou do tipo topa tudo, exceto violência. Amo dar a bundinha e mamar gulosamente num pau grande e grosso. Sou bissexual desde meus 25 aninhos, logo após ter casado. Casei e comecei a gostar de rola. Hoje, após alguns anos, sou louco por elas. Não posso ver uma rola dura que fico babando nela. Confesso que já tive algumas transas com machos. Já cheguei até mesmo a transar com dois de uma só vez, onde guardo com muito tesão, pois afinal, dar a bundinha e mamar gostoso ao mesmo tempo não é pra qualquer um.  Como disse, adoro fantasiar, criando estorinhas onde faço de tudo que tenho vontade. Uma das minhas taras e fantasias é a de ser corno viadinho dela. Imagino tantas coisas assim que já amanheço de pau duro olhando a minha esposa seminua e batendo punheta pensando nela com outros machos. Vou narrar a seguir como gostaria de me tornar corno viadinho dela, obviamente, isto não passa de uma fantasia, pois sei que ela não toparia nunca tal coisa, até porque, nem sonha que gosto de homens, mas, porém, eu faria tudinho se ela topasse. Não deixem de ler, principalmente os corninhos e maridos que gostam de rola, pois garanto, vai dar muito tesão..............rsrsrsssssssssss.

Depois de três anos de casado, comecei a comprar revistas eróticas do tipo classificados eróticos para apreciar as fantasias das pessoas. Sempre me prendi muito a esse tipo de fantasia, pois assim, sabemos o que as pessoas sentem em relação ao sexo. Não era diferente de mim com certeza. Sempre folheava as revistas na hora do banho, até que um dia cheguei em casa e peguei minha mulher no banheiro folheando as revistas. Ao ver-me, deu um sorriso safado e perguntou o que eram aquelas revistas. Antes de me explicar ela disse que adorou ler tanta fantasia que parecia estar toda molhada. Fiquei louco de tesão, pegando-a e levando-a para cama onde transamos gostoso em seguida. Depois da transa, ela me disse que pode continuar a comprar tais revistas que gostaria de ver mais. E assim eu fiz, toda semana chegava com uma nova. Nossas transas ficaram mais intensas, sempre imaginando-nos realizando todas aquelas fantasias. Minha mulher ficou mais liberal e, em dado momento, nas nossas transas, ela começou a fazer carinhos na minha bundinha dizendo que tinha vontade de lamber meu cuzinho.  Achei maravilhoso pois além de já gostar de rola (ela nem sonhava com isso), seria um presente pra eu ficar de quatro e ser lambido por ela. Fiquei muito feliz e disse a ela que faria qualquer coisa por ela, pois a amava demais e que faria com muito tesão ela realizar todas as fantasias que ela tem vontade. Seus olhos brilharam mais uma vez e pediu então para eu ficar de quatro pra ela. Assim eu fiz, me arreganhei todo pra ela e então começou a brincar com minha bundinha, passando a mão, a lingua e o dedinho no cuzinho. Foi lambendo devagarinho me arrancando suspiros e gemidos. Percebia que seu tesão aumentava pois a força com que exercia sua língua também aumentava. Suas mãos me apertavam com mais força a bunda e então ela começou a dar-me tapas na bundinha, perguntando se o maridinho estava gostando. Eu disse que sim, que estava adorando. Então ela começou a enfiar dedos e mais dedos, até me fazer gozar gostoso. Depois da transa, ficamos horas conversando sobre fantasias e acabei soltando que tinha tesão por cacetes. Ela levou um susto e perguntou se já havia transado com homens. Disse que não, mas que tenho vontade. Decidimos então comprar um consolo pra ela me foder quando quisesse. Minha mulher pegou tanto gosto pela coisa que me fodia todos os dias, dando-me tapas na bundinha, me chamando de viadinho, putinha e que eu ainda vou virar o corno dela. Ela fazia-me gozar e levava minha porra na minha boca, dizendo que eu tinha que provar da minha porra, pois todo viadinho gosta de leite. Disse também que era pra eu usar calcinhas, pois não gostaria de comer um cu de macho e sim, de um macho putinha, que adorava rola e de ser a menininha dela. Comecei então a usar suas calcinhas e suas roupinhas. Depois de algum tempo, até dormia de calcinha fio dental e camisolinha ou baby doll. Passei a amar essa situação. Comecei a me sentir mais fêmea e gostar mais ainda de levar vara. Ela parecia ter encontrado a “amiga dos seus sonhos”. Agora eu virei sua “amiguinha lésbica”, pois além de me fazer usar suas roupinhas, agora até me maquiava pra transar com ela. Numa dessas transas, eu disse a ela que deveria arrumar machos pra foderem a gente. Ela concordou de imediato, pois disse que iria adorar eu gemer nos braços de um macho, fazendo de tudo com ele como se fosse sua namoradinha. Eu disse a ela que também queria ser corno. Queria muito ver ela nos braços de outro, trepando gostoso e sendo a namoradinha dele. Ficamos loucos de tesão pelas declarações e trepamos feitos animais. Passamos os próximos dias a procurar um macho que realizassem nossas fantasias. Estávamos todos os dias na net batendo papo e nada de arrumar alguém especial que me desvirginasse o rabo e comece minha puta na minha frente. Dias depois, arrumamos um macho, aproximadamente com seus 40 anos, corpo atlético, espirito jovial, com tudo em cima, boa pinta, educado e acima de tudo, muito tarado e safado com casais, pois disse-nos que  já tinha experiências com casais bi, onde já havia saído com alguns. Fiquei animado pois era o que eu queria, um homem que estivesse não somente querendo comer uma xoxota com o marido do lado, mas sim, uma xoxota com o cu e a boca do marido juntos. Disse que adora os maridos junto de suas esposas, principalmente os mais viadinhos, que trepam sem pudor na frente dela. Já estávamos convencidos que era ele e então marcamos de nos encontrar. Marcamos na manhã de sábado próximo em um bar/restaurante de Brasília. Chegamos na hora marcada e ficamos aguardando ele em um cantinho mais reservado, tomando um chopinho. Quando ele chegou, pelas características, rimos de felicidade, pois parecia ser melhor que imaginávamos. Ele se aproximou, apresentou-se e convidamos-lhe para se sentar conosco. Depois de muito chope, conversas variadas e muita descontração, começamos a falar de nossas fantasias. Dissemos tudo: quando começou, como começou, o que queremos, como gostaríamos etc.  Nossas calcinhas já estavam molhadas (eu estava de calcinha), pois estávamos nos deliciando com aquele homem gostoso à nossa frente. Decidimos então sair dali e procurar um motel para passarmos a tarde juntos. Fomos então. Minha esposa foi no banco de traz com o Claudio, beijando-o na boca e massageando seu pau. Tirou pra fora e deu um grito:

- Amor, olha que cacete maravilhoso que nós duas vamos apreciar!!! Virei-me e pude perceber que pessoalmente era melhor que na fotografia que havia mostrado. Nossa que pau delicioso. Era grande, grosso, reto, liso e cabeçona vermelha. Claudio era um moreno muito bonito. Minha mulher caiu de boca naquela vara e tirava suspiros de Claudio, olhando para eu dizendo que estava adorando ser chupado pela minha puta e que queria ver minha boca gulosa nele também. Acelerei pra chegarmos logo no motel. Descemos do carro e corremos para o quarto. Lá, minha mulher deu um longo beijo na boca de Claudio, quando ao mesmo tempo ele esfregava seu corpo no dela. Ela tirou a roupa toda de Claudio enquanto eu tirava a minha. Ficamos os dois pelados e minha mulher de joelhos mamando no Claudio. Ela então me pediu para juntar ao Claudio para mamar as duas de uma vez. Posicionei-me do lado de Claudio e minha mulher ora mamava em uma ora mamava em outra. Claudio me abraçou e alisou minha bundinha. Me arrepiei todinha, pois era o primeiro homem que passava a mão em minha bunda. Olhei em seus olhos e fui surpreendido por um beijo que me deixou sem folego. Minha mulher até parou de chupar o Claudio. Disse que não acreditava ter me visto beijando na boca de outro homem. Pediu novamente que fizéssemos pois havia adorado ver o macho dela beijando na boca de outro. Entreguei-me então ao Claudio por completo. Olhamos olho no olho e ele beijou-me como nunca havia beijado alguém. Beijou-me loucamente, passando as mãos sob minhas costas, bunda, nuca, apertando-me contra seu peito, sugando minha língua e mordendo meus lábios. Acordamos do transe ouvindo minha mulher batendo palmas e me chamando de corninho viadinho.
- Que delícia meu corninho, isso, quero ver você como uma menina minha putinha safada. Meu viadinho, te amo meu amor. Você é o macho que eu amo e ao mesmo tempo a minha menina que adoro!!! Continua amor!!
Dei um lindo sorriso pra ela e voltei a chupar a língua de Claudio. Que homem gostoso. Estava me tirando o fôlego antes mesmo de começar. Nisso minha mulher já estava tirando a roupa e me chamando pra provar a rola do nosso macho. Abaixei-me então e pude segurar, cheirar, beijar, lamber e chupar minha primeira rola de verdade. Minha mulher deixou-me mamar por uns instantes sozinho, até reclamar que estava ali de joelhos juntamente comigo para mamarmos juntas naquela rola e não eu sozinha. Ri e passei o pau pra ela. Começamos a revezar naquela pica gostosa. Ora ela chupava as bolas e eu a glande, ora eu chupava as bolas e virilha e ela a glande. Nosso macho puxou minha esposa e eu pelos braços e colocou-nos de quatro na cama. Pediu que ficássemos com nossas caras no colchão e assim fizemos. Ficamos com a bunda empinada e ele enfiou sua cara na bunda da minha mulher, chupando ao mesmo tempo seu cú e sua xoxota, ao passo que alisava a minha bundinha tb.
- Hummmmmmmm............Adoro xoxota molhada!!!   Disse ele.
- Soca sua língua no meu cú seu tarado. Quero dar meu rabo pra vc seu puto!!  Disse ela.

