Contos Eróticos

Gozando na boléia

Eu era amigo de Juarez, o caminhoneiro, há uns cinco anos. O conheci num bar de estrada e depois de algumas cervejas, o convenci a irmos para uma pousada barata brincar um pouco. Moreno alto, casado e conservador, 35 anos, foi difícil pra ele me deixar comer aquela bundinha gostosa, mas o safado acabou cedendo. Foi uma vez só, há muito tempo e acho que ele acabou ficando travado, pois nunca mais tinha ficado com outro homem. Pelo menos era o que ele me falava... Depois daquela vez, nunca mais tocamos no assunto, apesar de eu sempre sentir um clima de tesão entre nós dois. Hoje não resisti e investi de novo.
Trabalhamos na mesma multinacional e como tínhamos ficado até tarde em uma feira agrícola, acabei pegando carona no caminhão dele. Pra quê? Ficar quieto ali na boléia do caminhão ao lado daquele homem exalando masculinidade não foi fácil. Ainda mais que, depois de algumas cervejas na feira, estávamos mais relaxados que de costume e ele foi falando de suas experiências recentes com outros homens.

Casado chupou e gostou

Olá, meu nome é Alex, tenho 42 anos, sou casado á 20 anos e vivo muito bem com a minha esposa, apesar de termos uma vida sexual muito ativa (praticamente todos os dias), sinto falta de algumas coisas. Adoro sexo oral, mas a minha esposa, que é do interior, é muito reservada, apesar de já ter feito isso algumas vezes, parece que fica meio sem jeito, de modo que eu preciso praticamente de implorar para isso acontecer, o que fica muito chato.
Entăo fui pela primeira vez a uma dessas galerias eróticas, onde vocę assiste a filmes porno em cabines individuais que tęm um buraquinho onde uns viadinhos ficam ali implorando para te chupar.

Estava eu lá me punhetando quando um cara botou a boca naquele buraco e ficou ali balançando a língua, botei meu pau duro como uma pedra em sua boca, ele chupou gostosamente até eu gozar e depois engoliu tudo. Isto foi o suficiente para eu me viciar, sempre que desejo uma boa chupada, vou lá e acontece geralmente a mesma coisa.

dEVOÇÃO aNAL

PARTE 1

Meu corpo sabe que é hora de acordar, ameaço abrir os olhos, mas a preguiça os mantém fechados... uma forte ereção sempre me domina pela manhã, nessa hora acho que trocaria uma semana de comida por alguem me pegando por trás... forte, mordendo meu pescoço, como seu eu fosse uma menininha. Imagino ainda meio que dormindo um macho passando a língua na minha nuca, nós dois de cueca posso sentir seu membro duro entre minhas nádegas... respiro como que sentindo um calafrio, a respiração é cortada muitas vezes mesmo no breve tão breve momento de inspirar.

De boca no amigo hetero

Ola amigos, é primeira vez que escrevo um conto sobre mim e divulgo. Aqui irei me tratar por Michael (fictício). Irei começar falando um pouco de mim, tenho entre 18 e 25 anos, moreno claro, olhos castranhos, 1,85m, 73 kg, trabalho e estudo em graduação e não me classifico como gay independente da minha opção sexual. O que irei contar aconteceu na ultima semana de 2011 (ficará na lembrança, com certeza). Tudo aconteceu na casa de um de meus amigos onde fomos passar o ano novo. Chegamos a tarde, logo após o almoço, desfizemos as malas e famos relaxar da viagem. E com o mesmo ritmo da conversa, começamos a beber. Tinha de tudo um pouco e apenas sei que já no meio da tarde estavamos totalmente bebados. Depois de muito bebermos apenas lembro de um de meus amigos me acordando por volta das 23:00 da noite. Tomei um banho e comi alguma coisa para ver se cortava o efeito do alcool. Até este momento ja haviam preparados dois colchões no chão para que eu e mais um amigo (aqui irei chamar de John) pudessemos passar a noite.

Encontrei um sacana no ponto de ônibus

Olá. É a primeira vez que publico neste site e tudo que vou relatar aqui ocorreu realmente. Bem como é minha primeira vez vou primeiro me descrever: tenho 24 anos, 1, 65 m, 60 kg, branco, magrinho, mas com corpo definido, olhos castanhos esverdeado, bonito (dizem). Sou um cara discretíssimo (a maior parte do tempo), bissexual, mas com mais atração por homens, solteiro, porém namorando no momento, no entanto não dispenso uma sacanagem que valha a pena.

 

Sexo virtual... que loira deliciooosa!!!

Olá, meu nome é Alex e passo a contar aqui o que aconteceu comigo bem recente, como alguns entre vocês possivelmente já sabem, eu tenho o costume de escrever e publicar minhas aventuras sexuais, me viciei nesse negócio depois que li alguns contos maravilhosos aqui nesse site, é claro que tem muita imbecilidade, mas muitos são realmente bons, publiquei o primeiro em 2009 e de lá pra cá não parei mais.
Verdade é que esses contos acabaram por atrair algumas picantes amizades, mulheres que me adicionaram com o desejo de tc comigo para trocarmos experiências, sempre tive um desejo de tc com alguém que se mostrasse na intimidade na cam, mas até então nenhuma topava, apareceram algumas louquinhas, mas eram menores de idade, to fora!!
 
Obs. P. favor! Se você é menor de idade, não me adicione, não tenho nada pra você.

Chupando sua melhor amiga!!!

Ola meu nome é Ana, tenho 18 anos, sou morena clara, tenho 1,75, 64 kilos, seios medios, bumbum bem grande e coxa grossas, vou contar minha experiencia lesbica a dois meses.
Eu tenho uma amiga a Érika, ela tambem tem 18 anos, ela é loira, olhos verdes, seios fartos, muito sexy, nos se conhecemos a 12 anos, ela é minha melhor amiga mais a alguns meses nos afastando um pouco.
 
Numa sexta feira, meus pais resolveram viajar, entao resolvi ligar para minha amiga Érika pra vir em casa, ela topou e disse q viria pra nadar.
Quando era meio dia ela chegou, e fomos direto pro quarto pra colocarmos biquini, ja tinhamaos muitas intimidades, entao ficamos nua, mais qdo eu vi a xaninha dela toda depilada, eu senti um calor, uma vontade de agarrar minha amiga. Ajudei ela colocar o biquini de cima, mais ela viu q eu fiquei olhando.

Lésbicas Incestuosas

Meu nome é Luiza, tenho 26 anos, 1,70 m , cabelos castanhos e corpo malhadinho. Sou bissexual. Minha irmã, Daniela, é linda. Tem 24 anos, uns 1,66 m de altura, loira, e um corpinho lindo.

Transo com a Dani há algum tempo. Nossa relação sempre foi maravilhosa. Transamos quando temos vontade, sem que nenhuma das duas fique cobrando a outra. Temos nossos namorados ou namoradas, mas quando temos vontade e podemos, transamos muito.

Minha mãe, Paula, tem 43 anos, teve eu e minha irmã muito nova. Pouco tempo depois de minha irmã nascer separou do meu pai. Ela tem cabelos castanhos, deve regular com as nossas alturas. Além disso, é linda. Malha bastante e tem um corpão também.

Tesão do lotação - parte 3

Fomos pra sala os três: eu, Pedrinho e o Dudu. Na sala tinha um sofá desses que vira cama. O Dudu abriu o sofá e falou: Deita aí Viadinho. Eu fiquei parado e o Pedrinho foi e me empurrou pro sofá. Eu deitei daí o Pedrinho e o Dudu deitaram me deixando no meio dos dois. O Pedrinho me virou de lado e me encoxou. Senti o pau dele crescendo bem colado em minha bunda. O Dudu que tava de frente pra mim começou a morder meus mamilos e disse: Olha aqui. Te comer nos vamos de qualquer jeito. Por bem ou na bruta mesmo. Se vc colaborar vai gozar também. Pensa bem nisso.

Tesão do lotação - parte 2

Eu fiquei apavorado quando vi o carinha que depois fiquei sabendo que se chamava Dudu. O que eu chupei era o Pedrinho. Ele entrou num quarto e depois chamou seu primo: Pedrinho vem aqui no computador pra vc ver. Pedrinho me puxou pelo braço e entramos no quarto. Ele mostrou o filme no computador. Tinha até um close do meu rosto com o pau do Pedrinho dentro da boca.

Eu fiquei apavorado e disse: Apaga isso cara. Dudu disse: A menina não gostou naum? Quem sabe eu o coloco na rede? EU pensei comigo: Tou fudido agora. Dudu: Vou pensar um pouco aqui Viadinho. Quem sabe eu não mando? Vai depender só de vc. Eu: Como assim? Dudu: Voce sabe Bichinha. Num vem cum esse papo naum. Voce sabe muito bem o que quero. Ele tava de cueca e deu pra observá-lo bem. Era um cara da minha altura mais ou menos, cabelo castanho bem claro quase loiro, corpo normal mais pra magro, um rosto bunitim com uma barba cerrada por fazer, pernas peludas.

Tesão do lotação

Eu tenho 18 anos, sou claro, olhos e cabelos castanhos claros, 1,76, 67 kg, corpo liso onde se destaca uma bundinha arredondada que todos olham. Moro em Belo Horizonte em um dos bairros da região centro sul.

Estava voltando da aula de inglês e pra variar o ônibus estava lotado. Fiquei em pé no corredor. O trecho era curto, uns 15 minutos só. Tava tranqüilo quando senti que alguém se encostava em mim por trás. Afastei-me e dei uma olhada. Quase desmaiei. Era um cara lindo. Devia ter uns 19 anos, bem mais alto do que eu, seu corpo lindo era mostrado dentro de uma bermuda cinza e uma regata amarela. Seu corpo não era cheio de músculos, mas tinha tudo no lugar certo.
Segurando-me na poltrona ao lado, continuei a viagem. Senti que o cara se encostou em mim de novo. Já não tinha como eu chegar mais pra frente, e também tava a fim de sentir o cara. Dava pra sentir o volume dele crescendo. Ele ficou assim uns 3 minutos. Depois se afastou, deve ter colocado o pau já duro pra cima e colou de novo em minha bunda, começando a relar bem discreto.

Uma chupada deliciosa com minha prima

Oi gente, meu nome é Marina e o que vou contar pra vcs aconteceu há uns 3 anos e morro de vontade de repetir.
 
Mas antes, vou me descrever: sou loira, olhos azuis, baixinha, cara de moleca, seios pequenos, bunda empinadinha… e nada santa. Na época, ainda era virgem mas morria de vontade de dar. Me masturbava quase todos os dias, era bem gostoso.
 
Fui passar uns dias na casa de uma prima, Alice, numa cidade perto daqui. Os pais dela tinham viajado, então ela me chamou para fazer companhia. Esperta, né? Cheia de segundas intenções… e eu, ingênua, arrumei minhas coisas e fui pra lá.

Uma amiga é pouco, dois amigos é bom e a três é muito mais

Bom dia caros leitores, meu nome é Shirley, sou casada com o Jony, ambos na faixa dos trinta anos, formamos o casalsmith3030............. e estamos juntos a quatorze anos, somos um casal liberal e adoramos sexo, na nossa cidade temos um casal liberal e alguns amigos confiáveis e sigilosos que nos proporcionam muito prazer realizando várias fantasias. Meu marido é corno manso assumido, ele me incentiva a usar roupas provocantes, paquerar, namorar e adora ver ou saber que eu tranzei com outra pessoa, ele participa pouco pois gosta mesmo e de assistir, depois agente senta, conversa e escreve esses contos, adoramos fazer isso. Nestes quatorze anos que estamos juntos realizamos muitas fantasias e já escrevemos mais de dez contos relatando como tudo aconteceu. Sempre que aparece uma oportunidade segura estamos fazendo sexo e realizando fantasias.

