Gozando como animais na inversão de papéis: conto contado por ela e por ele

Versão dela

Sempre fui desinibida e já experimentei todas as formas de experiências sexuais. Sempre curti bastante o sexo anal, apesar de nas primeiras vezes ter sentido muita dor, mas de pagar uns micos, a gente vai aprendendo o preparo adequado, incluindo a forma específica de higiene, como se posicionar, quando e como contrair ou dilatar as entranhas. O fato é que já putinha em incontáveis sexuais. Hoje sou putinha fixa do meu namorado. Até aí nenhuma novidade. Esta veio de forma inusitada, como perceberão pelos relatos que faço a seguir. Sempre, ao chupar meu namorado, ficava brincando com a língua na região do períneo, dando leves passadinhas no ânus, punha também um dedinho no buraco do danado, percebia que ele se arrepiava de tesão, mas reprimia isso e retirava meu dedo. Isso até a noite em que eu lhe confessei um sonho: Enquanto ele babava na minha xoxota, era enrabado por um negro forte e virava putinha na piroca do machão.

Gozei muito com esse sonho, meu amor, veja como estou ensopada. Naquela noite trepamos com incrível volúpia, mas fui ousada e disse que só o deixaria comer minha bunda, se depois me deixasse enrabá-lo com um grande toy, um consolo transparente que havia ganho de presente de uma amiga lésbica. Ele assentiu, não tinha escolha pois já estava claro que não tinha mais como recalcar o próprio desejo. Então, após o ritual de preparativos, eu o vesti de putinha, com calcinha vermelha e espartilho, passei batom nele e o fiz mamar meu “pintão” pra aquecer o tesão. Nessa noite fiz meu namorado chorar na pica de borracha, eu o virei do avesso de forma ainda mais brutal do que até então ele fazia comigo. Depois de fodê-lo até ele ficar com o rabo vermelho e assado, precisou de muita pomada depois, mas tomou tal gosto em ser putinha da namorada que ás vezes quer ser comido antes de me comer.

Sempre chupo seu pau depois de comê-lo e parece que vai explodir em minha boca, seu corpo inteiro entra em convulsão. Às vezes ele não resiste e goza enquanto é comido, quando isso acontece, minha putinha leva umas boas cintadas pra aprender que quando minha fêmea goza pelo cu é só pelo rabo que deve gozar. Depois da surra eu o como mais um pouco pra finalmente tomar seu gozo na boca. É um prazer indescritível, pois antes de tudo isso ambos já gozamos muito da forma convencional, dessa forma realmente nos completamos. Nossa história subseqüente é meu namorado quem narra, pois combinamos que minha “putinha” tinha que ser enrabada por um pau de verdade, então combinamos o esquema com Renato, um ex-namorado meu, negro forte e pirocudo

Versão dele

Nunca pensei que um dia isso aconteceria e menos ainda pensei que pudesse sentir tanto prazer com tal evento, mas o fato é que me senti plenamente saciado. Minha namorada recebeu Renato no apartamento de camisola e calcinha vermelha, antes de sua chegada, ela produziu a “putinha” da cena, com sainha, espartilhos e salto alto, até batom passou carmim passou em minha boca. O combinado era de eu esperar eles se aquecerem pra depois entrar, foi o que fiz: quase gozei ao observar as preliminares, ele a agarrava com muito tesão, ela gania, gemia, arfava e gozava com a boca do negão em sua xoxota recém depilada. A hora que vi o trabuco do negão , tremi de nervoso e tesão, pois meu pau é bem grande e grosso, mas aquele é concorrência desleal. Sofia o engoliu inteiro, não sei como coube em sua garganta. Entrei com Renato Gozando na boca de minha namorada. Quando irrompi, ele vociferou: eis nossa putinha da noite, vai começar limpando a piça.

Chupei muito aquela rola preta, parecia uma mulher experiente, sendo que nunca havia feito isso, Sofia tocava siririca e dizia: chupa putinha, chupa esse pinto pra ele rasgar seu rabo depois, deixa ele no ponto. Num dado momento, ele levantou, me posicionou de quatro, arrebitando bem minha bunda, afastou a calcinha e chupou meu rabo e períneo como nunca havia feito. Então, exclamou: está no ponto Renatão, vem comer o cu dessa puta que ela quer pica. Cuspiu no meu rabo, no pau do negão e este me comeu sem dó, fazendo-me chorar como uma menina. Depois me fez abrir a bunda de Sofia para comê-la. Abriu uma cratera em sua bunda vermelha com os tapas da mão gigante, fez um escândalo sem precedentes, xingou o negão de todos os nomes, mas gozou muito.

Eu aproveitei para foder sua boca e a enchi de porra, ela segurou o líquido e depois que o negão tirou o pau de sua bunda, cuspiu todo o sêmen no pintão e me fez chupá-lo , deixando-o limpinho. Depois que o Renato foi embora, Sofia começou a me humilhar, dizendo que finalmente tinha sido comida por um macho de verdade, que eu só sirvo pra ser putinha. Aí baixou uma ira inexplicável, fiquei possuído, peguei um cinto no armário e lhe dei uma surra que nunca levei quando criança. Depois a enrabei com mais força que o negão, ela soluçava de tanto chorar, mas alguns minutos depois já gozava como uma cadela. Bebeu toda minha porra. Depois desfalecemos, antes me desculpei pela brutalidade, mas ela disse que gostou, afinal casou-se com um macho e não com uma putinha, isso é só uma fantasia.

E-mail contato: fepace@uol.com.br

Enviar novo comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido publicamente.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Linhas e parágrafos quebram automaticamente.

Mais informações sobre opções de formatação

ANTISPAM
Usamos este sistema para evitar spam dentro do Casa da Maite.
11 + 6 =
Resolva a simples operação matemática de soma acima e coloque o resultado. Por exemplo 1+ 3, digite 4