Estava ansioso aguardando minha vez de levar uma língua no cú, até que ele largou o dela e veio para o meu. Arrepiei-me todinho quando ele encostou sua língua no meu buraquinho. Que delícia levar uma língua no cú. Só quem já teve tal experiência é que pode narrar isso. É DEMAIS. Ele socava com força sua língua no meu cú, parecendo querer abri-lo com ela. Dava tapas ao mesmo tempo, chamando-o de viadinho, putinha, cadelinha, safadinha. Minha mulher estava nos olhando apreciando aquela situação. Revirava os olhinhos, minha boca secava, meu pau estava duríssimo e queria que ele ficasse ali por horas. Minha mulher perguntou se estava gostando.........disse que não tinha palavras para descrever tudo aquilo. Disse que eu a amava demais e que somente uma mulher como ela pra entender os desejos de um marido. Ela riu e disse que merecia muito mais. Nosso macho então resolveu comer a xoxota dela. Enfiou todo seu pau nela e pediu para que eu ficasse por baixo, tipo 69. Enquanto ele comia a buceta dela, eu lambia sua xoxota e ao mesmo tempo o saco dele. De repente ele tirou o pau da xoxota dela e enfiou na minha boca. Que delícia poder provar a xoxota da minha mulher naquele pau. Minha mulher até virou pra traz pra ver a cara dele. Eu gemia de tesão e felicidade. Ele fez várias vezes isso, até não aguentar mais e gozar na buceta dela. Encheu sua boceta de porra ao mesmo tempo que fazia ela gritar de tesão, pois estava gozando. Quando tirou o cacete, enfiou na minha boca pra limpar e depois falou pra limpar a buceta da minha puta. Falou em tom arrogante................ “limpa tudo viado”!!!! Corno!!!...........................hummmmmmmmmmmmmm......pela primeira vez ouvia aquilo e me tremia todo de tesão.. Adorei ser corneado por um homem como aquele. Cai de boca na sua vara gostosamente limpando toda porra que nela estava e depois cai de boca na xoxota da minha mulher limpando e sugando toda porra grudada nela. Hummmmmmmmmmmmmmm...................delícia............Estava tão bom que minha puta gozou novamente. Só quem gosta de porra que sabe como é bom ser submisso nessas horas. Enquanto sugava a porra na buceta da minha mulher, nosso macho foi ao banheiro pra banhar-se. Depois foi minha mulher e eu aguardava meu macho de quatro na cama, pois sabia que agora ele iria querer meu cú. Ele voltou e sem falar nada, enfiou sua cara no meio do meu rabo. Disse que eu era uma delícia de viadinho e que iria me comer muito gostoso. Ao ouvir aquilo, rebolei como uma menina. Ele sugava meu botãozinho e dava tapas na minha bundinha me fazendo suspirar de tesão. Depois de enfiar três dedos no meu cú, disse que iria me arrombar. Hummmmmmm.............ao encostar sua cabeça na portinha do meu cú fiquei apreciava pois somente havia dado a bundinha pra minha mulher, agora estava com um macho de verdade. Mas Claudio foi lindo demais, pois fez questão de fazer com muito carinho, colocando e tirando devagarinho do meu rabo, ao mesmo tempo que lambia minha nuca, chupava minha orelha e tentava beijar minha boca. Eu com aquele peso todo em cima de mim, suado, gemendo muito, estava delirando de prazer. Minha mulher vendo aquela putaria, enfiou debaixo do meu corpo e começou a fazer um 69 comigo. Nosso macho comia meu cú e ela mamava no meu pau. Não aguentei muito tempo assim, gozei loucamente na boca da minha mulher. Ela saiu debaixo de mim e veio me beijar com minha porra na boca. Delícia beijar na boca de outra pessoa meladinha de porra. Minha mulher me beijou e disse a Claudio que agora era a vez dela levar no cu. Claudio então tirou do meu rabo e enfiou na boca da minha mulher dizendo que ela deveria provar o cu do maridinho primeiro pra depois levar vara no rabo. Ela então mamou no pau de Claudio, provando do meu rabo e depois me beijou novamente pra sentir o gosto  de cú na sua boca. Ela ficou de quatro então e Claudio enfiou a rola no seu cu. A puta gemia de prazer. Claudio resolveu fazer comigo o que fez com ela. Tirava o pau do cú dela e mandava-me mamar pra provar o doce gosto de seu cú. Fiz isso varias vezes até ele não aguentar a socar seu caralho no rabo da vadia e pediu então que nos duas ficássemos de joelhos para beber da sua porra. As duas putas sedentas por leite quente ajoelharam-se no chão e Claudio começou a jorrar leite em nossas caras e bocas. Quanta porra Claudio jorrou em nossas bocas. Ao terminar, ele socou sua vara na boca de minha esposa e depois na minha.

Olhamos nos olhos uma da outra e nos beijamos loucamente, felizes e realizadas por ter dado pra um macho tão gostoso, tarado e safado como o Claudio. Depois fomos os três para banheira e lá, mamamos novamente o Claudio, fazendo-o gozar mais uma vez, porém, desta vez, minha mulher disse que queria ver eu  tomando toda sua porra sozinho. Assim eu fiz, Claudio segurou meu queixo na hora de gozar e socou sua rola dentro da minha boca, fazendo-me quase engasgar com sua porra. Mas engoli tudinho, saboreando cada gota e depois continuei chupando, até amolecer na minha boca. Depois desta putaria, fomos para casa, porém, sem antes combinar com Claudio quando treparíamos novamente. Claudio disse ter ficado lisonjeado em poder foder um casal tão gostoso e safado como nós, deixando claro que de agora em diante, seríamos dele pra sempre, aonde iria foder sempre as duas putinhas. A partir desse dia, ter o Claudio em casa virou rotina. Chegava do trabalho em casa e Claudio estava lá comendo minha mulher. Às vezes ia lá em casa, estava apenas eu mas o pau comia do mesmo jeito. Para Claudio, tanto eu quanto minha mulher deixava-o satisfeito em gozar, afinal, éramos duas putinhas loucas por rola. Claudio por diversas vezes dormiu em nossa cama e por várias vezes, me comeu fora de casa. Quase apaixonei por ele e, foi quando percebi que deveríamos procurar outros machos, inclusive um para ela e outro para mim. Deveríamos ter nossos machos separados para poder sair e foder sempre com eles onde quiséssemos. Minha mulher concordou e a partir dai, começamos a levar outros machos pra casa. Eu tinha meu namorado e ela tinha o dela. Era uma delícia chegar em casa e pegar minha mulher dando na nossa cama pra outros. Por muitas vezes, tanto eu quanto ela, quando estávamos dando a bundinha, o convite era aberto pra participar, mas algumas vezes, queríamos ficar com nossos machos sozinhas, sem dividir uma com a outra. Tornei-me a melhor amiga de minha mulher. Sempre usando suas roupinhas na intimidade. Sempre trocando experiências com nossos machos e adorando tudo aquilo que fazíamos. Éramos confidentes uma da outra e sempre andávamos nas ruas nos oferecendo e insinuando para os machos.
Pessoal, para quem gostou, poderá ser continuado este conto com novas e gostosas putarias. Para quem não gostou, lamento, pois não deve fazer parte de suas fantasias. 

Escrevam comentando, vou adorar ouvir de vocês. Vou adorar trocar e-mail´s com estórias parecidas e/ou diferentes, porém, com muito tesão.

Sou um cara muito tarado e safado, boa pinta, quarentão, moro no DF e gostaria muito de fazer amizades e sexo real com pessoas idôneas, sexualmente taradas e safadas como eu, discretas, boa aparência e honestas. Se for de seu interesse, entre em contato e vamos nos tornar amigos. Sonho ter uma amiga CD.

Beijos.

Mikaela40df@hotmail.com

 

Marido corno arruma negão dotado para sua esposa

Bom dia ! Acho que vocês já conhecem agente, somos o casal Jony e Shirley, ambos na faixa dos trinta anos, somos realmente casados há 14 anos, nosso relacionamento é aberto e liberal, namoramos cinco anos antes de casar e desde dessa época que gostamos muito de sexo, a curiosidade de ambos despertou novos desejos e fantasias que só começaram a ser realizadas no ínicio do nosso casamos há 14 anos atrás, de lá prar cá não paramos mais, conhecemos várias pessoas, selecionamos alguns amigos e realizamos muitas fantasias, algumas dessas pessoas fizeram parte das nossas fantasias em apenas um momento depois perdemos contato, outras fazem parte das nossas amizades e estamos sempre juntos realizando as nossas fantasias, nesse grupo de amigos confiavéis, sigilosos e seguros inclui um casal que sempre praticamos swing/menage e alguns amigos amantes da minha mulher, alguns já são íntimos da gente e tranzam com ela na minha frente pois eu adoro ver ela com outro, outros poucos saem com ela sozinha e pensam que eu não sei de nada mas ela me conta tudo até mesmo antes de sair com alguém, tudo é conversado e combinado, sempre que temos uma oportunidade segura estamos realizando fantasias, depois agente senta, conversa e escreve esses relatos pra vocês detalhando as nossas aventuras com nossos amigos, gostamos muito de fazer isso com bastante sigilo e segurança para não expor demais as pessoas. O fato que eu vou contar agora aconteceu recentemente com um amigo nosso e meu companheiro de trabalho. Sou representante comercial de uma empressa há dez anos e há cerca de um ano conheci o Luiz, gente finissima, casado, educado, moreno forte, 25 anos, na empressa, os nossos companheiros chamavam ele de kid bengala pois o luiz tem um pau extremamente grande e grosso.

Logo depois, Luiz foi designado para trabalhar e viajar comigo até para outros estados, devido a quantidade de tempo que passavámos juntos fomos ficando bastante amigos, conversavámos sobre muitos assuntos inclusive sexo e putarias, Luiz demostrava ser uma pessoa intelectual e sigiloso, depois de aproximadamente uns seis meses nós já falavámos de fantasias abertamente entre nós dois, um certo dia eu perguntei ao Luiz qual era a fantasia dele e ele me disse que tinha vontade de realizar várias fantasias e me surpreendeu dizendo que gostaría de experimentar com um casal ou duas mulheres juntas com o máximo de sigilo pois ele não queria e não permitiria que sua esposa participasse ou soubesse de tudo, no momento eu não quis entrar em detalhes mais não perdi a chance de ter a confiança do amigo, então eu disse a ele que os meus gostos eram parecidos com os dele e perguntei se ele topava realizar alguma fantasias juntamente comigo e outra pessoa, ele me respondeu que dependendo do que fosse, o estatus da nossa amizade e confiança já permitiria realizar algo preservando o sigilo e a segurança, era tudo que eu queria ouvir, depois disso, eu disse a ele que fária alguns contatos e planejaria algo e quando tudo estivesse certo eu o avisaria.