O fato que vou contar hoje aconteceu recentemente. Já faz algum tempo que eu e meu marido estamos tentando comprar um lote de terras na zona rural. No mês passado meu marido me pediu para eu ir olhar um sítio que estava a venda há quatro km de distância do sítio de um amigo nosso, o Claudio, ele faz parte do nosso circulo de amigos seguros e sigilosos, eu já tranzei com ele algumas vezes inclusive uma delas na frente do Jony, meu marido, onde relatamos nos contos ; TRASANDO NA CHÁCARA COM UM AMIGO DO MEU MARIDO ( Relatos de Casais ), que aconteceu ha algum tempo atrás mais somente esse ano publicamos e o outro aconteceu no mês passado, FILMANDO TUDO PARA O CORNO VER ( Relatos de Casais ).

João e Flávia são nossos amigos, ele trabalha com o jony, meu marido, ambos são representantes comercial e estão sempre viajando, ela trabalhava em uma loja de cosméticos e hoje trabalha junto comigo em um escritório de contabilidade, os dois também formam um casal liberal, eles fazem parte do nosso circulo de amigos seguros e sigilosos, nós quatro já realizamos várias fantasias juntos como : Swing, Ménage e Bi- Feminino, algumas delas foi publicado nos contos : UM SWING GOSTOSO COM UM CASAL DE AMIGOS I e II ( Relatos de Casais ) e o outro foi, MEU DIA DE PUTA ( Relatos Bi ). Jony e João, nossos maridos, trabalham viajando e chegam a passar até um mês fora de casa, eu e a Flávia somos bastante amigas e trabalhamos juntas como secretária, nosso patrão é o Sr. Fernando, ele é separado e também faz parte dos nossos amigos sigilosos, eu e o Sr. Fernando também já fizemos algumas loucuras que estar nos contos : MEUS DIAS DE SECRETÁRIA ( Relatos de Casais ) e o outro é, MARIDO CORNO ASSISTI SUA MULHER COM DOIS MACHOS ( Relatos de Casais ). Pois bem, depois de apresentar todos vamos ao conto.

Tudo aconteceu próximo do final de semana, na sexta-feira pela manhã, eu e a Flávia chegamos cedinho ao escritório para trabalhar, Sr. Fernando havia viajado e deixou para nós duas uma lista extensa de trabalho para o dia, era tanta papelada que eu e a minha amiga tivemos que comprar comida e almoçar no trabalho mesmo para poder dar de conta de tudo, no final da tarde nós duas já estavámos exastas, como já passava das 17:00 Hs nós resolvemos fechar o escritório e dar uma pequena pausa no trabalho, como o escritório tem banheiro nós duas resolvemos tomar um banho para refrescar, depois fomos para a sala do Sr. Fernando se vestir, enquanto nós nos vestiamos, eu contei para a Flávia o dia em que tranzei com o Sr. Fernando dentro daquela sala, em cima daquele birô, que eu havia gozado feito uma louca, em seguida Flávia me interrompeu pedindo para eu não contar mais nada pois os nossos maridos já estavam fora de casa há quase um mês e que aquela história estava deixando ela exitada, eu respeitei o pedido da amiga e não falei mais nada, apenas pedi a ela que me ajudasse com meu sutiã e virei de costas, Flávia abotoou meu sutiã e me abraçou por trás me empurrando contra o birô, eu me virei de frente pra ela e perguntei o que estava acontecendo, ela me abraçou mais uma vez, olhou dentro dos meus olhos e me disse que estava carente e muito exitada, em seguida eu toquei no seu rosto e nós duas começamos a nos beijar, era um beijo de língua gostoso, ardente, carente de amor, nós não cansavámos de chupar a língua de ambas, passamos vários minutos sem descolar a boca uma da outra até começar as primeiras caricias, eu comecei a acariciar seus seios e ela os meus, acabamos tirando toda a parte cima da roupa, em seguida eu apertei seu corpo contra ao meu e chupei seus seios com vontade, Flávia gemia baixinho no meu ouvido, depois disso, Flávia começou a chupar meus seios e a acariciar minha buceta por cima da calcinha, meu corpo tremia todo, em seguida, ela se ajoelhou entre minhas pernas, retirou minha saía e minha calcinha e caiu de boca na minha buceta me chupando gostoso, a língua dela ia no fundo da minha buceta me levando ao delírio, ela me comia com a sua língua, eu segurei seu rosto com minhas duas mãos e pressionei contra minha buceta, comecei a me esfregar na cara dela e depois de alguns minutos gozei no seu rosto, foi uma delicía, depois disso, eu pedi pra Flávia retirar a sua roupa e se deitar em cima do birô pois eu iria fazer ela gozar gostoso, em seguida, puxei uma cadeira e me sentei próximo dela, levantei suas pernas, abri sua buceta e comecei a chupar, que buceta gostosa, eu acariciava seu clitóris e metia minha língua várias vezes consecutivas no fundo da buceta dela, em seguida, eu enfiei dois dedos dentro da sua buceta e passei a chupar seu cuzinho que era lindo e gostoso, depois de vários minutos, Flávia passou a gemer dengosa, quase chorando e acabou gozando nos meus dedos e na minha língua, foi muito gostoso, em seguida nós ficamos em pé, nos abraçamos e trocamos um demorado beijo de língua.

Depois disso, nós duas fomos ao banheiro cuidar da higiene e retocar a maquiagem, depois nos vestimos, voltamos, concluímos o trabalho que restava e fomos para casa, como nossos maridos ainda estavam viajando, antes de ir dormir eu liguei para a Flávia para saber se estava tudo bém e convidei ela para passar o dia seguinte ( sábado ) comigo no sítio, fazendo comidas típicas, nadando no rio e tomando umas cervejinhas para diminuir o stress, Flávia aceitou o convite e disse que me esperaria em sua casa no sábado de manhã, depois de tudo certo, eu resolvi ligar pro meu amigo Claudio e pedir a ele que pegasse as chaves do sítio do amigo dele, que eu o alugaria por um dia pois eu e a Flávia iríamos passar todo o dia seguinte por lá, ele me disse que já estava com as chaves, que agente poderia ir direto para o sítio que ele estaria lá nos esperando pois ele mesmo era quem estava tomando conta do sítio vizinho, que quando eu e a Flávia chegasse lá ele nos entregaria as chaves, receberia o dinheiro do aluguel do sitio, terminaria de colher algumas verduras das plantações e iria embora para a sua casa, tudo combinado, só restava agora dormir logo para chegar o dia seguinte.

No sábado de manhã acordei cedo, preparei algumas coisas, peguei meu carro e fui para a casa da Flávia, de lá nos duas fomos direto para o sítio, chegando Lá o Claudio já nos aguardava, ele nos cumprimentou, nos entregou as chaves da casa, recebeu o dinheiro do aluguel e nos disse que iria terminar o trabalho de colheita das plantações e que agente ficasse a vontade, eu e a Flávia fomos para a cozinha e preparamos algumas comidas, em seguida, nós duas pegamos um litro de Martine, bastante gelo e fomos tomar banho no rio, entre umas doses e outras nós fomos relembrando a tarde anterior, da primeira vez que realizamos um bi-feminino e depois tranzamos as duas com meu primo Bruno ; MEU DIA DE PUTA ( Relatos Bi ), enfim, das nossas putarias, o assunto foi esquentando o clima entre nós duas, em seguida, Flávia me perguntou sobre o Claudio e eu disse a ela que ele era um amigo liberal e de confiança, que eu e o meu marido gostavámos muito dele, também contei a ela que no mês passado eu havia vindo conhecer aquele local juntamente com o Claudio, que meu carro havia atolado nas possas de lama e que depois de tudo eu havia tranzado com Claudio tanto dentro do carro como naquela casa, que ele era muito gostoso e me fez gozar feito uma louca, depois de ouvir isso, Flávia ficou toda assanhada me perguntando mais sobre o Claudio, perguntando se ele era carinhoso, se seu pau era grande, se ele metia gostoso etc, entre umas doses e outras nós duas já estavámos meio tonta quando a Flávia me puxou pra perto dela, me deu um pequeno beijo na boca e me disse que estava muito exitada, eu também estava exitada mais queria algo diferente, então eu disse a minha amiga que o que nós duas estavámos precisando era de um pau duro dentro das nossas bucetas e resolvemos voltar para a casa do sítio, chegando lá o Claudio não estava, tiramos nossas roupas molhadas e ficamos somente de biquíni, em seguida fomos procurar o Claudio dentro das plantações, andamos um pouco e encontramos ele debaixo de uma cabana de palha, ele estava em pé próximo de uma mesa de madeira, separando frutas estragadas, nos aproximamos dele e ele ficou surpreso com a nossa presença, depois de alguns minutos de conversa, Claudio me perguntou quem era a Flávia, eu disse a ele que ela era uma amiga igual a eu, casada e liberada, uma amiga de confiança, depois disso, Claudio logo percebeu a nossa cara de puta com fome de rola e deu um pequeno sorriso, em seguida ele nos ofereceu água gelada e eu respondi que eu e a Flávia queríamos outro de tipo de água, direto da fonte e sentamos as duas juntas em um banco de madeira próximo da mesa, ele entendeu a nossa intenção e se aproximou de nós duas, eu e a minha amiga começamos a acariciar seu pau por cima da sua roupa, ele retirou sua camisa e ficou olhando pra nós duas, Flávia baixou seu short e nós duas começamos a punhetar o pau dele, Flávia foi a primeira a chupar o pau dele depois foi a minha vez, nós duas ficavámos revezando as chupadas entre seu pau e suas bolas, Claudio estava adorando nossa chupeta e seu pau em poucos minutos já estava duro, em seguida, ele pediu pra gente retirar o biquíni e sentar as duas em cima da mesa, uma ao lado da outra, depois disso, ele sentou entre nós duas no banco de madeira ao lado da mesa, depois ele começou a chupar meus seios e os da Flávia, em seguida nossas bucetas, ele ficava alternando chupando uma depois a outra até perguntar quem seria a primeira e levar rola e a minha amiga se candidatou, Claudio ficou em pé e se posicionou entre as pernas da Flávia que estava sentada de pernas abertas em cima da mesa, ele colocou seu pau na entrada da buceta dela e foi enfiando devagarzinho até entrar tudo, depois começou a meter, eu estava sentada ao lado da Flávia, agarradinha com ela e incentivando o Claudio a meter todo o seu pau dentro da buceta da minha amiga, a Flávia começou a gemer com as estocadas do Claudio, eu me abaixei um pouco e comecei a chupar seus seios enquanto o Claudio metia na buceta dela, a puta da Flávia gemia feito uma cadela, em seguida, foi a minha vez, Claudio me pediu para ficar de quatro no banco da mesa, apoiada entre as pernas da Flávia, ele ficou em pé por tras de mim, colocou seu pau na minha buceta e começou a meter, que rola gostosa ele tinha, a cada estocada que ele dava eu soltava um grito abafado chupando os seios da Flávia enquanto ele metia fundo na minha buceta, depois de alguns minutos, Claudio saiu de tras de mim e se sentou ao meu lado no banco de madeira, Flávia saiu de cima da mesa e se sentou no colo do Claudio, de costas pra ele, ela encaixou sua buceta no pau dele e começou a cavalgar subindo e descendo, eu fiquei em pé na frente dela, Flávia se apoiou em mim e começou a chupar meus seios enquanto pulava no pau do Claudio, que loucura gente, parecia um sonho, que foda gostosa, em seguida, agente resolveu mudar mais uma vez, eu me deitei em cima da mesa e a Flávia se sentou no banco de madeira próximo do meu corpo, Claudio ficou de pé e me puxou para a pontinha da mesa, ele levantou minhas pernas e enfiou seu pau todinho dentro da minha buceta ficando somente as bolas do lado de fora, depois começou a meter, que coisa gostosa, nessa posição entrava tudo, ele metia muito fundo na minha buceta, que gostoso, Flávia passou a acaraciar minha buceta e a chupar meus seios enquanto o Claudio me comia, essa combinação me deixa louca de tezão, em poucos minutos eu comecei a gemer feito uma cadela, meu corpo começou a tremer todo, eu me agarrei com a Flávia e gozei feito uma louca beijando sua boca enquanto o pau do Claudio estava enterrado dentro da minha buceta, que loucura, depois disso, meus dois amigos também queria gozar, então Flávia ficou em pé na pontinha da mesa, empinou sua bunda para tras e apoiou seus seios e braços em cima da mesa, eu fiquei sentada no banco próxima dela, Claudio se posicionou em pé por tras dela, pegou seu pau, enfiou na buceta dela e começou a meter, ele puxava ela pelos ombros e metia tudo bem no fundo da buceta dela, a Flávia gritava de tezão, em seguida, ele puxou ela pelos cabelos bem pra perto do corpo dele, segurou seus seios e passou a meter rápido e forte na buceta dela, em poucos minutos os dois gozaram feito loucos, Claudio gozou dentro da buceta da Flávia enchendo ela esperma, os dois gemia de tezão gozando juntos, foi maravilhoso assistir. Depois disso, pegamos nossa roupa e nos vestimos, Claudio agradeceu a nós duas dizendo que adorou a experiência com duas mulheres e queria repetir mais vezes, em seguida fomos nós três para a casa do sítio, chegando lá, Claudio se despediu de nós duas e foi embora, eu e a Flávia tomamos um banho e algumas cervejinhas até a tardinha, depois fomos para a nossa casa.

