A evangélica

Meu
nome é Rogério, tenho dezoito anos, sou moreno 1,75, corpo malhado
devido ao futebol que pratico com freqüência. A estória que conto hoje
aconteceu há três meses e até hoje tudo parece ter sido uma loucura
muito grande.


Comecei a faculdade este ano, e na minha classe tem
uma garota que é uma tentação. Morena, mais ou menos 1,65 de altura,
magrinha, mas com um quadril de parar o trânsito. Seios médios, cabelos
encaracolados até a cintura. Lábios carnudos, um tesão. Seu nome é
Flávia. Eu e todos os homens da faculdade éramos tarados por esta
gostosinha. Mas ela sutilmente não dava chances a ninguém., Apesar de
nunca te-la visto com namorados. Ela era evangélica, se vestia muito
bem, apesar de não usar roupas curtas ou coladas, era sensual e sexy,
sem ser vulgar. Eu aos poucos ia me aproximando e fazendo amizade com a
Flávia, que era muito simpática e atenciosa com todos, e acabei fazendo
parte do grupo de estudo e trabalho dela. Certo dia marcamos para
estudar para uma prova de contabilidade em casa, a Flávia não tinha
tirado uma boa nota na primeira prova e marcamos um grupo de estudo.
Estava em cinco pessoas, Eu, o Paulo, a Renata a Flávio e o Sérgio. No
dia minha mãe deixou alguns petiscos feitos comprei algumas bebidas e
minha mãe foi dormir na casa da minha irmã, pois teria que ficar com
minha sobrinha no dia posterior.

O pessoal foi chegando aos poucos por
volta das 10:00 hs. Flávia foi a primeira, no dia veio com um vestido
florido e bem soltinho até a altura do joelho. Os rapazes chegaram na
seqüência e por último a Renata. Veio com um vestidinho bem leve de
alça e sem sutiã, curto, com os cabelos molhados, um tesão. A Renata é
loira, bem safadinha, 18 anos e já ficou com boa parte dos rapazes da
faculdade, eu inclusive, não tem muita frescura e topa qualquer balada.
Começamos a estudar e bebericar umas cervejas, menos a Flávia que só
tomou suco. A matéria estava bem puxada, e tínhamos muitos exercícios
para fazer. O clima esta gostoso, a Flávia esta solta e a Renata fazia
tudo para chamar a atenção, principalmente depois de uns Drinks que
inventei.

Os meninos discretamente tiravam casquinhas da Renata,
passando a mão em suas coxas, ou às vezes dando beijinhos em seu
pescoço. Eu direcionava todas a minha atenção para a Flávia, tentando
explicar-lhe a matéria e passando uma cantada naquela loucura, que
sempre se esquivava. Depois de um tempo a Renata se levantou alegando
cansaço e perguntou se podia fazer uma espanhola (batida de vinho com
abacaxi) na cozinha, Ela e o Sérgio foram pra cozinha, eu fiquei
sentado ao lado da Flávia que estava nervosa, porque não conseguia
responder um exercício e devido às cervejas o pessoal já estava
começando a brincar mais do que estudar. O Paulo então se levantou, foi
até atrás da cadeira onde ela estava sentada e começou a massagear os
ombro dela, dizendo que ela estava muito estressada e precisava
relaxar. Ela relutou um pouco, dize que ia embora, mas o Paulo que é
bem forte e fez curso de massagem, forçou o corpo dela e disse que ela
estava precisando relaxar e depois voltaríamos a estudar, disse que ela
estava muito pressionada e assim não ia aprender nada. Ela então
relaxou e deixou ele fazer a massagem, ela descia a mão pelos braços
dela, massageava a nuca e os ombros e pediu para que eu fizesse uma
massagem nos pés dela. Ela ficou meio sem jeito, mas o Paulo por algum
motivo conseguiu controla-la e aos poucos ia a seduzindo com a
massagem. Peguei seus pés coloquei no meu colo e comecei a
massageá-los, ela fechou os olhos e as mãos do Paulo começaram a
deslizar pela sua barriga, subindo pela sua cintura, braços e ombros.

Ele falava baixinho perto dos ouvidos dela, e eu já subia minhas mãos
pelo seu tornozelo e joelho. De repente as mãos do Paulo descem até os
seios dela e os massageia. Flávia tomou um susto e tentou se levantar,
mas outra vez o Paulo a dominou e continou a apertar seus peitinhos,
ela se contorcia e não sabia como reagir a esta situação. Olhei em
direção a cozinha e vi que a Renata e o Sérgio assistiam a tudo
trocando uns amassos entre eles. O Sérgio levantou o vestido da Renata
e começou a massagear a bucetinha dela enquanto chupava seus seios.
Vendo aquilo eu fiquei louco, e deslizei minhas mãos para a xaninha da
Flávia, que estremeceu, estava assustada
e cheia de tesão, sua calcinha estava molhadinha e o Sérgio aproveitou
a falta de reação dela, para deslizar suas mãos para dentro do vestido
dela e apertar seus peitinhos por sob o vestido. Eu abri as pernas da
Flávia, ajoelhei entre elas, puxei a calcinha de lado e enfiei a língua
em sua bucetinha. Ela ficou louca, se levantou da cadeira, disse que
estávamos todos loucos e que ia embora.