Depois dessa conversa o tempo foi passando, um certo dia eu estava na minha casa juntamente com a Shirley, minha esposa e falei sobre o meu companheiro de trabalho e amigo Luiz, disse a ela que ele era um cara legal, estrovertido, que na empressa entre os amigos próximos, o pessoal chamava ele de kid bengala devido ao tamanho e a grossura do seu pau, depois disso, eu notei que a Shirley ficou toda enteressada no meu amigo, perguntou como era ele, se ele era uma pessoa boa e se realmente ele tinha um pau tão grande e grosso como o pessoal falava, eu disse a ela que as poucas vezes que vi ele fazendo xixi dava pra notar que mesmo seu pau estando mole era bastante grande e grosso, em seguida, a Shirley, minha mulher ficou toda assanhada e me perguntou se ela podería conhecer o Luiz, eu disse a ela que sim, imediatamente peguei meu celular e liguei para o Luiz, convidei ele para jantar conosco em nossa casa naquela noite e ele aceitou, como já era quase dessete horas, a Shirley tratou logo de providenciar o jantar e depois se arrumou toda, vestiu um vestidinho curto colado na pele, provocante mesmo, se maquiou toda, enfim estava muito bonita e atraente. Próximo dás vinte horas o Luiz chegou, elegante vestindo roupas sociais, mandei ele entrar e em seguida apresentei ele a Shirley, os dois se comprimentaram e nós fomos para a sala de estar, abrimos uma garrafa de vinho e ficamos bebendo e conversando um pouco, a Shirley, minha mulher, não tirava o olho da cintura do Luiz, deveria ser pela curiosidade dos comentários a respeito do pau dele e o Luiz não começou a olhar para as pernas e a bunda da Shirley pois seu vestido estava bastante provocante, de vez enquanto eu saía da sala e deixava os dois a sós, ficava escondinho olhando os dois e pude notar que a cada saída que eu dava os dois ficavam mais íntimos na conversa e a troca de olhares começava a ficar mais intensa, como eu ainda não havia conversado nada com o Luiz achei melhor interromper o clima dos dois e dar inicio ao jantar, depois de tudo, o Luiz agradeceu pelo jantar e disse que já iría embora, eu me despedi dele na sala mesmo e pedi a Shirley, minha mulher, para acompanhar nosso amigo até a porta, em seguida fui para o meu quarto, segundos depois a Shirley entrou no quarto e foi logo me dizendo que o Luiz era muito bonito e gostoso, que na hora de ele ir embora lhe deu um abraço forte e apertado deixando sua buceta toda molhada pois ela sentiu o volume do pau dele quando encostou no seu corpo, vi logo que a minha mulher estava louca para tranzar com o nosso amigo e acho que ele percebeu isso, então pensei comigo mesmo, é hora de providenciar tudo.

No outro dia nos encontramos na empressa, eu e o Luiz, perguntei se ele havia gostado do jantar e ele respondeu sim, que gostou muito principalmente da minha esposa que era um pessoa gentil e bonita, eu apenas sorri e entramos para a sala do nosso supervisor, depois de uma pequena reunião com todos os representantes, nosso supervisor determinou que eu e o Luiz viajassemos até o estado vizinho em visita a alguns clientes nossos para apresentar uns produtos novos que acabara de chegar no mercado, não hávia o que fazer, passamos em nossas casas, pegamos nossa bagagem, abastecemos o carro e ligamos para as nossas esposas avisando da tal viagem que duraría em torno de vinte dias, a Shirley, minha mulher, foi logo dizendo no telefone que estava louca de tezão pelo Luiz, que não parava de pensar no pau dele, que sempre foi louca por paus extra-grande e grosso e nunca teve um, que estava doida para dar pra ele e que se eu não desse um jeito ela mesma daría pois estava anciosa demais para conhecer o pau do Luiz, eu disse a ela que ficasse calma e que durante esses vinte dias que eu iría passar fora, ela não me traísse pois eu iría fazer de tudo pra ver ela com todo tezão em cima do meu amigo pauzudo quando nós voltassemos,ela concordou e se despediu de mim, depois disso, eu e o Luiz embarcamos no carro e fomos trabalhar, durante toda a viagem o Luiz elogiava demais a minha mulher e depois disso, o assunto entre eu e o Luiz era somente sexo e fantasias até que chegou ao ponto da gente se abrir um pro outro, ele me disse abertamente que sua maior fantasia era tranzar com uma mulher casada na frente do seu marido mais que nunca havia achado um casal para realizar tal fantasia, depois de ouvir isso, eu fiquei um pouco calado mais meu pau começou a ficar duro, fiquei exitado na hora e abri o jogo para o meu amigo, eu disse a ele que a minha fantasia era ver minha mulher tranzando com outro, que eu sentia prazer em ver ela dando a buceta na minha frente, que eu e a Shirley já haviámos realizado essa fantasias algumas vezes mais que no momento estava faltando uma pessoa de confiança para fazer de novo, que nós nos amavámos e queríamos apenas prazer e realizar as nossas fantasia sem interesse algum, com total sigilo e segurança, depois de ouvir isso, Luiz ficou todo empolgado e disse que se eu permitisse e confiasse ele me ajudaría a realizar minha fantasia com total sigilo e respeito, depois disso, eu e o Luiz firmamos um acordo e combinamos que assim que chegassemos a nossa cidade realizaríamos a nossa fantasia.

No final da viagem eu liguei para a Shirley, minha mulher e disse a ela que já havia conversado com o Luiz e que estava tudo certo, que eu chegaria no dia seguinte e realizaríamos a nossa fantasia, a Shirley me disse que não via a hora da gente chegar, que durante esses vinte dias que eu estava fora ela não dormia direito pensando no pau do Luiz, que estava louca de tezão e que queria gozar muitas vezes no pau dele. Pois bém, no dia seguinte agente chegou, era um dia de sábado de manhã, umas sete e trinta, Luiz não avisou a sua mulher que havia chegado e foi direto para a minha casa junto comigo, chegando em minha casa fomos recebido pela a Shirley, minha esposa e pela minha sogra que estava de visita em minha casa durante o tempo que passei fora, nos comprimentamos, lanchemos e depois eu fui pro meu quarto juntamente com a minha mulher, lá ela me disse que a sua mãe iría ficar na nossa casa até ás treze horas quando ela pegaría o ônibus de volta para casa, a Shirley também me disse que ela não aguentava mais de tanto tezão e me perguntou se nós iríamos esperar sua mãe ir embora, eu disse a ela que não, que eu também estava com tezão, então pedi pra ela se ajeitar e dizer a sua mãe que eu, ela e o Luiz iríamos sair para fazer umas compras e já retornaría, depois de tudo feito, entramos no nosso carro e fomos direto para um motel, chegando lá escolhemos uma suíte e entramos, a Shirley foi pro banheiro tomar banho, Luiz retirou sua roupa e se sentou dentro da banheira da hidro, a Shirley terminou o banho e foi pro quarto se vestir e eu fui tomar banho, quando voltei a Shirley, minha mulher, estava sentada ao lado da banheira, vestida em uma saia curta e um top e olhando pro pau do Luiz que se masturbava lentamente, na verdade, o pau dele era extremamente grande e grosso e parecia mesmo com o kid bengala, devería ter mais de vinte centimetros, em seguida, eu retirei minha toalha e me sentei em uma cadeira enfrente aos dois, em seguida, o Luiz se levantou, ficou em pé na borda da banheira e ofereceu seu pau para a Shirley chupar, ela não perdeu tempo e segurou nas pernas dele, depois abriu sua boca ao máximo e tentou engolir aquele pau enorme, não conseguindo, ela segurou o pau dele pela base e ficou chupando somente a cabeça do pau que era enorme, parecia uma laranja, eu peguei meu pau e comecei a bater uma punheta assistindo ela chupar o pau dele, ela babava o pau dele inteiro lubrificando-o e depois tentava engolir o máximo que podia, a Shirley estava exitada só em ter aquele pau enorme na sua mão e na sua boca, de vez enquanto ela parava de chupar e ficava admirando aquele monumento de rola, depois passava a língua em volta da cabeça, batia em seu rosto, lambia igual a um sorvete e depois esticava toda a sua boca já conseguindo engolir um pouco mais profundo, ela estava encantada e descontrolada chupando um pau daquele tamanho, várias vezes ela se engasgava tentando engolir mais fundo, depois punhetava um pouco, olhava pra mim e me provocava dizendo;....Olha amor, o pau dele é do jeito que eu sempre sonhei, enorme, grande e grosso, ahahahah... Isso é que é um pau de verdade, vou chupar inteirinho e depois quero ele todinho dentro de mim,......

A Shirley estava amando chupar aquele pau que depois de vários minutos já estava grande e duro, pronto para entrar na buceta da minha mulher que já pedia pra que ele fizesse isso, descontrolada e gemendo, ela colocava o pau dele entre seus seio, chupava as bolas, cuspia o pau dele inteiro e implorava para ser penetrada por aquele pau enorme, em seguida, ele pegou na mão dela e ficaralm de pé um na frente do outro, se agarraram e começaram a se beijar, depois se deitaram em cima da cama, ele de lado por cima dela e continuaram a se beijar, ela não parava de punhetar o pau dele enquanto se beijava, eu já estava começando a ficar com ciúmes mais o tezão falou mais alto e continuei a bater minha punheta, em seguida, ele retirou a roupa dela e começou a chupar seus seios com vontade, parecia um bezerro desnutrido, depois, ele abriu as pernas dela e caíu de boca na sua buceta, a cada chupada que ele dava a Shirley se tremia toda, gemendo forte, se esfregando na cara dele e pedindo pra ele enfiar logo aquele pau dentro da buceta dela, ela já estava deitada de pernas abertas em cima da cama quando ele parou de chupar sua buceta e foi imediatamente pra cima dela, colocou seu pau na entrada da buceta dela e foi enfiando devagarinho até entrar tudo, depois começou a meter, a Shirley delirava com aquele pauzão entrando e saíndo de dentro dela, de onde eu estava dava pra ver que a buceta dela estava toda esticada e preenchida com aquele pau enorme, ela se segurava nos braços dele, olhava pra nós e nos provocava falando putarias para estimular mais o nosso tezão, a safada gemia alto dizendo;.....