Depois de algum tempo, nós duas contamos tudo para os nossos maridos, os cornos gostaram da idéia e disseram que da próxima vez queriam assistir a tudo, quando isso acontecer agente conta pra vocês.

Até a próxima.

 

Desejo à flor da pele

Este é um conto verídico.
 
Meu nome é Cassia,tenho 19 anos,sou morena,1,60alt,53 kl,cabelo liso preto,muito gostosa por sinal...rs
Eu estava em um relacionamento bastante conturbado,quando um dia resolvi entrar numa sala de bate-papo entre lésbicas,para conversar e destrair a mente,comecei a conversar com uma moça chamda Priscila.
Priscila se apresenta da seguinte forma:Sou branquinha,mais ou menos 1,61 de altura,cabelo castanho claro,liso na altura dos ombros,e tenho que te confessar que tenho uma carinha de safada sem igual.
 
Conversamos por um tempo,mais confesso...fiquei imaginando como seria essa carinha.
Trocamos informaçoes básicas do tipo,onde moramos,e em que trabalhamos,mas a minha imaginação não me deixava seguir aquele interessante papo,então logo pedi que me add no msn pra ver a tal carrinha de safada,que tanto me instigava só de imaginar.
Ela me add...e para me provocar colocou uma foto da sua boca, nossa que boca!!!
Naquele momento eu pensei:Como seria essa boca beijando meu corpo inteirinho...mais como não estava satisfeita,pedi para ela me mostrar uma foto da sua cara de safada,ela ao ver o pedido imediatamente mudou a foto,colocou uma de rosto,com a lingua pra fora com uma cara realmente sem igual...rs!
Ao ver a tal foto,me molhei toda fiquei exitada,tenho a mente muito fértil e aquele rostinho com aquela linguinha p/fora me fez ir longe...naquele momento tive certeza que tinha que conhece-la pessoalmente.Mas antes disso terminei o namoro que já não era lá essas coisas.
Por sorte,duas semanas depois...que jah estavamos louca para nos encontrar,uma amiga dela viajou,e deixou a casa em seus cuidados...Hummmm foi a deixa!!!
               
Marcamos e ela foi me buscar onde combinamos...
A vi de longe e quando nos abraçamos ao sentir o corpo daquela mulher linda,branquinha, com aquela cara de cachorra,toda cheirosa,nossssaaa...tive a certeza que aquele fim de semana seria maravilhoso.
No caminho para a casa da tal amiga,foram olhares e mais olhares não estavamos nos aguentando de tanta vontade de nos beijar,ela sussurou no meu ouvido,que estava toda molhada e louca de vontade de me tocar...olhei para ela me segurando para não beijar ali mesmo aquela boca linda,disse:Espera só mais um pouquinho quando estivermos em 4 paredes vai poder fazer o que quiser fazer Priscila...
Enfim chegamos na casa da tal amiga,não esperei nem ela fechar a porta direito e já fui agarrando aquela mulher deliciosa,e beijando a sua boca que tanto me chamou o caminho inteiro...Foi um encaixe perfeito!
A partir dali foi como se nos conhecessemos a muito tempo,uma química perfeita,um turbilhão de sensações...receio,desejo,vontade,prazer.E como era de se esperar o desejo e o prazer falaram mais alto.
 
Fui tomar um banho enquanto ela preparava uma bebida,quando saí do banho,foi a sua vez de tomar banho e a minha de esperar,achei chato beber sózinha,então a esperei para bebermos juntas.
Quando vi aquela mulher gostosa só de toalha vindo em minha direção,a minha vontade foi de beber outra coisa ham ham ham...Nos agarramos sem aumenos pensar em bebida alguma.
Sem vergonha nenhuma nos beijamos,e aquela toalha se soltou do corpo daquela mulher deliciosa,fomos nos agarrando da cozinha até o quarto,um corpo branquinho junto ao meu moreno,uma mistura perfeita,fui beijando aquela boca carnuda,macia,joguei Priscila na cama,subi em cima dela,percorri todo aquele corpo delicioso com a minha língua,eu ficando cada vez mais molhada ao ouvir suas palavras que diziam exatamente assim:Isso delícia beija,lambe,morde meu corpo inteiro,não passa vontade,sou toda sua.
Eu fiquei tão exitada com aquelas palavras,fui chupando o corpo de Priscila com ainda mais vontade,ela derrepente me segurou forte me virando,subiu em cima de mim dizendo:Eu quero você agora!!!
 
Depois disso não tive como me conter,a deitei na cama fazendo aquele 69 delicioso,e ao sentir aqueles lábios carnudos tocarem a minha buceta toda melada,ahhhh que boca gostosa me lambendo,começamos a nos chupar,Priscila estava toda molhada,fui a lambendo todinha sem controle,numa voracidade...a cada toque,a cada lambida ela gemia mais alto,ao ouvir aquele gemido fui ficando ainda mais exitada,comecei a invadir Priscila com a minha língua e meus dedos,e ela me retribuindo da mesma forma,ela gemia pedindo mais,e como eu,ela é do tipo que entre quatro paredes vale quase tudo.
Perdendo os sentidos ela grita p/ eu a invadir desse jeito:Vai minha cachorra,me invade,me faz gemer pra você,me faz gritar,me deixa sem controle,me faz gozar minha delícia,e eu cada vez mais adentrando aquela buceta cheia de mel,me chamando...continuei fudendo minha delícia,ela gemendo cada vez mais alto,e pedindo mais e mais.E ao mesmo tempo aquela mulher cheia de vontade de fazer loucuras,foi colocando a sua boca e seus dedinhos gordinhos dentro de mim,me fazendo gemer de um jeito muito safado,mostrando a ela meu jeito cachorra de ser.
 
Cheia de prazer,coloquei mais um dedinho em sua bucetinha toda meladinha,e fui fudendo cada vez mais rápido,ela perdeu totalmente o controle,se remexia.gemia,gritava,me xingava e me arranhava,chachorraaa me invadindo da mesma forma,e eu gemendo loucamente,me contorsendo junto com ela,arranhando,apertando,gritandooooo ohhhh,continuamos neste vai e vem,por um bom tempo,e quando já estavamos quase explodindo de prazer...gozamos intensamenteeee juntas,nossssaaaa que gozada maravilhosa,colocamos todo aquele tesão para fora...foi simplismente demais!
Dali passamos algum tempo namorando,e depois dormimos agarradinhas de conchinha.
Estamos namorando,e já fizemos muitas loucuras juntas,qualquer dia conto alguma delas,para vocês se deliciarem mais um pouquihno.
Beijosss
 

 

Depois de uma discussão no trabalho

Me chamo Junior e trabalho no departamento comercial de uma grande empresa, tenho 1,80 de altura peso 70 kilos, sou moreno, olhos castanhos escuros, sorriso encantador e uma bunda modéstia a parte gostosa, Bom ressaltei que trabalho no comercial de uma grande empresa porque foi por conta disso que todo aconteceu, no meu trabalho usamos calças e camisas sociais, por conta do cargo que ocupamos enfim vamos a historia.
 
Era uma segunda feira de setembro, eu como de costume cheguei ao meu trabalho e fui ver as cotações da bolsa, pois nesse dia fecharíamos alguns contratos de venda de soja e eu deveria travar o preço do contrato na bolsa, eu tenho 21 anos de idade, mais já estou nessa empresa há dois anos e graças a alguma força superior misteriosa tudo vem dando certo, mais nesse dia o encarregado do setor de commodities um cara chamado Rogério, um típico gatão de meia idade, tinha 1,85 de altura, pesava uns 90 kilos, branco, com uma entrada na cabeça e cabelo apenas na lateral já meio grisalho, tem 46 anos é solteiro e mora sozinho na cidade, ele veio de São Paulo para coordenar o setor de commodities, enfim nesse dia, estava eu terminando de redigir o contrato a termo ele me entra na sala me dando ordens dizendo que eu deveria fechar esse contrato em no Maximo 10 minutos, pois muito dinheiro estava em jogo, e que ele achava que as cotações iriam cair até o final do pregão eletrônico.
 
Como se não basta-se o fato de ter gritado comigo, coisa que eu odeio, ainda estava completamente errado pois o comportamento do pregão indicava que seria totalmente o contrario, e que fecharíamos com saldo extremamente positivo, enfim discutimos feio na sala pois eu nunca fui de ouvir desaforo calado, ainda mais quando eu estava certo, terminei de fazer o contrato a termo, validei ele e não travei o preço, quando fomos ao refeitório, eu me sentei no mesmo lugar de costume, ele ficou umas três mesas a minha frente porem de frente para mim, e ficava me olhando com cara de mal, e comentando alguma coisa com a pessoa que estava do lado, bom eu sabia que não deveria ter um coordenador da empresa contra mim, ainda mais sendo alguém de um setor que é totalmente correlacionado ao meu, esse sentimento de desamor ficou me corroendo todo o horário de almoço comecei a me questionar se realmente o melhor não seria fazer o que ele me mandou, mais decidi seguir meus instintos.
 
Voltei do almoço, no meu departamento sou eu e mais três mulheres que compomos o setor, sendo que eu sou responsável pelo mercado externo, quando nos aproximávamos das 16:00 eu resolvi travar o contrato e por sorte, consegui um preço relativamente mais alto que o vigente ate a hora do almoço, aquilo pra mim foi como ganhar um troféu que eu poderia esfregar na cara do Rogério toda vez que o visse nos corredores da empresa, consegui um preço acima da média no contrato de valor mais alto da nossa unidade. A semana passou, e ele sumiu de mim, na sexta feira, quando íamos embora, fui ao estacionamento e meu carro estava com o pneu murcho, já era tarde da noite por volta de 21:00 estavam poucas pessoas no escritório, eu sempre fui uma negação com essas coisas, eu me considero um cara passivo, mesmo não sendo afeminado, nem tendo jeito de gay, eu não sei trocar pneu, não jogo bola, tenho medo/nojo de barata, aranha, lagartixa, perereca e afins.
 
Mais como a vida age de forma misteriosa, por sorte o Rogério apareceu, e vendo meu desespero se ofereceu para trocar meu pneu, enquanto realizava os procedimentos de troca de pneu conversamos um pouco, ele sem se desculpar me disse que eu tinha razão e que consegui um ótimo preço para o contrato, e me disse – Gente um homem que não consegue trocar um pneu de carro que vergonha Junior, eu em minha defesa disse já com ar de sacanagem – Posso não saber trocar pneu mais tem muita coisa que sei fazer e faço muito bem, nem vi quando dei essa resposta, eu fiquei chocado comigo mesmo, nunca fui atirado mais eu queria ele, ele deu uma risada e disse ta certo, terminou de trocar meu pneu, e me perguntou se eu tinha planos para noite disse que meus planos eram assistir a filmes, ele então me chamou para tomar uma cerveja, eu argumentei dizendo que não bebia, ele então me disse algo que adorei – Mais eu bebo e alguém tem que me levar para casa, quando cheguei ao restaurante fiquei um pouco desanimado haviam varias pessoas do trabalho, mais fiquei surpreso pois a noite se revelou ótima, foi muito bom sair com pessoas que geralmente não seriam do meu convívio.
 
