Minha mulher cagou no pau do amigo

  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 3 for translation_form_alter(), called in /home/maite/public_html/includes/form.inc on line 365 and defined in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 99.
  • warning: Missing argument 2 for syslog_help() in /home/maite/public_html/modules/syslog/syslog.module on line 19.
  • warning: Missing argument 2 for translation_help() in /home/maite/public_html/modules/translation/translation.module on line 31.
Minha esposa é chamada “falsa magra” e possui uma bunda redondinha e maravilhosa. Com calça jeans justa de cintura-baixa faz com que os homens a devorem com os olhos. Praticamente, eu a iniciei em todo tipo de sacangem.
Após um ano de casado, consegui convencer minha esposa a fazermos algumas experiências de ménage. As primeiras envolveram mais mulheres em nossa transa e minha esposa gostou bastante. Adorava gozar tendo a bucetinha chupada por outra gata e curtia ficar de namorico com outra mulher.
Passado um tempo ela começou a exigir que fizéssemos ménage agora com outro homem. Minha mulher adora sexo anal e começou a nutrir a idéia de uma dupla penetração e de mamar dois cacetes ao mesmo tempo. Bem, conclui que o pedido dela era legítimo, afinal de contas: direitos iguais.
Garimpamos na net e nos encontramos com um cara solteiro e que se dizia experiente com casais. Minha esposa estava bastante ansiosa.
 
Diego, esse era seu nome, pareceu ficar bastante surpreso com a beleza da minha esposa. Sentamos no sofá e ele começou a descrever algumas experiências dele. Após pouco tempo de “conversa”, tomei a liberdade de “quebrar o gelo”. Pedi para ele mostrar o pau. Minha esposa, sentado ao lado dele, me olhou como se buscasse um consentimento. Logo em seguida, começou a delicadamente a punhetá-lo. A rola de Diego estava duríssima.
Ajoelhei-me em frente da minha esposa e comecei a despi-la. Diogo a alisava nos seios e coxas. Sua bucetinha já começava a brilhar, dando sinais de tesão intenso. Jogando os cabelos, ela desceu em direção ao colo de Diego e abocanhou sua rola com força. Com uma das mãos me punhetava. Ela delirava em duas picas.
Aproveitei para a por de quatro e enquanto ela mamava furiosamente, cai de língua naquela vadia. Como sua xoxota estava encharcada, comecei a dar mais atenção ao cuzinho. Enfiava minha língua inteira em seu anelzinho e revezava meus dedos para aumentar a dilatação. Pude notar ainda que o pau de Diego era bem grosso, tipo uns 20 por 8, fato que iria exigir uma preliminar maior.
 
A surpresa veio em seguida, quando Diogo, agora mais atrevido, tentou colocar minha esposa deitada para comer sua bucetinha. Ela simplesmente se desviou e disse sem rodeios: “Minha bucetinha é só do meu marido! Quero que você coma meu cu, só meu cuzinho!” Olhei para o amigo meio sem entender. Ele concordou na hora, sorriu e disse: “Sorte minha!”
Sentei-me no sofá e minha esposa, de frente, enterrou a xoxota no meu cacete. Segundos depois, Diego se aproximou e começou a lentamente enfiar a rola na bunda da minha esposa.
Alguém aqui já fez DP? A sensação de sentir sua rola, dentro da buceta da parceira, ser comprimida por outra pica, enfiada na bunda dela, é uma das sensações mais gostosas que existem. Tive que fazer um esforço titânico para não gozar na primeira sequência. O tesão da minha esposa estava tão alto, que a rola super grossa de Diego deslizou sem maiores problemas. Começamos a foder pra valer.
As mãos de Diego por vezes eram tiradas dos peitinhos da minha esposa para ser enterradas na boca dela, numa tentativa de diminuir os gritos e gemidos dela. Ela, meio que descontrolava, gritava: “Ai que gostoso, fode, fode, fode meu cu...Mete no meu cu, mete com força... Ai minha buceta, que delícia... Olha, amor, tem um estranho comendo minha bunda!” Eu, sofrendo para segurar a esporrada, falava baixinho: “Tá gostando, putinha? Gostoso dar o cu e a buceta, né? Vai, manda o estranho foder sua bunda!” Ela, já suada, rebolava pra sentir o máximo da penetração de duas pirocas. Foi inevitável: acabei gozando na xoxota dela.
Mudamos então de posição: Comecei com minha esposa um profundo 69, com ela por cima. Diego entendeu tudo. Se aproximou e continuou a foder o cu da minha esposa. A posição que ela estava dava a possibilidade do nosso amigo atolar a grossa vara inteirinha. Sentia a bucetinha dela jorrar de tesão. Estava tudo de bom, meu pau era engolido, mamava o grela dela e ainda podia assistir, em close, aquele caralho roliço entrar no rabo até o saco bater na nádega. Diego metia com tanta força, que eu nem precisava mover a língua, pois a buceta dela deslizava pra cima e pra baixo, tamanha a força da estocada que ela levava no cu.
 
De repente, ela tirou minha pica da boca e começou a gritar gemidos e palavrões. Sua buceta tremia em espasmos em meus lábios. Ela estava gozando como nunca. Empurrou minha cabeça para longe da buceta dela, anunciando que não estava aguentando mais. Ao afastar-me, pude ver algo que também nunca tinha visto até então: seu cu, mega dilatado, latejava tanto, que acabou por expelir uma borra de merda pra fora da bunda. Tesão total! Diego – essa é a vantagem de um cara experiente – parecia não se importar, pois continuou a foder com vontade. Ninguém ali parecia estar constrangido. A rola dele saia agora do cu da minha esposa com a cabeça toda marrom. A ponta da camisinha, onde sobra um pedaço de látex, estava toda cagada. Diego tirava todo cacete cheio de merda quente e meio que mostrava pra mim antes de enterrar com tudo e espalhar mais bosta ainda pra fora da bunda. Foi somente depois de alguns deliciosos minutos, que ela pediu para ir ao banheiro. Nunca imaginei que sentiria tanta libido vendo minha esposa, literalmente, cagar no pau de um amigo – até porque isso não tinha acontecido ainda nem conosco.
A segui ao banheiro e as surpresas ainda não tinham acabado. Minha esposa, sentadinha na privada, estava terminando de defecar e ainda assim continuava gozando. Ela olhou pra mim e disse que estava cansada de gozar. Ela estava mais linda ainda. Seus olhos brilhavam e viravam.
 
Quando voltamos à sala, Diego já tinha dado uma geral em tudo. Cogitei de voltarmos a foder, mas minha esposa estava exausta. Pedi, então, apenas para se deitar de bruços para que Diego gozasse, punhetando, em cima de sua bunda. No elevador ela mal conseguia ficar em pé e, no carro, adormeceu de forma profunda.