Que pau gostoso você tem Luiz, ahahahahahah, Enfia tudo dentro de mim, ahahahahahah, Arromba minha buceta na frente desse corno, ahahahahaha, Me come gostoso vai , ahahahhahahah Seu pau é uma delícia, aahahahaha, Quase que eu gozo ouvindo isso, estava muito gostoso ver a minha mulher de pernas abertas em cima da cama com um macho de pau grande comendo sua buceta, depois , ele levantou a perna dela de lado pra que eu pudesse ver que o pau dele já entrava quase todo dentro da buceta dela, a Shirley revirava os olhos e gemia feito uma cadela, eu me acabava na punheta vendo aquilo tudo, depois disso, ele se deitou na cama e ela se deitou em cima dele, de pernas abertas e de costas pra ele, em seguida sentou com a sua buceta em cima daquele pau grande e foi deslizando em cima dele até entrar tudo, depois começou a pular naquele pau por alguns minutos, em seguida, ela enverteu a posição e continuou em cima dele, só que dessa vez de frente pra ele, com as mãos sobre seu peito e cavalgango em cima dele, ela subia e descia com vontade, ele segurava o corpo dela e forsava contra seu pau fazendo entrar tudo, eu via o pau dele sumindo dentro da buceta dela, a Shirley gemia e pedia pra ele não parar de meter pois ela estava adorando o pau dele, era uma loucura, depois disso, a Shirley não aguentou mais e acabou gozando pela primeira vez no pau dele, depois disso, eles deram uma pausa e resolveram mudar de posição, a Shirley ficou de quatro em cima da cama e ele foi por tras dela, colocou seu pau na buceta dela novamente, segurou ela pelos cabelos e começou a meter, a safada de quatro empinava a bunda, olhava para tras e dizia pro Luiz;...

Mete na minha buceta, ahahaha Me come meu macho gostoso, mostra pra esse corno como é que come uma buceta de verdade, Vai ahhahaa, Luiz gostava de ouvir isso, ele puxava os cabelos dela e enfiava tudo, depois de vários minutos nessa, a Shirley gozou outra vez no pau dele, em seguida deram outra pequena pausa e resolveram reeiniciar a tranza experimentando uma cadeira erótica que tinha dentro da suíte, enquanto Luiz foi no banheiro, a Shirley minha mulher, se sentou de pernas abertas em cima da cadeira erótica, naquela posição parecia uma mulher que iría ganhar bêbê em um parto pois as pernas e a buceta dela ficou toda aberta e arreganhada, eu aproveitei esse momento, me ajoelhei entre suas pernas e comecei a chupar sua buceta que estava uma delícia, a Shirley estava gostando da minha chupada e comecou a se exitar novamente esfregando sua buceta na minha cara, Luiz retornou e deu seu pau pra ela chupar um pouco, depois ele me pediu para voltar pro meu lugar que ele iría meter na Shirley novamente, assim feito, Luiz se a proximou da cadeira e ficou em pé entre as pernas da minha mulher, pegou seu pau, enfiou na buceta dela novamente e começo a meter, eu voltei a bater minha punheta, a cadeira erótica proporcionava uma visão privilegiada, ambos poderíam ver o pau entrando e saíndo de dentro da buceta, eles tranzavam e ao mesmo tempo assistia a tudo, era uma delícia, a buceta da minha mulher estava toda arrombada e ela estava exausta de tanto gozar, depois de vários minutos nessa, a Shirley já dava sinais que não estava mais aguentando aquele pau enorme dentro da sua buceta, ele percebendo isso, retirou seu pau da buceta dela e tentou enfiar no seu cuzinho, ela não aguentou também, o pau dele era muito grande e grosso, mesmo assim ela relaxou um pouco e ele conseguiu enfiar um pouco da cabeça do pau no cuzinho dela e ficou metendo devagarinho, eu resolvi entrar em cena e ajudar, então me aproximei dela, comecei a chupar seus seios e a acariciar sua buceta enquanto o Luiz tentava comer o cuzinho dela, em poucos minutos a Shirley foi se ascendendo novamente, ela mesma começou a tocar sua buceta e de vez enquanto enfiava os seus dedos dentro dela, gemendo baixinho, eu me afastei um pouco e vi que a cabeça do pau do Luiz já entrava toda dentro do cuzinho da minha mulher, depois de vários minutos metendo somente a cabeça do pau no cuzinho dela, Luiz começou a gemer forte dizendo que iría gozar, não demorou muito e o Luiz retirou seu pau do cuzinho da Shirley e gozou em cima da sua buceta inundando tudo de esperma, em seguida, a Shirley começou a espalhar o esperma dele acariciando sua buceta e acabou gozando outra vez batendo uma siririca.

Depois de gozarem bastante, os dois estavam exaustos, o Luiz foi pro banheiro tomar banho e a Shirley, minha mulher, desceu da cadeira e se deitou em cima da cama quase desmaiada, eu aproveitei o momento, abri as pernas da minha mulher e chupei sua buceta todinha cheia de esperma deixando ela bém limpinha, depois coloquei meu pau próximo da sua boca e fiz ela chupar um pouquinho até gozar na sua boca, a safada engoliu tudo, até a última gota. Depois foi a nossa vez de tomar banho e se vestir, em seguida pagamos a conta, pegamos nosso carro e fomos direto para casa. Aparti desse dia, Luiz também se tornou amante da minha mulher e de vez enquanto tranza com ela na minha frente. Foi uma tranza gostosa onde a Shirley saciou a sua fome e curiosidade por um pau extra-grande e grosso. Podem esperar que vai ter mais pois ela adora ser puta e eu adoro ser corno. Até a próxima !

 

Meus dias de secretária

Bom dia meu ! Meu nome é Shirley, meu marido é o Jony, somos realmente casados, ambos na faixa dos trinta anos, nosso relacionamento é aberto e liberal, gostamos muito de sexo e fantasias, em doze anos de casamento conquistamos várias amizades e já realizamos muitas fantasias, independente do Jony estar presente ou não, sempre que temos uma oportunidade estamos fazendo loucuras sexuais, nós não disperdiçamos uma chance, meu marido adora ver ou saber que tranzei com outro, me encentiva a usar roupas provocantes, a ser uma puta entre quatro paredes e a dar minha buceta para os nossos amigos, muitas vezes ele me ajuda a fazer contato com nossos amigos e a escrever esses contos. Vou contar pra vocês mais uma das muitas que já publiquemos.