Em certo momento da noite um dos funcionários dele, começou a questionar a sexualidade dele, mais sempre em tom de brincadeira, ele disse – Uai chefe o senhor todo coroão, não tem namorada, mora sozinho, não da moral pra nenhuma das meninas da empresas, Não sei não viu! O Rogério riu e comentou, você ta por fora comigo, sou do tipo que come quieto, já to dando bote em uma pessoa ai que vocês não fazem nem idéia, e concluiu a frase olhando para mim, fiquei muito cor de tanta vergonha que senti, mais me senti o ultimo pedaço de carne do açougue, do tanto que eu achei bom, no fim das contas o Rogério nem bebeu, quando íamos embora, foi cada um no seu carro, quando cheguei na minha casa, recebi uma mensagem que dizia – “A noite não saiu como eu esperava, mais hoje tive a certeza que realmente é isso que eu quero. Ass- RMAF” essas eram as inicias do nome dele, fui dormir pensando em um monte de insanidades, planejei casamento, nome de filhos e ate o envelhecer juntos no sonho, ou seja, fiquei muito ansioso.
 
No outro dia de manha era sábado e eu não trabalharia logo pela manha o Rogério me telefonou, sem mentira nenhuma conversamos por quase três horas, mais também foi esclarecedor, ele me contou tudo sobre ele, não disse hora nenhuma que ele tinha me mandado a mensagem anterior e muito menos que me queria como parceiro, mais do meu ponto de vista tudo isso ficou subentendido, ele estava na empresa terminando uns fechamentos, depois de conversarmos, fui ao mercado, lavei meu carro, quando estava terminando de organizar minha casa, toca uma buzina na porta, eu vou ver é ele, que ta na porta abri o portão ele entrou, quando entramos em casa antes que eu pudesse dizer um oi ele me deu um beijo que foi O BEIJO, sempre tinha ficado com caras mais novos tipo da minha idade, mais mal sabia eu o que estava perdendo, foi excelente o beijo mais gostoso que havia ganhado ate aquele momento, eu não beijei ele e sim fui beijado, a língua dele percorria todos os cantos possíveis da minha boca enquanto ele imprensava o corpo dele contra o meu e passava a mão na minha bunda, era incrível a experiência que ele tinha, minha pernas se estremeciam a cada toque ele me dava e ele via minha excitação pela minha respiração ofegante e gemidos abafados, ele então disse ao meu ouvido – Vou te ensinar a bater de frente comigo, desde que você fez isso eu fiquei doido em você e na sua bunda, nem to me concentrando direito, vou te mostrar como um homem de verdade faz, e começou a mordiscar minha orelha ate com certa força o que evidenciava ainda mais a sua masculinidade, eu sentia seu membro rijo no meu abdômen e fiquei curioso e com medo ao mesmo tempo para saber logo de uma vez o que me esperava.
 
Ele me olhou nos olhos e disse – Onde fica nosso quarto, ele realmente dizia tudo que eu queria ouvir, e na minha cabeça eu só pensava, em como não tinha encontrado com esse homem antes, quando entramos no quarto ele se despiu sem pudor nenhum, o corpo dele é peludo na medida certa o peitoral bem definido que fica ainda mais másculo com os pelos era tudo muito uniforme fiquei tão hipnotizado pelo peito e abdômen que quase me esqueci de olhar para a “área de lazer” até agora é o pau mais bonito que já vi, não é exagerado mais gostoso na medida, tem 16 cm, porem muito grosso e retinho e combina perfeitamente com o corpo e rosto, o conjunto da obra é muito harmonioso, ele ficou nu de pau duro me olhando eu de forma muito tímida comecei a tirar minha camisa, ele com um sorrisinho safado disse – Não precisa ter vergonha de ficar nu na minha frente, na minha cabeça já sei exatamente como você é, concluiu sua frase vindo de encontro a mim, me empurrou na cama, e tirou minha calça junto a cueca em um único puxão fiquei muito envergonhado, mais uma vez fiquei color block de tanta vergonha, mais já que tava na chuva mesmo, tinha mais é que me molhar, quando eu vi que ele vinha pra cima de mim respirei fundo e me entreguei a ele, a cada beijo que ele me dava meu corpo arrepiava o toque o olhar dele tudo me deixava muito excitado de pau muito duro, ele começou a me punhetar de forma muito gostosa apertando meu pau e socando ele contra minha virilha era muito gostoso, mais surpreendentemente ele não me chupou, e sim mandou que eu chupa-se ele, eu por minha vez, obdeci mais do que depressa, ele se deitou na cama e ficamos em 69 eu por cima e ele por baixo.
 
Ele é muito macho, um espécie raríssimo de ser encontrado, enquanto estávamos no 69 pensei que ele fosse me chupar mais não, enfiou o dedo na minha bunda, em certos momentos eu sentia a língua dele deslizar na minha dunda, enquanto eu o chupava e o pau dele pulsava na minha boca, e sentia aquele liquido Zinho que sai da glande para lubrificar, mais mesmo assim não parava de chupar o pau é muito gostoso, continuando... depois da sessão maravilhosa Oral, passamos para parte de penetração ele me pediu para ficar de 4, colocou uma camisinha e sem lubrificar empurrou aquele membro para dentro de mim, no começo senti muita dor, ele então disse – Fica quietinho que a dor passa, afinal você mesmo disse que algumas coisas, você faz muito bem, e eu espero que essa seja uma delas, então eu fiquei quietinho e ele começou a literalmente fuder minha bunda, me dava tapas que ecoavam no quarto e bobava me puxando pelos quadris, é inegável dizer que não gostei, ele faz isso muito bem, depois de bombar de 4 ele se deitou sobre mim, e mais uma vez me fudeu eu senti que ele gosta de dominar a situação, e ele não gozava, por fim minhas pernas já estavam dormentes, e minha bunda estava quente de tantos tapas e bombadas, eu já tinha gozado duas vezes, quando ele finalmente anunciou que gozaria eu achei mágico pois já não agüentava mais, ele então tirou seu pau de dentro de mim mal tirou a camisinha e gozou na minha bunda/pernas/ costas, mesmo não vendo a porra dele, senti que ele tinha gozado muito, por causa dos urros dele enquanto tos jatos de porra saiam, depois de me dar um banho ele se deitou por cima de mim, esgotado, e ficou dando mordidinhas na minha nuca, e esfregando seu corpo no meu, eu mais que depressa propuz um banho antes que ele recuperasse as forças e quisesse um 2º Round, afinal eu não conseguiria mesmo uma segunda rodada seguida.

 

Tomamos nosso banho, e depois assistimos a um filme na minha casa ele me contou mais sobre a vida dele, me disse que tinha uma filha que era mais velha que eu por sinal e que ninguém sabia desse desejo homossexual dele, mais que a partir do momento em que ele tivesse comigo eu poderia me tranqüilizar que ele não me trairia nem com homem, muito menos com mulher achei ótimo ouvir aquilo prometi o mesmo e assim começamos um tímido namoro regrado a varias fodas animalescas e discussões tórridas no trabalho por conta de fechamento de contratos e metas de produtividade.

 
Se alguém quiser ser meu amigo virtual, deixa o MSN nos comentários que eu adiciono.

 

Pedi tanto que ela realizou

Ola gente me chamo nilson 29 anos, e minha esposa se chama leticia 21 anos, morena, pernas bem grossas, bunda bem arrebitada, cabelo cacheado até no meio das costas, enfim uma mulhjer q chama ateçao aonde passa, temos uma filha de 1 ano, moramos em são luis do maranhao e estamos juntos há mais de dois anos, e moramos juntos. Em fim tudo aconteceu quando sempre nas sexta feira na nossa casa anoite eu comprava uns vinhos e eu e ela ficavamos conversando sobre tudo até q um dia falamos de fantasias e ela logo de cara perguntou se eu tinha e eu falei q sim entao ela perguntou qual seria e eu falei q era bem louca q nao dava pra falar assim, até q ela ensistiu bastante e acabei falando q era ver ela com outra pessoa, e ela na hora sorriu e deu um sinal de q gostou pois percebi na hora, ai ela falow q tb tinha uma fantasia e de cara me falow q era tranzar com dois homens, ai depois dessa conversa agente transamos muito nessa noite e com um tempo comprei um cel.pra ela e perguntei se eu poderia dar o numero dela pra alguns caras q conheci na net atraves do bate papo, e gente acreditem q ela sem penssar disso tudo bem amor pode dar sim, ai nesse dia tive certeza q ela tava facilitando as coisa. e dei o numero dela pra uns 4 homens e todos eles ligaram pra ela e pediram pra visitar e conhecer ela na nossa casa e ela falava q era comigo e q se eu deixasse por ela estaria tudo bem, entao o 1ª cara me ligou e me falow q tinha conversado com ela e q ela tinha falado q podia marca pra ele visitar agente na nossa casa em um sabado, gente isso era uma quarta feira e marquei pra ele ir na nossa casa em um sabado e chegando o sabado atarde bebemos muitas cerveja eu e ela e ele iria chegar as 18 hrs e quando deu 18 e 30 ele me ligou q ja estava proximo no local q eu marquei e fui la apanhalo, detalhe gente: minha esposa quando deu as 17 hrs tomou um bom banho e colocou um vestidinho roxo q nao dava um palmo bem curtinho, e um salto bem alto e uma calcinha preta fio dental, entao gente fui apanhar o cara e quando cheguei advinhem: ela nao gostou do cara e fechou logo a cara e me chamou e falow q ele nao fazia o tipo dela, pois me surpriende com essa reação dela de abrir o jogo comigo e as intençoes dela se o cara fosse do perfil dela, entao rapidamente bebemos mais um pouco e chamei ele e falei q agente tinha q sair e coisas assim.

Gente e depois desse cara agente ainda conhecemos mais 3 q ela tb nao acabou gostando. Até q um dia, eu lembro como se fosse hj bate um belo papo com o ramom pelo msn e gente pensse em um cara experiente nesses assuntos de fantasias de casal, e trocamos celulares e ficamos conversando muito. até q na terça feira de carnaval de 2011 desse ano, eu e minha esposa planejamos ir numa festa carnavalesca um pouco distante da nossa casa e sem ela saber marquei com o ramom pra encontrar agente la, apos agente ja ter chegado e ele topou na hora, ai quando foi uma 9 da noite se arrumamos e fomos pra festa carnavalesca em um bar muito agitado e bastante gente desconhecida, gente quando chegamos sentamos e ficamos bebendo cerveja e depois de umas 3 cerveja ela se levantou e ficou dançando sozinha na mesa perto de mim, gente um detalhe q esqueci ela tava vestida: uma blusinha branca, um shortinho curtinho listrado verde com cinza, sandalia bem alta de cor creme, calcinha pequena vermelha e cabelo trançando q ela tinha feito. Entao gente apos ela levantar com uns 10 minutos ela ver um coroa amigo antigo dela de festa e comprimentou ele com sorrisos e mais sorrisos, e apos terminar o comprimento com ele, ela veio logo aonde eu tava e me falow no meu ouvido q esse coroa dançava muito e q ela antigamente em festa sempre dançava com ele, ai pronto ela ficou louca pra danar com ele, e eu concordei , e gente vcs acreditem q ela foi procurar ele e trousse ele pra nossa mesa pra dançar com ela na minha frente,o coroa ficou meio sem jeito mais logo deu um sorriso e ele ficou mais tranquilo e começou a dançar com ela agarradinho, nossa quando eu olhei a minha esposa agarradinha no pescoço daquele coroa q deveria ter uns 43 anos e ele agarrado na cintura dela se esfregando devagar nela e ela sorrindo e dando sinal q tava tudo bem, aquela cena foi muito legal e fiquei pau duro sentado na mesa bebendo e olhando a cituação, ele dançou uma musica inteira com ela pois deixei ela se sentir avontade o tempo todo, e esse coroa toda hora dançava com outras meninas perto dagente e depois vinha na mesa e ja se achava com toda moral e puchava ela pra dançar e ela adorava e dançava com ele se esfregando toda, e quando penso q nao o meu celular toca era o ramom dizendo q ja tava na porta da festa e eu chamei ela e fale no ouvido dela q iria buscar um amigo la fora e ela sorriu e falou tudo bem e continuou dançando com o coroa e eu fui la, gente nem sabia como era o cara e quando pensso q nao o meu celular toca dinovo e ela ele bem perto de mim , ai perguntei aonde ele tava e quando virei vi ele falando e levantando a mao, e só fiz chamar ele e conversamos um pouco, falei pra ele q ela nao sabia de nada ainda q era pra ele ficar normal na mesa bebendo com agente e ele de logo falou fica tranquilo amigo deixa comigo, Ai voltamos pra mesa e quando chegamos ela ainda tava dançando com o corou e só fiz apontar pra ele quem era a minha esposa, gente ele quando viu nem acredito me disse na minha cara: nossa cara tua esposa é muito gostosa meu deusq delicia, nessa hora fiquei todo sem jeito e sorri, ai ela nao demorou muito terminou de dançar com ele e veio pra mesa e eu apresentei ele e ela beijou ele no rosto e tal normalmente, e continuamos bebendo na mesa e nao deu 2 minutos ele puchou ela pra dançar e ela foi, o ramom dançava bem tambem e ai ele começou a conversar com ela no ouvido e dançando , tipo elogiando q ela dançava bem etc...