O Paulo a segurou pelos braços
e mostrou a Renata, ela estava chupando o Pau do Sérgio, então ele
falou pra Flávia que ela só sairia se chupasse ele e eu. Ela gritou e
tentou se desvencilhar, mas tomou um tapa na cara do Paulo que a deixou
assustada, ele a chamou de putinha, abaixou seu vestido, deixando só de
calcinha e sutiã. A Renata se aproximou e deu outro tapa no rosto dela,
começou a massagear a xaninha da Flávia e falar palavrões em seu
ouvido. A Flávia assustada e chorando estava atônita, aproveitei para
tirar seu sutiã e chupar os seios mais deliciosos que já tinha visto na
minha vida. O Sérgio puxou a Renata, pegou ela no colo, encaixou seu
pau na entrada da gruta dela e começou a fode-la de pé ali na nossa
frente. A Renata toda fincada no pau do Sérgio, gemia e mandava a gente
comer a Flávia, O Paulo, então tirou seu pau pra fora pegou nos ombros
da Flávia e forçou a cabeça dela em direção daquela tora enorme. Ela
acabou ficando de quadro e começou a chupar a rola do Paulo que fodia a
boca dela como se ela fosse uma puta. Eu fui para trás dela e comecei a
chupar sua buceta e seu cuzinho. Ela gemia e rebolava na minha cara até
que gozou na minha língua.

Não demorou e o Paulo gozou na garganta
dela, e a fez engolir toda a sua porra. Eu então posicionei meu pau na
entrada daquela grutinha, e ela pediu para que eu parasse, pois ainda
era virgem. Aquilo me encheu de tesão, segurei firme em sua cintura e
fui empurrando meu pau xana adentro. Ela gritava, gemia e rebolava.
Quando meu pau sumiu por completo comecei a bombar com vontade, ela era
toda apertadinha. Olhei para o sofá e vi que o Paulo estava tentando
enrabar a Renata enquanto o Sérgio estava vindo em nossa direção e
colocando o Pau na boca da Flavia, que o chupou sem cerimônia. Não
demorou e eu gozei dentro daquela gostosa. Levantei e fui dar meu pau
para a Renata chupar, enquanto o Paulo arregaçava o cu dela. O Sèrgio
então pegou a Flávia no colo e fez com ela o mesmo que havia feito com
a Renata. Estocou fundo seu pau dentro dela, e ela gemia e gozava.
Quando me restabeleci, entrei por baixo da Renata e começamos com uma
dupla penetração. A vadia chorava e gozava, pedia para não pararmos.
Queria gozar feito uma doida. Neste momento, o Sérgio, tira seu pau de
dentro da Flávia, a coloca de quatro do lado da Renata e começa a
lamber seu cuzinho e massagear sua xaninha. Ela começa a gemer alto e
anuncia que vai gozar de novo. Caiu no sofá totalmente entregue.

O
Sérgio aproveita a situação, coloca seu pau na direção daquele rego
virgem, olha pra mim e para o Paulo e diz: Quantos marmanjos na
faculdade não queriam estar no meu lugar agora? Lubrifica seu pau com
saliva e começa a empurra-lo. A Flávia toma um susto, tenta
levantar-se, mas já não tem jeito, o Sérgio sem dó empurrar todo o
cacete no cu da safada, que se entrega de vez. O Paulo depois de
arregaçar a Renatinha, tira o Pau e goza nas costas dela. Eu então viro
ela de costa para o sofá, coloco suas pernas sobre o meu ombro e começo
a bombar com gosto aquela safada que já esta toda mole de tanto rola
que levou. O Paulo se veste e sai da sala, depois de algum tempo volta
com uma câmera e tira fotos da Flávia dando o Cu pro Sergio e da Renata
toda aberta pra mim. Vai na frente da Flávia e coloca seu pau na boca
dela, e tira várias fotos da ex santinha sendo enrabada com um pau na
goela. Então o Sérgio goza no fundo do cu da Flávia e tira o pau todo
melado de gozo e um pouco de sangue. O Paulo tira o Pau da boca da
putinha que esta totalmente entregue para fazer o que a gene bem
quisesse.

O Paulo se senta no sofá e puxa ela pra cima, fazendo com que
ela se sente em seu pau. A vadia tirou forças não sei de onde e começou
a cavalgar o Paulo feito uma louca. Eu mandei a Renata chupar meu pau e
depois chupar o cuzinho da Flávia. A Renata putinha que é, enfiava a
língua dentro do cu da Flávia sugando o resto da Porra que o Paulo
tinha deixado lá. Então ela mesma direciona meu pau na entrada daquele
cuzinho recém arregaçado. E eu empurro sem dó. Como o Paulo estava todo
estocado dentro da xaninha dela, o cuzinho estava bem apertado e eu
bombava como se fosse o último rabo que eu comeria na minha vida. A
safada gemia alto e rebolava com dois paus dentro dela. A Renata pegou
a máquina do Paulo e tirou várias fotos daquela loucura, até que
gozamos os três juntos. Levantamos, perguntei para a Flávia se havia
aprendido a lição. Ela sorriu e disse que precisava estudar um pouco
mais. Tomamos banho os cinco juntos na maior curtição, voltamos para a
sala e pedimos para as duas se chuparem .

A Flavia ficou meio sem
jeito, mas a Renata caiu de boca na xaninha da Flávia que em poucos
tempos também chupava a Renata. Como a Renata ficou por baixo a Flávia
ficou co o cuzinho empinado para cima, o que eu rapidamente tratei de
ocupar com o meu pau, comemos os três o cu dela enquanto a Renata a
chupava, depois invertemos a posição e enrabamos a Renata enquanto elas
se chupavam. Depois colocamos as duas em nossas frentes e ela revezavam
chupando os três cacetes até que tomaram um banho de porra dos três e
ficaram as duas lambendo a porra que estava espalhada no corpo da
outra. As fotos acabaram na Internet (com os rostos cobertos) e a
Flávia e a Renata viraram nossas putinhas de luxo. Já as comi dentro da
faculdade, já fizemos outras surubas e a Flávia, não sei porque, acabou
saindo da igreja...

Rogério
* rogerioc@vr.com.br