Tudo aconteceu quando eu trabalhava de recepcionista em um pencionato para alunos de uma faculdade, lá eu trabalhava muito tempo sozinha, cheguei a tranzar com um rapaz dentro da minha sala e publiquei neste site no conto de casais com o tema;(Recepcionista provocante ), pois bém, o meu patrão se chama Sr. Fernando, um coroa enxuto, desquitado (separado), quarenta anos de idade, corpo atlético, cabelos um pouco grisalho, um gato para a idade dele, Sr. Fernando também é dono de um pequeno escritório de contabilidade, lá só trabalham ele e a Sônia, sua secretária, mês de janeiro era época de recesso e férias da faculdade e do pencionato, todos os alunos viajavam para as suas cidades e o pencionato ficava vázio, sem nenhum aluno hospedado, como Sr. Fernando gosta do meu trabalho, ele resolveu dar férias para a sua secretária do escritório de contabilidade, a Sônia e me colocou de sua secretária no lugar dela, até ela voltar das férias, todos os dias eu ía trabalhar calçando salto alto e vestindo roupas sensuais e provocantes, Sr. Fernando não tirava o olho de mim, como somos bastante amigos, ele sempre brincava comigo quando estavámos sozinhos, o Jony, meu marido, viaja muito para outros estados a trabalho, já fazia mais de vinte dias que ele estava fora de casa, Sr. Fernando aproveitava essa situação e me provocava dizendo que o meu marido uma horas dessas estava namorando com outras menininhas por onde ele estava e eu disse a ele que se eu soubesse eu fária o mesmo por aqui e namoraria também, depois que o Sr. Fernando ouviu isso, ele começou a querer se aproximar de mim, brincava comigo elogiando meu corpo, ás vezes, quando eu passava perto do Sr. Fernando, ele dava um tapinha na minha bunda e dizia que o meu marido era um homem de sorte, outro dia, eu entrei no banheiro e sem querer eu vi o Sr. Fernando fazendo xixi, fiquei parada olhando ele palançando seu pau, mesmo estando mole, dava pra ver que a rola dele era grande e grossa, a cabeça era enorme, quando ele me viu teve um susto, eu pedi desculpas pra ele e disse que era natural isso acontecer pois no escritório só hávia um banheiro para todos, em seguida fui para minha sala, me sentei em uma cadeira por tráz do birô e comecei a trabalhar, eu não conseguia me concentrar no trabalho, meu marido já estava viajando há mais de vinte dias e eu estava muito carente, não conseguia parar de pensar nas imagens que vi no banheiro, do Sr. Fernando balançando aquele pau enorme, fui ficando exitada, em seguida o ramal do telefone toca, era o Sr. Fernando me pedindo para ir até a sua sala, era quase onze e trinta da manhã, quando cheguei em sua sala, Sr. Fernando me pediu para fechar todas as portas e janelas do escritório, disse que não estava pra ninguém, que queria trabalhar comigo sem ser incomodado, me perguntou se eu podería almoçar mais tarde hoje e terminar esse trabalho com ele em sua sala, eu respondi que sim, que não tinha nenhum problema, então ele me pediu para ir até a outra sala pegar alguns documentos e voltar para a sala dele para fazer o tal trabalho, quando entrei em sua sala ele me pediu para travar a porta e começamos a trabalhar, de vez enquanto, eu pagava o Sr. Fernando olhando para minhas pernas, e eu também, de vez enquanto, olhava disfarsadamente para a cintura dele, tentando ver se ele estava de pau duro, aos poucos fui percebendo que nós dois estavámos exitados, as vezes Sr. Fernando apertava seu pau por cima da calça, a rola dele já estava dura, eu já estava louca por uma pica na minha buceta mais esperava a reação dele, como ele estava demorando eu resolvi dar um empurrãozinho, peguei alguns documentos e fui até próximo dele para tirar algumas dúvidas, quando eu ía retornando ao meu lugar, fiz questão de passar por tráz da sua cadeira e esfregar os piquinhos dos meus seios em suas costas, em seguida Sr. Fernando colocou a mão em cima do seu pau, mordeu os lábios e deu um suspiro, notei que ele estava louco para me comer, eu já não aguentava mais, fazia mais de vinte dias que eu não tranzava, minha buceta já estava ficando úmida e a vontade de ter um pau duro dentro da minha buceta era grande, eu precisava fazer alguma coisa, eu já estava há algum tempo sentada na cadeira por tráz do birô, senti uma leve dor nas costas de verdade, baixei um pouco a cabeça e Sr. Fernando foi logo perguntando o que estava acontecendo, eu disse a ele que sentia dores nas costas mais que logo logo isso iría passar, ele me pediu para parar um pouco o rítmo de trabalho e perguntou se eu queria uma massagem, naquele momento era tudo que eu queria e precisava, então eu aceitei a sua ajuda e ele veio em direção a mim, eu coloquei a cadeira ao contrário, coloquei a parte do encosto das costas para frente, próximo dos meus seios e deixei minhas costas livre para ele massagear, Sr. Fernando ficou em pé por tráz de mim e começou a me fazer uma massagem, apertava meus ombros e minhas costas por cima da blusa, eu fui relaxando e a dor já estava passando mais a vontade de ter um pau dentro de mim não passava, Sr. Fernando perguntou se eu não queria tirar a minha blusa para ele poder massagear melhor, eu não pensei duas vezes e fui logo retirando a blusa, ficando somente de sutiã e saía, ele continuava a massagear e de vez enquanto encostava seu pau duro em minhas costas, eu comecei a gemer baixinho e ele me perguntou o que estava acontecendo, eu disse a ele que o meu marido estava viajando há mais de vinte dias e que a sua massagem estava me fazendo pensar naquilo, em seguida ele me disse também que já fazia algum tempo que não tranzava e que aquela massagem também estava mexendo com ele, depois disso, eu virei o meu rosto para tráz, olhei dentro dos olhos dele e perguntei se ele estava pensando em fazer o mesmo que eu estava pensando e ele respondeu que sim, logo em seguida eu perguntei se podería confiar nele e que o que acontecesse alí ficaría somente entre nós dois e ele respondeu que sim, que não se preocupasse que ele não contaría nada pra ninguém e que nada mudaria no trabalho, em seguida, Sr. Fernando foi logo retirando sua roupa, ficando completamente nú, em pé na minha frente, eu já estava sentada na cadeira e me virei de frente pra ele, tive um susto, o pau dele era enorme, grande e grosso, em seguida ele se apróximou de mim, eu peguei o seu pau e comecei a punhetar, ele começou a pegar nos meus seios e retirou meu sutiã, eu peguei aquele pau lindo, comecei a cheirar e a passar no meu rosto, depois coloquei entre meus seios, passava a cabeça da rola nos biquinhos dos meus seios e em seguida comecei a lamber aquele pau enorme como se estivesse lambendo um sorvete, chupei as bolas e em seguida aquele pau, a cabeça da rola dele era enorme, eu abria minha boca ao máximo e tentava engolir tudo que podia, eu segurava ele pela bunda, ele segurava meu rosto e enfiava seu pau levemente dentro da minha boca, teve um momento que ele enfiou toda a sua rola dentro da minha boca que eu cheguei a me engasgar com a cabeça do pau dele rosando minha garganta, o pau dele era uma delícia, era muito gostoso chupar aquela rola, depois disso, ele retirou o pau da minha boca, se enclinou um pouco e começou a me beijar, em seguida se ajoelhou entre minhas pernas e começou a chupar meus seios, depois retirou a minha saía, minha calcinha, abriu minhas pernas e começou a chupar minha buceta, metia a sua língua lá no fundo dela, chupava minha buceta e meu cuzinho ao mesmo tempo, estava muito gostoso, como eu adoro gozadas preliminares, enquanto ele chupava minha buceta, peguei seu rosto com minhas duas mãos e forcei contra minha buceta, comecei a fazer movimentos circulares esfregando minha buceta na sua cara, poucos minutos depois eu gozei na boca dele, adoro fazer isso antes de ter um pau dentro de mim, lubrifica minha buceta para receber um pau duro, foi uma delícia de gozada, depois disso ele se levantou, pegou uma camisinha e vestiu no seu pau, depois me pegou pela mão e me escorou em pé na parede, de costas pra ele, nesse momento estavámos nós dois em pé, ele se pocisionou por tráz de mim, colocou seu pau na entrada da minha buceta e foi enfiando lentamente, no início ele enfiava somente a metade do seu pau para a minha buceta ir se acostumando com aquele pau enorme, o pau dele era uma delícia, ele metia tão gostoso que eu mesma comecei a rebolar jogando meu corpo contra o dele e depois de alguns minutos ele já enfiava seu pau todinho dentro da minha buceta, me abraçava pelas costas segurando meus seios e metia tudo dentro mim, a sensação era muito gostosa, eu delirava de prazer, depois de alguns minutos nessa, nós mudamos de posição, eu me sentei em cima do birô de pernas abertas, ele veio e ficou em pé entre minhas pernas, colocou seu pau na mina buceta e começou a meter, eu lacei ele com minhas pernas e começamos a nos beijar enquanto tranzavámos, que pau gostoso ele tinha, era tão grande e grosso que preenchia minha buceta enteirinha, eu delirava com aquele pauzão enorme dentro de mim, eu deixava ele louco de tezão falando putarias;.....

Me come meu macho gostoso, mete tudo dentro de mim, arromba minha buceta com esse pau enorme, vai me come, ahahahahahahhaa, Depois disso, ele retirou o pau da minha buceta e foi se sentar em sua cadeira, eu fui atráz dele e me sentei em seu colo, de frente pra ele, coloquei seu pau na minha buceta e comecei a cavalgar, subindo e descendo em cima daquela rola, ele me segurava pela bunda, chupava meus seios e metia na minha buceta ao mesmo tempo, eu estava adorando aquilo tudo, ele olhava pra mim e dizia;...... Que buceta apertada e gostosa você tem Shirley, é muito gostoso tranzar com você, aparti de hoje eu vou ser seu amante e vou te comer sempre, em seguida, eu sai de cima dele e me posicionei de quatro em cima do sofá, ele veio por tráz de mim e em pé mesmo meteu seu pau na minha buceta novamente, ele metia gostoso demais, o tezão que eu sentia era muito grande, eu estava descontrolada, gemia forte, olhava pra ele e dizia;....

Mete tudo dentro de mim, come a puta da sua secretária, ela adora dar a buceta e colocar chifres no corno do seu marido, Sr. Fernando adorava ouvir isso, ficou com tanto tezão que começou a enfiar tudo dentro da minha buceta, metia tão forte que eu sentia a cabeça do pau dele tocar no meu útero, era muito gostoso, depois de alguns minutos nessa, ele diminuiu o rítimo das metidas , começou a acariciar minha buceta e a enfiar um dedo em meu cuzinho enquanto me comia, não demorou muito e ele pediu para meter em meu cuzinho, eu aceitei na hora mais disse a ele pra ir devagar, com calma e paciência pois o pau dele era muito grosso e eu não sabia e se iría aguentar aquela rola enorme dentro do meu cuzinho, em seguida, eu fui até minha bolsa pegar um creme e dei pra ele, depois me sentei no sofá de pernas abertas e joguei meu corpo para tráz, ele se ajoelhou no chão e começou a passar creme em meu cuzinho, lubrificando, em seguida ele levantou um pouco as minhas pernas e foi enfiando seu pau lentamente no meu cú, eu abria minha bunda com as duas mãos para facilitar a penetração, ele enfiava e retirava a sua rola do meu cuzinho e a cada enfiada ele ía colocando um pouco mais fundo, começou a doer e eu pedi pra ele parar um pouco, ele parou mais não retirou o pau de dentro do meu cú, deixou só a cabeça da rola dentro, em seguida ele se enclinou um pouco e começou a me beijar, depois desceu um pouco e começou a chupar meus seios, o tezão começou a voltar, ele já metia um pouco mais no meu cu e chupava meus seios ao mesmo tempo, eu aproveitei esse momento e enfiei quatro dedos em minha buceta e comecei a me masturbar, o tezão era enorme, essa combinação me ascendeu, ele já enfiava metade do seu pau dentro do meu cuzinho, estava tão gostoso que eu acabei gozando com o pau dele enfiado no meu cú e meus dedos enfiado na minha buceta, depois disso, eu fiquei parada, relaxando um pouco e ele continuou metendo seu pau lentamente dentro do meu cuzinho por vários minutos até que depois de um certo tempo ele começou a acariciar minha buceta enquanto comia meu cuzinho, pedi pra ele chupar meus seios um pouquinho e isso tudo fez reascender um fogo de tezão dentro de mim mais o que eu queria mesmo naquele momento era gozar junto com ele, então eu pedi pra ele trocar a camisinha e vir pra cima de mim, de imediato ele me atendeu, eu me deitei no sofá de pernas abertas e ele veio por cima de mim, enfiou seu pau na minha buceta e começou a meter, eu já não aguentava mais, estava louca para gozar gostoso, então pedi a ele para meter forte, enfiando tudo pois eu queria gozar junto com ele, depois disso, ele começou a meter muito forte na minha buceta, chegava até a pular em cima de mim, nós dois começamos a gritar, gemendo forte e em poucos minutos gozamos juntos, eu gozei muito, minha buceta ficou completamente encharcada, quando ele retirou o pau de dentro de mim, eu pude ver que a camisinha estava cheia de esperma, ele também havia gozado muito, depois disso, fomos os dois pro banheiro tomar banho, lá ficamos um pouco de tempo embaixo do chuveiro, passando sabonete e shampool um no outro e se esfregando, chegamos até a trocar alguns beijos e caricías e isso deu um pouco de tezão novamente, ele queria tranzar outra vez, eu também queria mais fui sincera em dizer que eu não aguentava mais, que eu estava toda dolorida de tanta rola e que ele deixasse para um outro dia, ele concordou mais eu fiquei com pena dele, de ver ele naquele momento de pau duro na mão, me desejando, então eu disse pra ele que eu iría fazer alguma coisa para amenizar a sua situação, em seguida, me sentei em cima do vaso sanitário e puxei ele pra perto de mim, peguei seu pau, coloquei na minha boca e comecei a chupar, chupava com vontade, punhetando e tentando engolir tudo, comecei a fazer movimentos de entra e sai com o pau dele na minha boca, simulando ser minha buceta que estava ali, ele começou a gostar e continuou enfiando seu pau na minha boca como se estivesse metendo em minha buceta, ele estava adorando minha chupeta, depois de alguns minutos nessa ele anunciou que iría gozar, eu abri minha boca ao máximo, coloquei a língua pra fora e fiquei esperando seu gozo, segundos depois, ele começou a punhetar forte seu pau e acabou gozando dentro da minha boca, me lambuzei toda com seu esperma, ainda chupei seu pau mais um pouquinho, deixando ele bém limpinho, em seguida terminamos o banho, nos vestimos e fomos almoçar juntos.