e com um tempo ele foi no banheiro e ela veio logo no meu ouvido e perguntou, amor esse ai é um daqueles amigos né, e eu sem fazer misterio falei q era e ela falow q naquele dia nao dava q iria só beber e tal, e eu disse tudo bem, gente se passou o tempo rapido e a festa ja anuciava o final e isso era ja 2 da manhã e agente bebendo ainda, e foi quando acabou a festa e agente ainda tinhamos mais duas fichas de cervejas e ficamos bebendo ainda e o povo indo embora, quando terminamos de beber as cervejas ja nao tinha quaze ninguem e ja era 2 e 30 da madrugada, normalmente fui na frente e eles vieram conversando atras de mim normalmente, e quando veio o susto, tinha um carro de policia encostado na minha moto e veio logo o policial perguntar se eu era o dono da moto e disse q sim, ai ele veio me explicar o q tinha acontecido q tinha uns caras querendo roubar e que nao roubaram por causa de um motoboy q começou a buzinar e falar pra eles largar a moto, ai tudo bem o pior nao tava ai, era q eu nao sou habilitado, e o documento da moto eu tinha perdido um dia antes, e o policial me pediu o documento da moto, ai eu fui explicar pra ele, e ele ficou desconfiado q a moto nao era minha e me pediu os meus documentos, nesse momento falei pra minha esposa leticia e ramom ficarem me esperando q eu iria resolver aquilo, gente enquanto eu resolvei aquilo com os policias, a leticia e ramom ficaram em uma certa distançia mais dava pra mim ver eles e no local q o espertinho do ramom levou era escuro e só dava pra ver o corpo deles em forma de sombra, conversa vai e conversa vem com os policias e se passaram 20 minutos nisso, e resolvi o problema , mais tive q ligar pra um amigo meu e chamar ele pra pegar a moto pois eu nao podia por causa da habilitação, eu comprovei q a moto era minha mais os policias falaram q só poderia liberar a moto pra alguem q seja habilitado, ai meu amigo veio e infelizmente fomos pra casa, e ramom foi pra dele. e agente tinha deixado a nossa filha na casa dos meus pais e tinhamos combinado em ir dormir, ai quando fomos dormir em um quarto la na casa dos meus pais , ela veio pra cima de mim beijando e me falando q era pra ter rolado tudo naquele dia, e que nao rolou por causa do problema da moto, ai eu começei a dar uns amassos nela e perguntar o q tinha rolado com ele naquela hora q eu tava com os policias, ela começou a sorrir e falando q tinha só conversado muito com ele, e q tinha gostado dele, ai eu tirei a roupa dela e a minha coloquei ela em cima de mim e comecei a beijar ela e meter nela, e perguntando o q ele tinha feito pra ela ter gostado dele, gente ela começou a se abrir e disse: ele fez o que tu queria amor, e eu com tesao perguntei o QUE?

ai ela disse pra mim ligar pra ele q concerteza ele iria contar, e eu disse td bem. ai eu comecei a fuder ela e perguntar: tu me fez de corno foi amor? e ela confirmava q sim e que eu tava pedindo e ela fez sim, mas ela fala q era pra ter sido melhor pois só rolou poucas coisas e ainda me disse q ele tava louco pra fuder ela e que ela tambem tava louca pra fuder com ele, ai terminamos a tranza gente dormimos e no outro dia liguei pro ramom e ele todo alegre me contou tudo, me disse: nilson beijei muito a tua mulher, beijei o pescoçinho dela, meti alingua no ouvido dela, apertei bastante a bunda dela, meti a mao por baixo do shortinho da tua esposa e peguei na calcinha dela e puchei pra cima chega ela arrebitava a bunda todinha pra cima e eu beijando a boca dela de lingua, peguei a mao dela coloquei pra segura o meu cacete por cima da calça e ela seguro e falou q ela muito duro ele, nilson ela tava doida pra fuder cara, e eu dei muitos amassos nela e ela ficou louca cara, beijei a barriguinha dela, abaixei aquele shortinho dela virei ela de costas e so de calcinha toda no rabo ele afastou e chupou ela toda q ele disse, e quando penssa q nao eu tinha resolvido o problema e tinha q ir embora......gente depois desse dia nunca mais vimos o ramom pois ele tava em sao luis-maranhao a trabalho, mais ainda quero encontrar um amigo igual a esse pra terminar o serviço....abração nilson. imail: esposaliberada19@hotmail.com
 

 

Com o Primo na Balada

Olá povo! Me chamo Douglas, e sempre leio os contos aqui do site
O que vou contar agora aconteceu de ontem (25/11) pra hoje.
Vou mudar os nomes e os lugares, só por segurança, hehe
 
Eu nunca tinha ido em uma balada antes, só matinês por aí, e poucas ainda.
Um amigo meu chamado Lucas me chamou pra uma balada GLS que tem aqui na cidade, seria festa com espuma.
Eu tava muito animado e tals, e fui de boa. Chegamos na porta da balada, vejo meu primo nerd. Ele tem por volta de 1,70, uns 75k, olhos castanhos e cabelo preto.Eu não falo muito com ele, só via ele no onibus de manhã, sempre cheio de livros e com o fone, e ele não saía, bebia ou fumava. Totalmente nerd.
Meu amigo correr pra abraçar ele e ficou pulando, e eu estranhei, afinal, achava que ele era hétero.
Aí a coisa desandou quando ele parou de pular e deu um selinho nele. eu fiquei muito bobo, aí fui pra perto e perguntei:
-vocês se conhecem?
Meu amigo disse que sim, que eles tinham ficado já.
meu primo olhou pra mim e estendeu a mão.
-Não vai cumprimentar?
Na hora que fui apertar a mão dele, vi que tava com um cigarro, eu fiquei boquiaberto haha
De boa, entramos na balada no meio dessas revelações e começamos a dançar.
Quando começou a cair a espuma as bichas começaram a se pegar, e eu vi o meu primo e meu amigo se pegando na parede. Só que começou a tocar Lady Gaga e meu amigo saiu e foi dançar, e meu primo ficou com cara de "Que porra foi isso". aí eu cheguei nele e falei "Também quero!" Então começamos a nos pegar na parede, o meu amigo chegou, a gnt deu um beijo triplo, fomos pro dark, mas só pra ficar de beijo mesmo, foi bem legal.
Quando deu umas 4:30, saí com meu amigo pra pegar onibus pra casa, a festa tava chata já. o meu primo ia pra casa de uma amiga.
Cheguei no terminal e meu nibus só ia sair as 5, então eu peguei o Circular e fui pro outro terminal, e lá me informaram que meu outro busão só ia sair as 5 também. fiquei puto, mas fui pro lugar onde ele passava. Quem tava sentado no banco?? Meu primo haha
Sentei do lado dele e a gnt começou a conversar até o onibus passar, pegamos, de boa.
No busão, quando ficou só eu e ele de passageiro, ele passou a mão no meu pau por cima da calça e perguntou onde tava meu pau.
Olhei pra ele e falei que ele ia ver quando a gnt chegasse em casa.
Quando a gente chegou no meu condomínio, ele me levou pra trás de um bloco e começou a me beijar e passar a mão dentro da minha calça, até que ouvimos um barulho e eu pedi pra ele ir dormir em casa, com cara de safado MESMO. ele aceitou, tomamos banho, comemos e ficamos vendo TV, até umas 11 da manhã, quando minha mãe acordou, e eu disse que os meus tios tinham viajado (tinham mesmo) e o Guilherme tava sem chave de casa, mas que eles voltavam ainda hoje, e ele ia dormir aqui.
Ela disse que tudo bem e foi pra cidade comprar algumas coisas.
Assim que ela saiu, levei ele pro quarto, joguei ele na cama e começamos a tirar a roupa. Tirei a camisa dele e vi que ele tinha um tanquinho LINDO DE MORRER, e um peitoral maravilhoso.
Começamos a nos beijar e eu tirei a cueca dele, me vi com um pau de uns 17 ou 18cm, grosso, e caí de boca, enquanto ele gemia baixinho. Enquanto eu chupava, ele puxou minhas pernas pra cima da cama, e fizemos um 69, no qual ele começou a lamber meu cuzinho.
foi pro pau, colocava um dedo, depois dois, e eu só gemendo. Ele me pediu camisinha, fui no armário, peguei e peguei KY tbm.
encapou o pau, encheu de KY e veio com tudo. Doeu, mas foi uma delícia.
Enquanto ele metia comigo de 4 eu gemia alto, pedia mais, falava safadezas. Ele tirava até a cabeça e metia de vez, tava muito gostoso. ele me virou de barriga pra cima, o que eu não gosto muito, pq sou gordinho (1,82 e 85kg), mas nem me importei, rebolava no pau dele e gemia. quando ele falou que ia gozar, tirei o pau dele e arranquei a camisinha. Ele começou a se masturbar e gozou em cima de mim, me abraçou e disse que era minha vez de gozar. Começou a me chupar e ficou assim por um bom tempo , até que eu gozei. Ele parou, me beijou e disse que tinha gostado do meu gosto, aí ficou de 4 com a bunda na minha cara e começou a me chupar de novo. eu alternava entre o pau e o cuzinho dele, e ele caia de boca em mim. Ficamos assim uma meia hora, aí eu começei a dar sinais que ia gozar de novo, e ele chupava mais rápido e com prassão. Gozei na boca dele, e ele gozou em mim praticamente junto. Ficamos nos beijando, misturando nossas porras, e dormimos abraçadinhos. Depois disso minha relação com meu primo nunca mais será a mesma.
Caras mais velhos, de 25 a 35 anos, ativos, da região do Alto-Tietê em SP, que gostem de sexo normal, sem esquisitices e muito carinho, mandem um e-mail. Tenho 19 anos, 1,80, 85k, gordinho, gostoso, safado, não afeminado e discretíssimo. Não pra afeminados. E-mail: somebody17@live.com

 

Roseli, casada e serva

Este relato é real e, ao meu pedido meu DONO e SENHOR a escreveu. Dei-lhe as minhas impressões de nosso primeiro encontro (de uma série que espero seja muito longa) e Ele às adaptou, conforme sua vontade. Meu nome é Roseli (nome real), moro em Uberaba - Minas Gerais - exerço a profissão de professora do ensino médio, mas no meu tempo livre sou revendedora de uma empresa de materiais de escritório para empresas, que me gera um relativo rendimento. Sou uma mulher balzaquiana, 35 anos, casada, não vou dizer que sou bonita, mas me acho bastante simpática e expressiva, tenho 1,60 cm., 55 kilos, cabelos castanho escuro, olhos castanhos, peitos tamanho médio, mas no tamanho certo com toda certeza, só minha bundinha é pequena, mas bem feitinha, a acho atraente. Faço ginástica e caminhada, procuro conservar-me bem feita de corpo, mas por onde passo chama atenção até mesmo das mulheres, incrível mesmo. Tenho pernas grossas na medida que dizem ser a ideal. O que se destaca em mim é minha xaninha, é bem fofinha, mantenho-a sempre depilada. Conforme a calça comprida que eu use, fica a mostra o volume da minha bocetinha, porque é um pouco maior do que a maioria das mulheres. Sou casada com Osvaldo, homem muito ciumento e meio abrutalhado, embora me seja fiel. Estamos casados há 09 anos, temos um lindo menino de 11 anos. Pois bem, ele foi o primeiro e o único com quem fui pra cama até conhecer meu DONO e tudo vai muito bem com a gente, mas vou contar-lhes minha história. Meu marido tem um hábito horrível, gosta de fazer graça e rir de homens que as esposas traem com outros, brinca debochando bastante daqueles que são cornos, são brincadeiras de mau gosto e conta piadas grosseiras, seus amigos tolos como ele, caem na risada. Nem tem idéia que ele próprio está sendo passado para trás por mim, pois tenho um SENHOR e DONO a quem venero: DOM GRISALHO. Enquanto meu DOM me quiser estarei aos seus pés, fazendo tudo que Ele quiser ou mandar.
 
O chato do meu marido adora falar de estórias que conta de homens que levam chifres de suas parceiras, sem saber que com isto está me incentivando cada vez mais a procurar e ser servil o meu DONO. Eu mesma virei uma submissa sem nunca ter imaginado em trair meu esposo, pois sempre fui somente dele e nunca senti necessidade de procurar alguém. Ele me satisfaz na cama e tem um pau de razoável proporção (menor que o meu DONO), além de amá-lo muito, mas as influências e as oportunidades e, ainda as brincadeiras estúpidas que tanto me incomodavam, fazem coisas que nunca imaginaria fazer. Com o tempo vim a descobrir através de sites de bate-papo pela internet, sei hoje que tenho uma necessidade imensa de ser subjugada por completo por um homem que me humilhe e que me faça rastejar aos seus pés, que me use e abuse como seu ego desejar. Serei sincera e contarei a vocês, descobri que gosto de levar umas boas lambadas na bunda por meu SENHOR. Quem, como eu, que descobriu esse fetiche gostoso que é o spanking, já experimentou e sabe como é bom, claro que feito por um verdadeiro HOMEM, desses poucos que existem e que sabem dominar uma fêmea como eu, ávida de submissão.

Mas vamos lá, contarei a vocês como conheci DOM GRISALHO, meu DONO e SENHOR e com Ele vim a descobrir o que realmente eu sou e gosto de ser: escrava em todos os sentidos. No ano passado, fui convidada a participar de uma feira no Anhembi, em São Paulo. Fui escalada para representar a empresa por conhecer bem o material que fabricamos e ter facilidade de comunicação e além de tudo boa aparência. O duro foi em casa para convencer meu esposo de que eu deveria ficar uma semana fora, hospedada em hotel. Ficou extremamente chateado, chegou a ficar emburrado comigo, tentou de todas as formas fazer-me desistir da empreita. Com muita paciência fui dando-lhe explicações de como era importante para meu crescimento profissional e, fora isso me renderia uma boa grana a mais no fim-do-mês, já que receberia uma percentagem nas vendas efetuadas na Feira. Com esse argumento de ajudá-lo um pouco nas despesas de casa, pelo menos dentro do próximo mês, autorizou-me, mas ficou dando-me conselhos de como devo me portar, de como me vestir, etc. Escutei-o passivamente e concordei, mas mal eu sabia de que não iria cumprir nada de minhas promessas, rsrsrsrs

Estava deslumbrada pela oportunidade de andar de avião pela primeira vez. Cheguei à capital paulistana sexta-feira à noite e já no sábado iniciamos a arrumação dos produtos que vendemos nos estandes. Viemos em oito pessoas, de cidades diferentes e trabalhamos duro no fim-de-semana todo. No domingo a tarde, por volta das 14,00 horas, apareceu um dos diretores de nossa matriz. Cinqüenta e poucos anos, cabelos totalmente grisalhos, educado ao extremo, alto astral e sorriso fácil. Brincava com todos, mas parecia que não tinha me visto. Quando chegou próximo a mim, olhou-me, ficou mudo, olhar fixo, seus olhos castanhos ficaram brilhantes quase que imediatamente ao me notar e ficou me encarando. Eu não sabia nem o que fazer. Eu fiquei meio envergonhada. Apesar de comunicativa, sou meio tímida, estava de macacão de trabalho, suada e suja pela necessidade de concluirmos o estande. E ele todo arrumado e cheiroso, bonito, com aparência muito charmosa. Eu simples, confesso que fiquei sem jeito!
Ele parece que saiu dum transe e perguntou meu nome, eu disse: “Roseli!”. Ele respondeu:
- Meu nome é Antonio, sou diretor da sociedade em São Paulo. Você é nova na empresa?
- Sim Senhor, estou a três anos representando nossa firma em minha cidade...
- Só pode ser por isto que eu não a conhecia. Se tivesse te encontrado alguma vez, nunca esqueceria seu rosto. Já te disseram que você é uma mulher muito bonita? Agradeci o elogio e tratei de sair de perto dele. Fiquei também muito impressionada com Ele, mas nem pensava em outra coisa a não ser no trabalho. No finalzinho da tarde, ele apareceu outra vez com uma latinha de refrigerante gelada e ofereceu pra mim e ficou em volta conversando enquanto eu trabalhava. Perguntou tudo da minha vida, e eu não podia dar a atenção que Ele queria, estava com pressa, pois no dia seguinte à tarde era a abertura da feira. Mas mesmo assim conversei um pouco, eu com um tom bastante respeitoso com Ele, claro era meu diretor e tinha que ser educada pelo menos, afora ser cordial, mas estava achando-o lindo, mas procurava não demonstrar que me admirei com Ele, pois não sei o que poderia pensar e acima de tudo eu era casada. Meu marido mesmo sendo meio “brucutu” eu gostava dele e não pensava em ter nada com ninguém, especialmente durante o período da Feira.
Pela manhã da segunda a correria foi total e, às duas da tarde, na abertura da Feira ao público, já estávamos num uniforme lindo preparado especialmente para nós. Saia curta, sem exageros, cerca de meio palmo acima dos joelhos, verde clarinha que é a cor padrão da empresa, camisa de tecido fino branco e um lencinho no pescoço. Ficamos charmosas, me senti realmente importante, à altura de poder bem representar a companhia e ajudar a tirar pedidos para que gerasse um bom rendimento.

Um dos primeiros a entrar no estande foi o Sr. Antonio. Brincou com todos e quando chegou a mim, deu-me um sonho de valsas, bombom que adoro. Não saía de perto de mim, elogiando-me a todo instante, dizendo que assim eu partiria corações e que as pessoas nem prestariam atenção aos produtos expostos, etc.... Eu só ria das suas brincadeiras e ele se derretia em atenção comigo. Minha colega dizia: “Então hein Roseli, já arrumou companhia pras noites frias... ”Pare com isto!”, eu dizia. “Ele só é gentil comigo!

Mas eu também sabia o que ele queria. Na terça-feira, antes do início da feira, o Sr. Antonio chegou com uma caixinha de presente. Abri e dentro dele havia uma linda bonequinha em cristal brilhante. Adorei o presente, Ele disse que era para deixar num lugar que eu pudesse ver todos os dias e lembrar-me D’ele, e para começar desejava me oferecer o jantar após a feira. “Desculpe Sr. Antonio, não posso, tenho que arrumar as coisas para amanhã. Além do mais, tu sabes, sou casada e não ficaria bem sairmos sozinhos...” Ele então convidou minha colega para ir junto. Diante do fato de termos uma acompanhante, não tive como recusar, pois Ele era tão atencioso que seria até uma descortesia.

Às 22h30, saímos da exposição para um restaurante. No carro de meu diretor eu e Clarissa (minha colega de stand) demos muitas voltas pela cidade de São Paulo. Para mim tudo era novo, estava conhecendo lugares maravilhosos, tantas coisas bonitas vi que fiquei extasiada inúmeras vezes. Antonio (já não o mais chamava de Senhor Antonio) realmente foi um excelente cicerone porque me apaixonei pela grande metrópole, belíssima, completamente diferente de que eu poderia imaginar. Chegamos num restaurante muito fino, lugar agradável, bom atendimento, comida boa e leve, acompanhado de um vinho tinto de excelente qualidade, bebida que aprecio. Conversa vai, conversa vem, chegou outro senhor que viemos, a saber, que era o gerente de vendas da fábrica em Goiás. Enturmamo-nos e, após o jantar, o colega de Goiás convidou-nos para esticar a noite numa balada. Eu agradeci e recusei, mas minha colega aceitou e foi com ele deixando-me sozinha com Antonio. Fiquei preocupada, pois estava com receio do que pudesse acontecer, já que era charmoso e encantador ao extremo e eu estava um pouco alta pelo vinho que tomei.

Antonio me serviu mais vinho e derretia-se em elogios, eu não sabia mais como proceder em relação a Ele. Num determinado instante pegou em minha mão e rapidamente puxei de volta e disse, “Sou casada!” Ele retrucou: “Eu também!” Segurou mais forte. Pedi pra ir embora e me levar embora pro hotel. Ele em resposta me pediu só mais um pouquinho de tempo que fosse suficiente para terminar a garrafa de vinho. Concordei diante dos seus argumentos. Serviu meu copo e sentou-se mais próximo de mim. Senti o calor de seu corpo, seu perfume gostoso de homem que se cuida. Colocou sua mão no meu rosto e virou pro seu lado, me olhou nos olhos e disse: “Eu te quero hoje!”

- Tá maluco? Já disse que não pos....”, não consegui terminar a frase. Ele calou-me com um beijo mágico. Nunca senti uma coisa dessas, meu corpo ficou todo mole, deu um frio na barriga. Fiquei sem forças. Eu sabia que ele iria atacar, mas não esperava que fosse ali num restaurante com muitas pessoas.
Colou seu corpo contra o meu e sua língua invadiu minha boca como se quisesse explorar o inexplorável. Nossas línguas se cruzaram, eu fiquei inerte. Ele mordeu meus lábios e eu quase perdi a consciência, mas num raio de prudência empurrei-o e disse: “Pare com isto, por favor, me leve para o meu hotel!” Antonio então chamou o garçom, acertou a conta e saímos. Colocou seu braço sobre meus ombros e saímos como namorados.
 

Como bom cavalheiro, abriu a porta do carro para eu entrar. Saímos pela cidade, Ele pegou minha mão e agora não recusei. Em seguida, passou seu braço sobre meus ombros, fiquei bem pertinho dele. Minhas resistências estavam sendo minadas. Deitei minha cabeça em seu ombro. Estava meio tonta pelo vinho e a gentileza daquele homem estava me fascinando. Nunca tinha sido tratada assim. Resolvi deixar as coisas acontecerem, se tivesse que ser D’Ele, seria. Não seria a primeira vez que trairia meu marido, embora não fosse uma depravada, apenas duas escapadinhas dei depois de casada e, mesmo assim apenas uns amassos mais fortes, sem transar.
 
Quando chegamos ao hotel, ele saiu do carro, abriu a porta, deu-me sua mão para eu descer. Estava me sentindo uma princesa. Dirigi-me ao quarto e Ele atrás de mim, subiu junto a mim e inexplicavelmente não reclamei, eu o queria mesmo, agora já sabia, o tesão estava incontrolável. Quando abri a porta, achei que havia pegado a chave de outro apartamento. Três arranjos de flores, um mais lindo que o outro, o quarto todo decorado, em cima da mesa um champanhe num baldinho de gelo com duas taças ao lado, tudo à luz de velas. Antonio havia já preparado o ambiente, deixando-o simplesmente magnífico, era um homem que sabia fazer o que queria e atrair quem quisesse. Eu estava com a calcinha totalmente molhadinha, esperando apenas que Ele viesse e me tomasse. Nada mais queria e nada mais eu pensava, a não ser submetida por aquele homem, eu era a fêmea ávida por aquele macho, o que mais desejava naquele instante era que me fizesse ser dele.
 