Depois desse dia, toda vez que o meu marido viaja por muito tempo eu mato a minha fome de rola tranzando com o Sr. Fernando. Hoje meu marido já sabe de tudo pois eu mesma contei pra ele. Há pouco tempo atráz, meu marido me pediu para assistir eu tranzando com o Sr. Fernando, quando isso acontecer eu conto pra vocês. Até logo !

 

Recepcionista provocante

Olá, tudo bém ? Meu nome é Shirley, estou na faixa dos trinta anos, casada com o melhor marido do mundo pois ele me deixa fazer tudo que quero, agora chegou a minha vez de publicar mais uma das nossas aventuras pois das outras vezes quem mais relatou foi ele, o Jony, meu marido, que adora ver ou saber que é corno manso de verdade. Tudo começou quando comecei a trabalhar de recepcionista em uma pensionato para alunos de uma faculdade, minha função principal era recepcionar os alunos e alugar atravéz de contratos os apartamentos que ainda estavam vagos, no período da manhã, dás 07:30 ao 12:00, eu ficava sozinha pois todos os alunos estavam na faculdade naquele horário, sempre que eu ia trabalhar vestia roupas provocantes, caprichava na maquiagem, calçava salto alto, vestia saía bém curtinha e blusa com decote aberto sem sutiã que era para deixar meus seios bém visivéis.

Um certo dia pela manhã chegou um rapaz que se apresentou por nome de Edson, moreno, alto, muito bonito, deveria ter uns vinte e quatro anos, ele disse que era aluno novato da faculdade e que estava procurando uma vaga em um dos apartamentos do pensionato, abri a porta e mandei ele entrar, fechei a porta e nos dirigimos até a sala da recepção, ele colocou suas malas no chão e sentou no sofá, enfrente ao birô no qual eu estava sentada, começamos a conversar, dei as boas vindas a ele e disse que havia uma vaga, falamos dos valores, das regras do pensionato etc, enquanto nós conversavamos notei que o Edson estava de pau duro pois dava pra ver o volume que se formava sobre o seu short, fingi que não vi mas fiquei sem entender por que naquele momento ele estava tão exitado, parei um pouco pra pensar e foi então que lembrei que a parte da frente do birô era aberta e eu estava sentada de pernas abertas, com saía curta e uma calcinha semi-transparente e como o Edson estava sentado de frente pra mim, logo deduzi que ele estava vendo toda a minha buceta, como ele já estava exitado eu comecei a me exitar também, com a mão esquerda eu preenchia o seu cadastro e com a mão direita eu comecei a acariciava minha buceta lentamente, o rapaz começou a ficar impaciente e questionou se poderia me fazer algumas perguntas pessoais, eu disse que sim e ele me peguntou quantos anos eu tinha e se eu era casada, eu respondi que tinha trinta e poucos anos e que era casada sim mas meu marido gostava mais de futebol do que de mim, ele respondeu ;....

È uma pena, se eu fosse seu marido não saíria de perto de você um só minuto, eu nada falei mais aquela altura eu já estava com a buceta toda molhada pois ele era muito gostoso, em seguida ele veio assinar o contrato e depois fomos até o quarto onde ele ficaria hospedado, chegando lá abri a porta e mostrei a ele o quarto e em seguida voltei para a recepção e me sentei no sofá, logo depois ele veio atráz de mim e perguntou se poderíamos conversar um pouco, eu disse que sim e ele se sentou no outro sofá de frente pra mim, ele me perguntou se eu poderia lhe dar um desconto no preço do quarto e se eu desse esse desconto ele me recompensaria em dobro, eu disse a ele que eu poderia lhe dar um desconto contando que a tal recompensa que ele me desse ficaria sendo um segredo só meu e dele e que ninguém mais podería saber, ele concordou na hora e disse que eu poderia pedir o que quissese. Eu já estava louca por um pau duro e não perdi tempo, a ele eu nada disse o que queria mas fiquei de pé na sua frente, tirei minha saía e minha calcinha e me sentei de volta no sofá, abri as pernas e comecei a acariciar minha buceta olhando nos seus olhos, ele logo me perguntou;.... O que é que você quer que eu faça ? Eu respondi;....

Se você quer um desconto conquista aqui na minha minha buceta. Ele veio na minha direção e começamos a nos beijar, em seguida ele se ajoelhou no chão, me puxou para a ponta do sofá e começou a chupar minha buceta, a língua dele era uma delícia, lambia subindo e descendo, sugava meu clitóris e enfiava sua língua todinha dentro da minha buceta, estava tão gostoso que comecei a movimentar minha buceta na cara dele me contorcendo toda, o resultado não foi outro, acabei gozando no rosto dele, depois disso ele se levantou e me deu um beijo de língua dizendo;... Sente o gosto da sua buceta na minha boca, em seguida começamos a tirar nossas roupas, depois disso ele se sentou no sofá e começou a acariciar seu pau, eu fui até ele, me ajoelhei entre suas pernas, empinei bém a bunda para tráz e comecei a chupar sua rola que era enorme, o pau dele era grande, grosso e gostoso, eu engolia tudo que podia, enfiava a língua no buraquinho do pau, passava ele no meu rosto e nos meus seios, chupava as bolas e em seguida colocava na minha boca novamente, ele delirava de tezão, em seguida ele ficou de pé na minha frente, eu de joelhos chupava seu pau olhando pra ele e dizendo; Eu quero essa rola todinha dentro da minha buceta, tá ?

Quero sentir tudo dentro de mim. Em seguida peguei uma camisinha e dei pra ele vestir no seu pau, fiquei de quatro no sofá, ele veio por tráz de mim e enfiou tudo na minha buceta, eu me sentia nas nurvéns pois ele metia muito gostoso, ele enfiava todinha, era uma delícia sentir toda aquela rola dentro de mim, eu gemia de tezão dizendo;...Me come meu macho, mete tudo, arrromba essa buceta, ela é toda sua, em seguida resolvemos mudar de posição, ele sentou no sofá e eu fui pra cima dele, sentei no seu colo de frente pra ele, coloquei seu pau na minha buceta e comecei a cavalgar pulando em cima dele, como era gostoso muntar naquele pau enorme, depois virei de costas para ele e continuei sentada no seu pau, pulando em cima dele, em seguida caimos pro lado e deitamos no sofá, ele continuou metendo na minha buceta sem tirar de dentro, com força, me segurando pelos seios e beijando minha boca, foi aí que gozei no seu pau pela primeira vez, ele parou de meter um pouco e me perguntou baixinho no meu ouvido;.... Shirley, deixar eu comer o seu cuzinho ? Eu respondi; Pode comer meu amor mas vá devegar, coma com carinho para não doer, tá ? Em seguida ele me sentou na beira do sofá, abriu minhas pernas, lambeu meu cú e depois começou a enfiar a cabeça do seu pau na entrada do meu cuzinho,, no cemeço senti um pouco de dor mas ele era muito paciente e carinhoso, no início colocava só a cabecinha, ao mesmo tempo acariciava minha buceta e chupava meus seios, essa combinação me deixou com um tezão enorme e quando percebi a rola dele já estava todinha dentro do meu cú, ele enfiava tudo, o que era dor virou prazer, o Edson estava adorando meter no meu cuzinho, eu olhava pra ele e dizia;....

Come meu cú Edson, enfi seu pau todinho dentro dele, me arrombe, ele metia forte,sentia as bolas dele batendo na minha buceta, eu já não aguentava mais pois já havia gozado na rola dele, ele gemendo de tezão anunciou que queria gozar, eu lacei ele com minhas pernas, segurei ele pela cintura e forcei seu corpo contra o meu, ele enfiava tudo com força dentro do meu cú e ao mesmo tempo metia dois dedos na minha buceta, não demorou muito e nós dois gozamos gostoso, ele gozou dentro do meu cú e eu gozei no no pau e nos dedos dele, foi uma delícia, depois ele foi pro quarto dele e eu fui me ajeitar para voltar ao trabalho, foi uma manhã inesquesivél. Quando cheguei em casa contei tudo pro meu marido, ele ficou louco de tezão, me puxou pra dentro do banheiro, me chupou todinha com gosto de outro macho, meteu seu pau dentro de mim e gozamos gostoso.

Viu como somos um casal féliz.

Taras de um casal

Olá pra todos, meu nome é Adriana, tenho 38 anos, estou em completa forma apesar de já ter tuuuudo isso, sou clara, cabelos castanhos claros com algumas luzes, sou magra....mas com medidas bem feitinhas...rsss. Meu marido, que não vou citar o nome, tem 40 anos, está também em boa forma, é atraente e eu o amo. Estamos juntos há dez anos e nos damos muito bem em nosso relacionamento. Juntos, temos algumas taras, que foram desenvolvidas ao longo dos anos que passamos juntos. Por exemplo, meu marido já me fotografou algumas vezes, em poses sexis e nua, e as colocou em um site de algum país, que publica fotos de amadores. Mas, desde algum tempo, queríamos mais, ou seja, praticar algo bem diferente, bem “sacana”, e ver no que iria dar. Falamos sobre isso sempre que fazemos sexo, contamos nossas fantasias e inventamos outras nesses momentos...mas e então, por que não tentar fazer? E assim, combinamos, certo dia, de sairmos para uma noitada e desse no que desse...e deu!!!! ... rsss. Numa cidade próxima da que moramos, existem várias casas noturnas, casas de forró, boates e, aos finais de semana, estão sempre lotadas. Naquela sexta-feira, saímos com direção a qualquer uma delas.