E Ele não perdeu tempo, tomou o que sabia que já pertencia a si, não resisti e nos beijamos loucamente. Estava satisfeita sendo despida. Queria aquele homem enlouquecedor, sentia nele uma força inexplicável. Dava-me a impressão que já era D’ele há muito tempo. Tirou-me peça por peça de minhas roupas, tudo caindo no chão, Ele o fazia com uma maestria incrível. Eu compreendi que não mais me pertencia e sim a Antonio. Fiquei nua, minha timidez acabou, queria aquele macho penetrando-me. A cada instante eu ficava mais tensa e excitada, o cheiro de sexo dominava o apartamento.
 
Nos meus pensamentos veio a lembrança de Osvaldo, meu marido, mas não consegui sair dos braços de Antonio, fiquei como hipnotizada, completamente a mercê daquele homem. Ele tirou suas roupas, despiu-se quase por completo, deitou-se na cama e mandou que eu beijasse e lambesse os seus pés. Achei estranho o pedido, nunca havia feito nada parecido, mas estava ainda inebriada pelo álcool e pelo tesão que fazia com que eu jorrasse minha excitação pelas coxas abaixo. Afinal, enlouquecida pela situação, continuei na brincadeira e então tirei suas meias (únicas peças que ainda conservava), após retirá-las com as mãos, senti seu cheiro inebriante, o cheiro de suas meias impregnava-me, até os pés eram cheirosos. Não sabia o que fazer mais para contentá-lo, eu sabia que o queria da forma que Ele me quisesse. Não perdi tempo e lambi cada dedo, demoradamente, pausadamente, tentando não arranhar com os dentes; minha língua passeou muito pela extensão dos seus pés, por cada milímetro de cada um daqueles lindos pés, estava tão excitada que não agüentei e com as mãos comecei a acariciar suas pernas e coxas. Não posso deixar de afirmar que nunca vi um pé tão perfeitamente bem cuidado, limpo, a idéia de sua virilidade começa pelos pés – foi a impressão que ficou marcada em minha mente.
 
Continuei chupando, agora lhe subindo pelas pernas, até chegar as coxas, onde fique mais tempo, o cheiro de Antonio era gostoso demais, aquele homem exalava um perfume que me enchia as narinas. Era realmente um homem especial, o melhor que já tive em toda minha vida.
 
Cheguei à sua virilha, comecei a passar os dedos de leve em seu saco, deixando-o mais louco ainda, rsrsrs Enfim mandou-me lamber e chupar seu pau, não esperei outra ordem e lancei-me em cima daquele músculo grosso, grande, duro o tempo todo, fui ao delírio. Não hesitando eu caí de boca literalmente e me surpreendi pela voracidade com que Ele gosta de ser mamado, na verdade Ele fodia minha boca, o fazia de tal maneira que era quase como se eu tivesse que reaprender a chupar um pau; o pau dele parece ter vida própria – Ele enfiava até o fim, fazendo com que eu perdesse as contas de quantas vezes engasguei nesse pau; algumas vezes essa voracidade com que entrava fazia com que eu roçasse os dentes; o que poderia machucá-lo. Foi quando levei um tapa com força na cara, fiquei sem saber o que fazer. Olhei para Ele e mandou-me continuar chupando-o, falei que não faria se me batesse e com isso consegui é levar mais dois tapas e bem mais fortes. Fiquei com medo, o que fazer! Mas o tesão era demais, fiz o que me mandou, abocanhei aquele lindo pau, enchi toda a minha boca.
 
Antonio mandou-me parar e disse-me, em alto e bom tom: Aprenda e não erra, de agora em diante chame-me apenas de DOM GRISALHO, serei seu DONO e você minha escrava. Não entendi e nem sabia nada do que me falou, o torpor da bebida e o tesão eram grandes, apenas tinha idéia que iríamos trepar e muito naquela noite, o que eu não entendia era que estava virando um brinquedo na mão desse homem, por sinal maravilhoso.
 
Engasgos seguidos, e pau entrando, e eu abrindo a boca, e babando, e engasgando – quando num dado momento tirei o seu PAU de minha boca para recuperar o fôlego, as lágrimas caíam de meus olhos. Esperava mais uns tapas como antes, porém Ele riu da situação, com um poder que só quem tem verdadeira vocação pra mandar; acalmei-me imediatamente e retomei meu dever: agradar meu SENHOR, chupando mais uma vez seu pau; e também foi quando em seguida começaram uma série de tapas, fortes, deixando minha bunda com marcas avermelhadas, e ainda chineladas que alternavam com sua mão. De início eram doloridas não nego, mas conforme a excitação tomava conta de mim, não ligava para a surra, queria era chupar, chupar aquele homem extraordinariamente gostoso.
 
Quando Ele quis, Ele me comeu – sem camisinha, mas como pedir a meu agora DONO para usar? Eu o senti enfiar os dedos na minha xana, senti que o estava preparando pra seu cacete, Ele conseguiu enfiar quatro dedos, eu não sou larga ainda - sei que em breve esse fato mudará em minha vida inclusive. Enfim, quando ele enfiou o cacete, dizendo que não gozaria dentro vieram várias campanhas na minha cabeça; várias informações, milhares de pensamentos e ao mesmo tempo uma sensação tão diferente de tudo o que já senti – que me senti incapacitada de pedir pelo uso da camisinha; talvez pela certeza de que não faria ou fará qualquer mal pra mim – e pela convicção de que Ele sabe o que é melhor pra mim eu apenas queria sentir aquele pau entrar, rasgar, detonar minha bocetinha – uma sensação de prazer pleno tomou conta de mim. Nunca senti tanto prazer; em alguns momentos eu quase gozei sem me tocar; eu que nunca tive, não tenho e não quero ter controle do meu gozo, eu que raramente me masturbo, eu que gosto de gozar sem me tocar – quando verbalizei que estava quase gozando, estupefata fiquei, pois ouvi de meu DONO que não tinha permissão pra gozar.
 
Nenhuma outra palavra define tão bem o que senti - como fazer pra não gozar? E se gozasse seria punida de alguma forma e estaria decepcionando-o. Não sei como consegui não gozar em vários momentos, a cada estocada mais fundo. E eu pensava que bela surpresa a vida me deu, estava servindo um DOM que sabe foder como poucos, que sabe extrair de uma mulher a sua submissão pelo olhar, ele consegue uma entrega que poucos têm o poder de conseguir.
 
Colocou-me de 4, enfiou o pau bem devagar, pegou pelos cabelos e começou a bombar forte, eu gemia, estava adorando meu SENHOR, gemi e com sua autorização gozei, gozei. Um gozo espetacular, nunca havia sentido algo tão esplendoroso. Eu já estava com as pernas bambas super relaxadas e pedindo para descansar. Alguns minutos depois Ele virou-me de costas e empinou minha bundinha em sua direção. E vagarosamente começou a lamber meu cuzinho lindo, eu gemia, que delicia, o que eu tinha perdido na minha vida todinha estava recuperando agora. Eu urrava, nunca tinha sentido tanto tesão na vida.
 
Em vários momentos, o meu DONO bateu na minha bunda, que ficou muito vermelha, muito quente, e assim aquecia seu pau. Em outro momento, o meu DONO levantou e falou que eu deveria descansar um pouco, mandando-me deitar tranqüila, refazendo-me para continuar aquela noite de PRAZER alucinante.
 
Surpreendeu-me que eu não sabia o que esperar – se um carinho, um cacete engasgando na minha garganta, um tapão ou as mordidas quem me levaram às lágrimas e deixaram hematomas – hoje 3 dias depois dessa sessão ainda tenho marcas de suas mordidas nas costas, onde sua barba cerrada alternava mordidas com carinho – explorando cada centímetro das minhas costas, surpreendendo-me em como o meu SENHOR sabe tocar uma mulher, transformando-me em uma verdadeira vadia a seu serviço.
 
Algum tempo depois, não sei precisar quanto me mandou ficar de quatro e arrastou-me ao banheiro, puxou-me como uma cadela no real sentido da palavra. No tolete Ele sinalizou que eu deveria me ajoelhar e abrir a boca, Ele avisou-me que seria premiada com a sua Chuva Amarela, explicando-me o que era e senão aceitasse levaria uma surra que nunca mais esqueceria. Com excitação e medo ao mesmo tempo instintivamente soube que não poderia deixar cair uma única gota, e assim fiz, abri a boca ao meu SENHOR. Em alguns momentos quase não consegui engolir pelo fluxo da vazão que vinha do seu mijo, mas como foi bom conseguir me superar e engolir todo o liquido que ele ingerira durante o dia. E, por incrível que pareça, eu estava feliz, arreganhada sim, mas extremamente satisfeita, como nunca estivera em toda minha vida.
 
Depois de 4 horas de foda continua, onde seu pau só amoleceu quando Ele me mandou fazer massagem no seu corpo, e assim procedi - cada pedaço do seu corpo foi tocado com muito respeito, carinho e devoção - para que Ele relaxasse. Depois de muita ação, noite já feita – ele levantou e depois de pouquíssimo tempo despejou em minha cara todo seu mel, a quantidade de que ejaculou foi imensa, foi direto na minha garganta, satisfeita assim fiz, não caiu nada de minha boca.
 
Sai de lá com a bunda cheia de vergões, as costas muito marcadas, mas o importante é que proporcionei prazer ao meu DONO, Ele sabe o que é melhor pra mim.
 
Muito obrigado meu SENHOR, pela chance de ser sua puta, escrava, de aprender com o Senhor como dar prazer a um DONO e como me superar sempre; estou a sua disposição quando e onde determinar – respeitosamente de joelhos agradeço por seu interesse e tempo gasto comigo. Sou completamente sua, roseli sua escrava hoje e sempre, enquanto me quiser estarei a sua disposição e se um dia não me aceitar mais, nenhum outro DOM procurarei, o meu SENHOR nesta minha vida é e foi mais que suficiente.
Hoje sou roseli, serva de DOM GRISALHO, e tudo que posso eu faço a Ele.
Uma mulher feliz que descobriu o homem de minha vida.
.-.-.-.-.-.-.-.-.-.
Se desejar receber outros contos de autoria minha autoria, entre em contato através de meu e-mail: dom_grisalho@hotmail.com– com certeza ficará satisfeito por poder ler meus trabalhos.

 

Ensinando Maria

Olá, me chamo Lívia, mas podem me chamar de Liv. Já mandei alguns contos e aindei sumida, mas tive uma experiencia a alguns dias que não podia deixar de compartilhar com vocês.
 
Maria é nova, tem uns 18 anos e mora proximo a mim. Ela tem cabelos longos loiros e lindos, naturais e bem lisinhos, uma bunda bem redondinha e gostosa e uns peitinhos médios deliciosos. Olhos castanhos claros, uma boca delicada e uma inocencia de deixar qualqueer um com um tesão danado. Ai que mulher gostosa!
E ela sempre gostou de mim, mas como amiga, pelo menos até chegar o dia...
 
Ela tinha brigado com o namorado magrelo dela, como eramos bem amigas ela sempre me contava os problemas. Ela dizia que descobriu que o namorado a traía com outra menina pq ela ainda era virgem e queria ainda esperar, pois não se sentia confortável. Conversei com ela, falei que homem era assim mesmo, que só pensava em sexo e não no amor (olha quem fala! rs). Conversamos bastante, perguntei pq ela não se sentia ainda confortável em ter relações sexuais e ela disse que tinha vergonha de fazer algo errado. Logo, vi uma oportunidade. Falei para ela: e se eu te ensinasse algumas coisas? Afinal, eu sou nova, mas tenho certa experiencia, rs. Ela ficou meio assim, em dúvida, com vergonha (ela ficou vermelhinha tadinha, rs). Então falei: "Faremos o seguinte, vou botar um filminho e se vc se sentir desconfortável eu desligo tah?"
Ela ainda ficou meio em dúvida, mas aceitou.
Liguei a internet e abri no PornTube e botei num video no qual tinha duas mulheres trepando, mas daqueles videos bem devagar e todo delicado. Ela já ficou surpresa, afinal era um video lesbico e ela, supostamente, é hétero. Falei para ela que era só para ela ver como são as coisas, que esse video era mais light e tudo mais, só para irmos devagar.
 