Passamos por uma, demos uma olhada, um pessoal muito, digamos, ‘fino”...não, não seria nessa. Em outra, na porta, umas mulheres de fácil identificação do que faziam. Mais adiante, encontramos uma, que por sinal estava lotada, e parecia ter muitos casais por ali. Estacionamos o carro na única vaga que encontramos, um pouco distante do local, mas dentro do terreno da casa, e lá fomos nós. Eu vestia um vestido “tubinho”, com um decote modesto, bem grudado ao meu corpo e que o realçava e, por ser escuro, fazia destacar minha pele clara. Entramos no local e, de fato, havia bastante gente. Tentamos conseguir uma mesa e, no momento, isso foi impossível. Fomos ao bar e pedimos uma “caipiroska” cada um. Enquanto tomávamos nossa bebida, conversávamos sobre o que poderia sair ali. Eu olhava pra um e outro cara, sentia um friozinho no estomago, estava excitada e sentia minha buceta melada e piscando. Meu marido dava-me uns beijos, abraçava-me pela cintura e me apertava contra seu corpo. Numa dessas corridas de olhos pelo salão, identifiquei dois caras numa mesa. Um era bem moreno, era forte, com aparência de segurança de algum lugar. O outro cara era negro, bem mais baixo e bem acima do peso.

Esse era o que parecida mais a vontade ali, curtia o local, mexia com as meninas, tomava sua cerveja e paquerava todo mundo. Foi seu olhar que cruzou com o meu quando os observava. De pronto, ergueu seu copo e me ofereceu sua bebida. Dei um sorriso e mostrei minha bebida. Notou que estávamos em pé e veio nos convidar para sentar-mos na mesa que compartilhava com o amigo. Nesse momento, dei uma olhada sacana para meu marido e um sorrisinho maroto. Talvez por ser a nossa primeira vez, notei uma certa resistência de meu marido, mas seguimos o homem. No caminho, disse ao meu marido para ficar calmo, relaxar e deixar rolar...pois eu queria levar um bom “ferro” aquela noite. Disse-lhe: assuma seu papel de “corno manso”, querido. Ele sorriu para mim e fez que sim, com a cabeça. Sentamos com os dois caras, nos apresentamos a eles e o mesmo o fizeram a nós. O mais gordo, que se chamava Adilson, de cara me convidou para dançar, pedindo licença, com toda educação ao meu marido, que consentiu. Lá fomos nós. Tomando-me pela cintura, puxou-me para um forró maravilhoso, como eu nunca havia dançado antes. Posicionou sua perna no meio das minhas e foi me conduzindo...eu estava “amando” aquilo. A camisa do Adilson estava aberta no peito, quase até a barriga e, por ali, notava seu suor escorrendo devido ao calor do local. Adilson me puxava pela cintura, me encoxava sem dó nem piedade. Olhando pelo salão, vi que meu marido observava tudo, com um ar resignado.

O amigo de Adilson, que se chamava Paulo, também nos observava e via as encoxadas e corridas de mão que seu companheiro me dava. Em certo momento, com a bebida me subindo à cabeça, disse para mim mesmo: “tem que ser hoje...e vai ser com esse cara”. Fui me enroscando no pescoço do Adilson, me colocando a ele e deixando ele me passar a mão à vontade. Em certo momento, encostei-me bem em sua frente e pude sentir que seu pau estava duro. Ele notou meu movimento e minha intenção. Olhou-me com cara de sacana e me deu mais uma encoxada. Nesse momento, resolvi começar o meu joguinho. Disse a Adilson que estava muito quente dentro do salão, que eu queria me refrescar um pouco e o convidei a sairmos e levarmos nossos copos, tomando um ar mais fresco fora do salão. Ele, de pronto, concordou. Fomos até a mesa em que estávamos, pegamos nossos copos e disse ao meu marido e ao Paulo, que iríamos tomar um ar lá fora, pois ali dentro estava muito quente. Paulo notou a situação na hora, sabia que eu estava a fim de outra coisa e olhou para meu marido com cara de incrédulo. Pedi ao meu marido a chave do carro, para pegar alguns lenços de papel no porta-luvas. Saímos dali, eu e Adilson e fomos lá para fora, onde o chamei para irmos até nosso carro, com a desculpa de pegar os lenços de papel. Lá chegando, não havia ninguém por perto, estava deserto e, quando me virei para abrir a porta do carro, o homem me pegou por trás e me deu uma senhora encoxada...outra, né..rsss, passando a mão em meus peitos. Desvencilhei-me dele, virei-me de frente para ele e o beijei,  levando uma das mãos ao seu pau e o acariciando. Depois disso, o convidei para entrar no carro pois, lá dentro, lhe daria um presentinho...rsss. Para isso, ele se empolgou quando abri a porta de trás e lhe pedi que entrasse, em seguida entrei pelo outro lado e, daí pra frente, não teve jeito....o cara me pegou. Começaram a me beijar, lamber, passar a mão nas minhas coxas, alisar minha buceta, meus peitos e, eu, claro, seu pau. Logo que pude, pedi-lhe com carinho, para que me deixasse fazer algo que estava morrendo de vontade, que me deixasse chupar seu pau.

Mais do que depressa, Adilson abriu sua calça e tirou seu pau para fora, duro, grosso, que achei lindo. Imediatamente me abaixei sobre aquele pau melado e gostoso e comecei a lambê-lo enquanto notava a respiração ofegante do homem e seu desejo de que eu o abocanhasse imediatamente. Resolvi sacanear...abri toda a sua camisa, comecei a lamber seu peito suado, salgado, que me deixou mais excitada ainda e, fui fazendo isso, beijando-o e lambendo-o todo enquanto acariciava seu caralho com uma das mãos. Ele não agüentou e afundou minha cabeça em seu pau, enterrando-o todo em minha boca e, daí pra frente, fiz, acredito eu, a melhor chupeta de toda a minha vida. Chupei aquele cara com toda a minha vontade, com dedicação, com tesão, com desejo. Sentia minha boca cheia de água, como quando se come chocolate e, assim, para me saciar, engolia aquela rola toda, lambia, lambia e chupava o saco daquele homem, acariciava seu corpo com as mãos e o agradecia por estava me permitindo fazer aquilo. Enquanto  chupava o Adilson, ele enfiava sua mão por dentro de minha calcinha e alisava minha buceta, meu cu, enfiando o dedo na minha buceta, apertando minhas coxas. Meu vestido estava na cintura e eu, de quatro no banco, com o pau do Adilson dentro da boca, deixava minha bunda para cima, que ele alisava, dava tapinhas deliciosos, tentando, até que conseguiu, descer minha calcinha até meus joelhos. Chamava-me de puta, de biscate, mandando-me chupa-lo, engolir seu caralho, dizendo-me que estava louco para me fuder inteira. Ele urrava de tesão, eu lambia sua barriga, enfiava a língua no seu umbigo, e voltava a engolir seu caralho, enquanto ele implorava para que me sentasse no seu colo. Sentindo-me dona da situação, cheguei bem perto do seu ouvido, enfiei a língua dentro, e em seguida, disse-lhe: “Você quer me comer, Adilson? Pois bem, você poderá me comer quantas vezes quiser a partir de hoje, basta fazer o que eu lhe pedir. Ouça bem, eu e meu marido nos damos muito bem, temos algumas vontades que queremos ver realizadas e uma delas, é em parte, isso que estamos fazendo. Vamos fazer o seguinte, hoje, neste momento quero te chupar até você gozar, quero engolir toda a sua porra...só isso!

Depois, se você quiser me comer, quero que, ao voltarmos para o clube, convença seu amigo a vir junto. Se vocês forem legais com a gente, eu e meu marido, vocês poderão contar comigo sempre que estiverem a fim de dar uma boa metida..e comer uma “puta casada”. Dou o meu celular pra vocês, não vamos dar endereço e é tudo por nossa conta. De acordo?” Naquela hora, ele concordaria com qualquer coisa. Voltei ao seu pau e continuei chupando com toda vontade. Embora pensativo, Adilson continuava super excitado e tudo o que queria era me comer. Concordou e começou a fuder minha boca com toda vontade. Pouco tempo depois, notei que ele iria gozar e, nesse momento, apertei minha boca, engolindo até onde podia, aquele pau deliciosa. Em alguns segundo, senti seu leite quente explodir dentro da minha boca. Quase engasgando, soltei seu pau e lhe mostrei minha boca cheia de sua porra, engolindo tudo em sua frente, dando-lhe, em seguida um sorriso sacana. Voltei ao seu pau e lambi-o inteiro, limpando tudo. Saímos do carro e voltamos ao clube. Lá chegando, meu marido já estava um pouco alto devido à bebida e, entendendo que algo havia acontecido entre nós, veio até a mim tirar satisfação. Chamei-o num canto e pedi-lhe calma, pois o que nós queríamos estava acontecendo. Aproximei-me dele com carinho, e fui contando o que havia acontecido. Notei que se excitava. Observei a mesa e vi que Adilson tentava convencer o Paulo a sair com a gente, porém esse estava meio relutante. Deixei meu marido e fui até eles. Pedi ao Adilson para que me deixasse a sós com o Paulo. Ele se levantou e foi ao banheiro. Nesse momento, colocando minha mão sobre o pau do Paulo, por debaixo da mesa, pedi-lhe toda carinhosa e manhosa, que fosse com a gente, que ele teria um ótimo final de noite e, se nunca havia participado de nada assim, nós muito menos, pois era a nossa primeira vez, também estávamos nervosos e com medo, pois não os conhecíamos. Isso fez a diferença, pois notei que Paulo, a partir daí quis se mostrar um cara legal. Sentamos todos à mesa, novamente, tomamos nossas bebidas, conversamos um pouco, enquanto eu encarava o Paulo a todo momento e lhe dirigia sorrisos a todo instante, afinal queria ver o cacete daquele cara, e o queria em minha boca. Lá pela meia-noite saímos os quatro, combinados de irmos a algum lugar retirado e “nos conhecermos” melhor. Meu marido se assustou quanto sentei-me no banco de trás do carro, em meio aos dois homens. Adilson, que já havia provado de mim, era o que estava mais animado, passando-me as mãos e beijando-me a todo momento. O Paulo apenas olhava. Saindo do estacionamento, observava que meu marido não tirava os olhos do retrovisor interno, querendo ver tudo o que faziam comigo. Virei-me para o Paulo e comecei a acariciá-lo.