Ela aceitou e começou a ver o video. Primeiro no video as duas mulheres tiravam a roupa, se beijavam e chupavam os peitos, bem de vagar e romantico. Olhei para ela e vi que ela já estava vidrada no video. Já sorri: "peguei ela"- pensei.
Logo começou a melhor parte, uma das mulheres foi para a bucetinha da outra e começou a lamber. Primeiro devagar, lambendo o clitoris com delicadeza. A outra gemia de tesão. Depois foi ficando mais forte a chupada,era lingua e chupada, ficando mais frenético. A outra menina gemia, se retorcia de tesão. Até que a que chupava enfio um dedo na buceta da outra e começou o vai e vem. A outra gemia sem parar, alto parecia que ia gozar em breve. Eu já tava cheia de tesão, minha calcinha encharcada e doida para me masturbar. Olhei para Maria e ela ainda tava vidrada, com a mão na bucetinha, mas encima a roupa, fazendo caricias meio escondidas. Eu ri, ela já estava pronta.
Olhei para ela e disse: "Maria, vamos avançar em seu 'treinamento'"? Ela olho para mim com surpresa e dúvida: "como assim avançar?"-Perguntou ela.
 
Eu sorri e disse: "Faça como eu."
Então levantei minha saia e comecei a me masturbar. Devagar para que ela me acompanhasse: "Vamos, faça como eu, devagar"
Ela olhou meio com receio e foi introduzindo a mão dela debaixo do vestido que ela usava e começou tambem a se masturbar. Voltei a olhar o video, as meninasjá estavam na minha posção preferida, a tesoura. Estavam lá, coçando suas bicetinha uma na outra, gemendo e gritando. Eu já estava me masturbando, gemendo tambem e olhando para Maria que tambem já se contorcia de tesão. O olhar de prazer dela era tanto que me deixava com mais tesão! Continuei acariciando minha buceta, já d´um jeito mais frenetico, me contorcendo, gemendo até que finalmente gozei! E a vi dá uma gemina mais forte e gozar também, ai que delicia!
O video acabou e disse para ela: "Quer avançar mais?"
Ela deu umsorrisinho já safado e disse: Com certeza.
 
Ai que delicia, que tesão! Então fui me aproximando dela e......
 
Há! Fica para próxima. Senão fica grande d+ neh?
 
Quem quiser me add e papear comigo é só mandar email para livmacau@yahoo.com.br . Podemos ter garndes papos ok? Até a próxima!

 

Professor Malvado

Olá caros, este é o primeiro conto que posto, é o primeiro de muitas coisas que já vivi. Posso dizer que já experimentei muito em sexo com homens, de todos os tipos. Primos, amigos, colegas de esporte, na academia, na faculdade, na balada, estacionamento, infância, em banheiro público, na praia, casa abandonada, mato, parques, pedreiros, estranhos, casados, técnico de treino, bate papo, amigo do primo, irmão do amigo, enfin. Hoje estava lendo alguns contos, adoro fazer isso e bater uma imaginando como foi e, decidi escrever, hoje vou falar de um caso com um professor, digo professor porque é a profissão dele, nunca me deu aula a não ser na cama. Hoje tenho 21 anos, 1,70m e 68kg tive muita sorte nesse assunto e sempre tive atração por homens, homens machos. Sempre fui um menino bonito, baixinho, bunda e pau grande, e com corpo atletico, pois cresci praticando esportes de alto impacto. No final de 2005, eu navegando numa rede de relacionamento gay recebi uma mensagem desse professor que me chamou atenção pela foto, até ai não sabia quem era. Conversamos um pouco, trocamos msn e ligamos a cam, e realmente ele era um belo homem, do tipo que eu gostava, mais velho e maior de corpo, definido e firme, rosto e sorriso bonito, 35 anos, fiquei super interessado. Convesando com ele descobri que moravamos no mesmo bairro em Curitiba (a 3 ou 4 quadras +-), e que ele era professor universitário na UFPR. Como era final de ano eu ia viajar e ele também não deu para marcar, até porque eu tinha receio de fazer coisas assim com quem conhecia na web. Passado alguns meses o conheci pessoalmente, sem querer, eu voltando da aula e ele entrando em um restaurante próximo do colégio, ele me reconheceu e eu super sem graça, conversamos um pouco. Para a minha sorte eu estava voltando pra casa sozinho nesse dia, então ele entrou no restaurtante e eu segui em frente, o dias foram passando em começamos a nos encontrar sem querer pelo bairro, as vezes voltando do colégio, as vezes indo pro treino, na panificadora. En quanto as semanas passavam continuavamos a conversar pelo mns e eu sempre mentindo que ainda era virgen, aff. Até que um belo dia, no inicio das férias de julho/2006, encontrei ele no mesmo restaurante quando eu voltava do colégio, ele perguntou se podia me dar uma corona, eu ainda sem graça aceitei. Batendo papo, ele pergntou (vou escrever +- como foi o diálogo):
- Tem algum problema de você chegar mais tarde em casa hoje?
Eu nervoso respondi: - Acho que não.
- É porque eu to super afim de foder essa tua bundinha gostosa, e quero saber se você quer dar uma passada lá em casa?!
Eu fiquei espantadoe olhei pra frente, e pra me deixar mais nervoso ainda ele pegou a minha mão que estava em cima da mochila e colocou no seu pau que estava meia bomba. Comecei a massagear, e em menos de um minuto aquilo tinha virado um ferro e o meu pau latejando na calça do uniforme.
- Beleza, mas eu não posso demorar muito porque tenho que ir pro treino as 2 horas.
Eu menti, pois já estava de férias de todos os esportes que eu praticava. Estava com o corpo todo contraido e com muito tesão. Ficamos em silêncio até que chegamos na casa dele, na rua principal perto do lugar onde eu pego onibus, do pet shop que levava os cachorros e por onde eu passava todos os dias, eu pensei "Putz, tomara que ninguem me veja", tive sorte. auhsaushauhs
Quando eu sai do carro, já na garagem dele meu tesão aumentou, quando vi aquela enorme mala no jeans dele, pra esquerda. Tentei colocar a muchila na frente da miha pica pois estava pulsando muito e marcando na calça do uniforme da escola. Fiquei com vergonha, mas tenho certeza que viu porque quando olhei pra ele ele estava com um sorriso me olhando (parecia que estava me admirando), ele disse:
- Que tesão piá, to pirando te vendo de uniforme, você é virgem ainda?
- Sim. (muito nervoso, totalmente jacú).
- Daqui a pouco não vai mais ser, você vai gostar eu prometo pra você.
Menti de novo, não sei quando perdi a virgindade, sei que amo dar e tinha aprendido que isso deixava os caras muito afim.
Coloquei a mochila no sofa, e ele me abraçou forte pelas costas, senti a pica nas minhas costas e ele começo a beijar meu pescoço e meu rosto, levantei a mão e acariciei seus cabelos. Subimos, eu estava muito afim, mas estava com medo, eu disse isso mas ele não quis saber, deitamos e começamos as nos beijar, ele começou a tirar a roupa ainda nos beijando, eu peguei no peito dele meu tesão aumentou, era muito bem definido, quadrado com o mamilo grande. Nessa hora, já não ligava mais, relaxei e comecei a beijar o torax lisinho dele, chupava o mamilo, ai ele foi tirando a minha roupa, ficamos só de cueca, eu sentado em cima dele, deitei em cima voltei a beija-lo. Derrepente trocamos a posição ele ficou de joelhos com as pernas envolta das minha que estavam esticasa, olheo aquele pauzão na cueca branca e sentei na cama, comecei a passar a mão por cima da cueca mesmo, ele segurou a minha mão e colocou dentro assim que minha mão abraçõ aquela rola ela pusou, tirei e comecei a passar a lingua, ele começou a gemer, achei estranho mas continuei agora chupando, e os gemidos dele cada vez mais alto, e continuos. Eu estava me deliciando com aquele ferro detro da minha boca, ele forçava minha cabeça para chupr tudo mas nem sempre eu conseguia ir até o talo, estava muito bom, aquela cabeçona roxa, cheiro de pica, de sexo. Eu tava muito excitado. enquanto isso ele me chamava de criancinha, passivinha, meu aluninho, delicia... eu estava de olho fechado, mas ele me obrigou a chupa-lo olhando na cara dele. Adorei, pois, ara muito malvada, e eu sempre quis dar pra um professor do colegio, mas esse estava muito bom. Ele fala:
- Para, para, para, se não eu vou gozar agora.
Parei, ele levantou eentrou no closet, eu deitei. Quando voltou ja sem a cueca e com um tubo de lubrificante na mão (que eu anda não sabia que isso existia) e na outra um pacote de camisinha. Eu pensei: "meu deus, pra que tanta camisinha?!"
Ele deitou em cima de mim, me beijou e depois pediu pra que eu me virasse. Obedeci, ele tirou a minha cueca, abriu bem a munha bunda e começou a passar a língua, isso foi de mais, eu me surpreendi, pois também não sabia que isso existia, ele ficou um bom tempo lá, eu estava adorando aquilo.
- Ta chegando a hora, teu cuzinho vai receber uma pica hoje.
- Ta bom, mas vai de vagar.
- Relaxa.
Eu estava de bruço ele cima das minha pernas, começo a por lubrificante em mim, muito. Escutei o barulho da embalagem da camisinha e percebi que ele estava encharcando o pau com o lubricante também. Ele colocou a pica na entrada do meu cuzinho e começou a pincelar minha bunda com seu pau. Ai ele começou a forçar de vagarzinho, eu estava com muito tesão, com o meu pausando e meu cuzinho piscando. Senti a cabeça entrar, e mais uma vez pedi calma.
- Fica tranquilo garotinho, vou fazer de um jeito que vc não vai sentir muita dor.
Ele não quis nem saber, enterrou aqueles 19 cm +-, com tudo na minha bunda. Eu urrei, apesar de ja ter dando varias vezes antes, aquilo doeu muito. Ele ficou parado, com a rola dentro de mim. - Calma, já vai passar.
Ele ficou 1 minuto +- ali, eu eu falei: - FODE!
Aquilo foi muito gostoso, ele começou a meter sem dó, com muita força e rápido. Apesar da dor eu estava sentindo muito prazer. Aquilo estava muito bom. Mudamos de posição varias vezes, sentei na rola dele, ele pedia pra eu calvagar, rebolar, e continuava me chamando de garotinho, passivinho, delicia...
Fizemos varias posições, de quatro, em pé, de lado. De lado foi mais prazeroso pra mim, pela primeira vez gozei, dando o cuzinho sem me masturbar, o volume menor do que o normal, achei incrivel isso. E de lado mesmo comecei a me masturbar, ele virou a minha cabeça, me beijava, me xingava, me elogiava. Eu goze de novoi. Ele continuou metendo, e viramos de bruço de novo. E foi nessa posição que ele gozou, e soube disso, por que os movimentos com força diminuiram e foram metidas mais prolongadas, sentia o pau dele pusando dentro de mim, e mais groço agora. Cada pulsada parecia que estava me resgando. Fora que ele gemeu muito alto, muito, muito alto. Ficamos por um tempo deitado na cama. O professor me fazendo carinho, e eu adorando estar ali, me pediu que não contasse pra ninguem e descaradamente peguntou pra mim - Tem certeza que você era virgem mesmo?" - Disse que tinha, aff. Perguntou se eu queria comer algo, porque fui pra lá direto dá aula. Disse que não, precisava ir pra casa, Fui.

Transamos mais duas vezes durante ano de 2006, no final do ano mudei de bairro. Nunca mais o vi. Mas essa foi uma das trepadas masi quentes que tive até hoje. Nunca mais consegui gozar, apenas dando. Foi incrivel, passei dois dias +- ainda com dor e das outras vezes a mesma coisa.

Assim que der, posto uma outra aventura. Acho que o caso com o amigo do meu primo.

 
Quem queiser me add no msn ou mandar emais fique a vontade.
curitibano21@hotmail.com
 

 


Conteúdo sindicalizado