Ele foi ficando excitado e começou a me alisar também. Em seguida, abri sua calça e tirei seu pau para fora. Que delícia, meus leitores....era tudo o que eu queria...um tesão de caralho, duro, grande....liiiiindoooo!!!! . Imediatamente, caí de boca e o engoli. Adilson, puxando meu vestidinho, enfiava sua mão não minha bunda, no meio das minha coxas, alisava minha buceta e falava que iria me comer, na frente do meu maridão. Adorei aquilo e meu marido, acho que também, pois perguntou ao homem, se conhecia algum lugar que pudéssemos parar, ali por perto. Ele indicou uma estrada, que aquela hora da noite, estava completamente deserta, enquanto seguíamos pela mesma, eu chupava o pau do Paulo e alisava o cacete do Adilson com a outra mão. Num lugar qualquer, meu marido parou o carro. Para ganhar a confiança dos dois e não deixar a coisa se complicar, já dissemos que, “na próxima vez, iríamos a um motel e passaríamos a noite juntos, sozinhos, pois meu marido esperaria no carro, e que cada um ganharia uma grana por isso.”. Parado o carro, meu marido se virou no banco e ficou nos olhando. Tirou seu pau pra fora da calça e começou a se masturbar. Ajeitei-me no bando e tirei minha roupa, dizendo a eles que queria ficar “peladinha” pros dois se divertirem. Ao tirar tudo, os dois homens caíram sobre mim, me chupando, alisando, apertando, enfiando as mãos no meio das minhas coxas, pegando na minha bunda, nos meus peitos, beijando-me na boca....isso porque o Paulão não ficou sabendo que eu havia engolido toda aquela porra do Adilson...rsss. Garanto que não iria querer me beijar se soubesse disso. Assim, no pouco espaço do banco traseiro do carro, fui comida pelos dois, e bem comida, por sinal. Sentava no pau de um, no pau do outro, chupava um e outro, virava-me de frente para cavalgar aquele pau delicioso do Paulo, enquanto ele me lambia o pescoço, enfiava a língua na minha orelha, alisava minha bunda, minhas coxas, chupava meus peitos e me chamava de puta, biscate, vagabunda e tudo mais.

Depois, sentava no pau do Adilson, que, nesse momento, realizava seu desejo de me comer. Sentava-me de costas para ele, olhando meu marido se masturbando no banco da frente, olhando-me rebolar no cacete daquele cara, gemendo e fazendo caras e bocas enquanto ele apertava meus peitos, passava a mão na frente de minha buceta e me abraçava pela cintura enterrando seu pau no meio das minhas coxas. Com a outra mão, dava assistência ao Paulo, alisando seu cacete duro e melado.  Ele saiu do carro, deu a volta e veio do lado em que eu estava com o Adilson. Abriu a porta e, pegando minha cabeça, puxou-me para que o chupasse. Assim, enquanto um me comia a buceta, outro fodia minha boca com vontade. O fato do Paulo ter aberto a porta do carro, meu deu outra vontade, a de sair lá fora também, pelada, no meio da estrada, e deixar aqueles dois me fuderem. Pedi ao Adilson,  para descermos do carro e, lá fora, abaixei-me na frente deles e comecei a chupa-los com toda vontade, agachada na frente dos dois. Meu marido também havia decido e continuava ali perto, bem perto, se masturbando e ma vendo chupar o pau daqueles homens.  Pedi a ele que se aproximasse e pus-me a chupá-lo também. O Adilson levantou-me em seguida e deitou-me sobre o capô do carro, que por sinal estava gelado...aiii. Abriu minhas pernas e entrou com toda vontade seu caralho em minha buceta. O Paulão veio de lado e peguei em seu pau, passando a acariciá-lo com uma das mãos. Ele se deitou sobre mim e passou a chupar meus peitos. Nesse instante o Adilson me enchia de porra....outra vez, por sinal, apenas em lugar diferente. Tirou seu pau melado de dentro de minha buceta e eu o limpei com minha língua e, para fazer isso, fiquei naquela famosa posição de “Napoleão perdeu a guerra”, virada para o Paulão, que, na mesma hora, me encoxou por trás e disse, em tom autoritário e vigoroso....”vou comer sua bunda, biscate.” Gelei por dentro, virei-me para ele e pedi que não, que não estava acostumada a levar atrás, mas não teve jeito, pois o cara me virou de bunda pra ele, jogou-me de frente sobre o capô do carro, deu uma bela cuspida na mão e passou-me no rabo. Depois, foi passando a mão em minha buceta encharcada de porra, de líquido vaginal e lambusou meu cu de tudo que foi jeito. Olhou para meu marido e veio pra cima de mim. Senti seu pau na entrada do meu buraquinho, forçando passagem, começou a doer, e ele foi entrando, até colocar tudo enquanto eu berrava de dor.

Quando começou a meter, comecei a sentir tesão, pois já estava arrombada, já tinha sido comida, estava pelada, no meio da estrada, meu marido não poderia com os dois homens, o jeito era relaxar e deixar o cara comer meu cu. E meteu, o desgraçado. Meteu até não querer mais, gozando como um louco dentro do meu rabo, deitando-se sobre minhas costas e xingando-me de tudo que era palavrão. Tirou seu pau de dentro, olhou para o amigo, e disse: “valeu”. Agora vamos embora. Ambos olharam, então, para o meu marido e, percebendo sua vontade, perguntaram se ele não queria terminar o serviço. Imediatamente, meu marido meu virou de frente, entrou no meio de minhas pernas e meteu em minha buceta cheia de porra do Adilson. Meteu feito louco, chamando-me de meu amorzinho, minha puta, minha gostosa e, em seguida, soltando seu leite quente em minha buceta. Nos refizemos, vestimos nossas roupas, agradecemos aos rapazes a quem dei meu celular e pedi para que me ligassem, para que marcássemos um novo encontro, para que fossemos a um motel, por exemplo. Os caras toparam e pareciam ter gostado da transa. Entramos no carro e levamos os dois até a cidade.

No ponto em que pediram para descer, meu marido desceu com eles e, discretamente, vi que falava com os dois. Vi, também, quando deu aos dois algum dinheiro, apertaram as mãos todos eles, e demonstraram todos, inclusive meu marido, estarem super satisfeitos. No caminho de volta para casa, meu marido permaneceu calado o tempo todo mas, quando chegamos em casa, depois de tomarmos um banho....jogou-me na cama e me comeu a noite inteira. Acordamos no sábado, por volta de umas onze horas da manhã, tomamos um banho, um café e, novamente, meu marido veio me pegar e, naquele momento, confidenciou-me que havia combinado com os dois caras, o Adilson e o Paulo, para aquela noite, de sábado, irmos ao motel. Eu amo o meu marido...essa noite foi um tesão, que contarei da próxima vez. Abraços e beijos a todos e todas.

Até a próxima.

rafaellaillya4@yahoo.com.br

 

Casal de iniciativa - no cinema

Sabado fui ao cinema na av paulista, estava um pouco frio,quando entrei só vi casais normais, elas de calça comprida,isso tira um pouco o tesão, mas mesmo assim entrei, ,o cinema vazio sentei numa fileira praticamente sozinho, entrou duas meninas e sentou proximo umas 4 cadeiras distante, o filme tinha começado quando entrou um casal ela sentou uma cadeira após a minha, já fiquei excitado, pois vi que estava de saia quando cruzou as pernas,e não deu dois minutos o cara pediu para ela mudar de lugar , ela sentou ao meu lado,pensei comigo, ai tem...

Como era filme de comedia ela ria e olhava pro meu lado, comecei acariciar o pau por cima da calça até ficar duro e fazer volume, vi que ela olhava direto pro meu pau, conversou com o cara, beijou ele gostoso, e de repente cruzou as pernas, jogou as coxas pro meu lado, a saia subiu, e ela discaradamente passou a mão nas minhas coxas, tirando todo o medo que eu tinha de qualquer iniciativa.Isto que é casal de inic iativa, deixa a gente mais tranquilo, sabendo que podemos avançar.Como a mão dela estava parada na minha perna, peguei e fui levando em direção ao meu pau.

Ela começou apertar por cima da calça e eu comecei alisar suas coxas.Abri o ziper e tirei meu pau pra fora e dei para ela, que começou a me punhetar e abrir mais as pernas para sentir minha mão invadir sua boceta.O cara começou alisar as pernas dela tambem e quando chegou na calcinha puxou de lado , facilitando eu colocar um dedo naquela boceta que ja estava tão molhada que parecia que ela tinha dado uma mijada de tanto tesão .Ela olhou nos meus olhos e disse, chupa minha boceta pro meu marido ver, ele esta louco de tesão.Nossa que casal delicia, cheio de iniciativas.Falei que tinha umas meninas ao lado , que não ia dar, ela disse que iria para uma fileira bem vazia, para eu disfarçar e depois sentar ao lado dela. Eles foram saindo devagar , e u fiquei de olho, foram bem lá pra frente , disfarcei fui ao banheiro, e quando retornei fui sentar ao lado dela. Quando sentei ela ja estava com a saia toda levantada o cara com a mão na boceta dela e vi que já estava sem calcinha.Ja fui me ajeitando e chupando aquela boceta enfiei minha lingua, chupava o grelo dela que ia ficando mais duro, ela gemia e falava pro marido olhar eu chupando ela. O cara ficou louco de tesão e falava pra mim chupar com força e fazer ela gosar na minha boca.Acho que eles eram principiantes pois só de ela escutar o marido falar começou a gosar que chegou até melar meu rosto.Depois pediu para eu parar que ela estava muito sensivel.

Quando sentei na cadeira ela caiu de boca no meu pau, e o cara pediru para eu gosar na boca dela, não demorou 5 minutos eu já estava gosando gostoso.Ela ficou com meu pau na boca até amolecer.Levantou e começou beijar o cara.Depois ela me disse que ele queria muito que ela fosse bolinada no cinema, já estava m planejando a muito tempo, mas tinha um pouco de medo.Quando ela sentou ao meu lado a primeira vez ela disse que já ficou molhadinha de tesão quando percebeu eu mexendo no meu pau. Mas como eu não tomava iniciativa, ela resolveu dar uma ajudinha pois percebeu que eu estava excitado e com um pouco de medo, e ela não queria perder esta chance de realisar a fantasia do marido.E que gostou tanto , que toda vez que eles forem ao cinema ela vai querer ser bolinada e chupada, e ainda me agradeceu.

Disse que eles iriam embora antes do filme acabar para não dar bandeira, e também se me visse novamente no cinema iria sentar ao meu lado. Isso que é casal de iniciativa.


Conteúdo sindicalizado